Horas  8 horas 53 minutos

Coordenadas 2329

Uploaded 13 de Abril de 2019

Recorded Abril 2019

-
-
984 m
426 m
0
4,4
8,8
17,5 km

Visualizado 76 vezes, baixado 4 vezes

próximo a Covas do Monte, Viseu (Portugal)

- Trilho circular, sem marcações, com início e fim na aldeia de Regoufe;
- Este trilho desenvolve-se por caminhos e trilhos de pé posto da serra da Arada, passando pelo Complexo Mineiro (desativado) de Regoufe, Alto da Prova, aldeia de Covas do Monte e Portal do Inferno. Cruza também a ribeira de Pousadela e a ribeira de Deilão;
- De Covas do Monte ao Portal do Inferno, o caminho faz-se pelo "Trilho dos Pastores". Quase a terminar, cruza-se pontualmente com o PR13 "Na senda do Paivô" e coincide com os PR14 "A aldeia mágica";
- Trilho de uma beleza paisagística deslumbrante. No entanto, com características difíceis do ponto de vista físico, pois é muito exigente, quer pelos acentuados declives que se tem que transpor, quer pela exigência técnica dos vários caminhos de pé posto que percorre.

AVISO: vários troços deste trilho, nomeadamente a ascensão ao Alto da Prova e o Trilho dos Pastores, apenas podem ser realizados com tempo seco, pois as características do terreno tornam-nos extremamente perigosos se este estiver molhado. Outro fator a ter em conta é a constante exposição solar que, em dias muito quentes, será um fator determinante para a conclusão com êxito deste lindíssimo trilho.

__________________________________________________________________________________________


SERRA DA ARADA
A serra da Arada tem 20 Km de comprimento e 15 Km de largura, atingindo em S. Pedro do Sul a altitude máxima de 1.057 metros. Serve, em parte, de linha divisória das bacias dos rios Paiva e Vouga. É uma região de grandes contrastes, de relevo áspero e imponente. Ao austero planalto, onde só florescem os matos rasteiros, contrapõem-se os profundos vales encaixados, atapetados de espesso arvoredo, por entre o qual correm rios rebeldes e tumultuosos.

SERRA DE S. MACÁRIO
No coração das Montanhas Mágicas, a mais de 1.000m de altitude, ergue-se a imponente serra de S. Macário, sítio de interesse geológico que constitui um magnífico ponto de observação da morfologia e paisagem da região oriental do maciço da Gralheira. A partir daqui é possível contemplar as serras do Montemuro, Estrela e Caramulo, e o Vale de Lafões. É também na serra de S. Macário que se encontra um dos mais peculiares Santuários de Montanha do território, constituído por duas ermidas: a de São Macário de cima, e a de São Macário de baixo, erguidas em memória de um eremita que, segundo a lenda, se tornou santo e padroeiro desta serra. A primeira ermida, mais antiga, está cercada até ao nível do telhado por um alto muro que a protege dos fortes ventos da montanha, e a segunda, mais pequena, encontra-se ao lado de uma gruta onde se crê ter vivido o lendário eremita. No último fim de semana de julho realiza-se a grande romaria em honra de S. Macário.
COMPLEXO MINEIRO DA POÇA DA CADELA (MINAS DE REGOUFE) - Desde o início do séc. XX que os «Manifestos de Minas» declararam numerosas áreas de interesse metalífero na região de Regoufe, e a 9 de janeiro de 1915 é concedido o alvará de exploração, para a designada «Mina de Regoufe» ou «Poça da Cadela» ao cidadão francês Gustave Thomas. O jazigo de W-Sn de Regoufe situa-se no bordo sudeste do plutonito granítico homónimo, onde a volframite é a mineralização mais frequente, apesar da ocorrência de alguma cassiterite. Ocorrem ainda alguns sulfuretos, como a arsenopirite, a esfarelite e a pirite, bem como, outros minerais de menor relevância como a bismutite, limonite, escorodite, autunite e bindheimite. Entre os minerais silicatados que suportam a mineralização destaca-se o quartzo, seguido de alguma moscovite, berilo e apatite. No ano de 1941, foi constituída a principal empresa de exploração de W-Sn em Regoufe, a Companhia Portuguesa de Minas, que funcionou essencialmente com capitais e administração britânicos. Ficou conhecida como a «Companhia Inglesa» e a ela se deve importantes melhoramentos na região, como a abertura de estrada a partir da Ponte de Telhe, a instalação de eletricidade e telefone nas minas. Contudo, os menores investimentos efetuados pela «Companhia Inglesa» comparativamente à «Companhia Alemã» ficaram a dever-se ao facto de os ingleses explorarem o volfrâmio não por necessidade direta da matéria-prima mas para bloquearem o acesso dos alemães à mesma. A mina da «Poça da Cadela» possui uma área de exploração de W-Sn de cerca de 57 ha e integra tanto as instalações técnicas e administrativas, como as residências e diversas entradas de galerias. Foi a concessão mais rentável da área mineira de Regoufe, que se encontra «imortalizada» por múltiplas galerias e escombreiras espalhadas por toda esta região. Este polo mineiro encontra-se bem demarcado espacialmente da aldeia agrícola tradicional homónima, da qual dista poucas centenas de metros. As ruínas monocromáticas de granito surpreendem pelo estado de abandono e destruição, conferindo a este local um estranho sossego, apenas entrecortado pelo vento e por um ou outro rebanho de cabras, que por vezes agitam as encostas e espantam o silêncio. O núcleo do complexo mineiro, onde as construções curiosamente alternam com as bocas de diversas minas, encontra-se disposto em anfiteatro à volta de uma área relativamente plana por onde correm uma pequenas linhas de água que drenam as galerias. Do lado Norte e Nordeste, concentram-se as instalações técnicas e administrativas, destacando-se o edifício de dois andares onde funcionaram os escritórios, o qual dominava uma espécie de largo ou de praceta superior, envolvido por diversas construções espalhadas pela encosta e destinadas a oficinas, central elétrica, armazéns, entre outras. As instalações da lavaria, sucessão de tanques e maquinaria dispostas na encosta, são praticamente as últimas do complexo, a Sudoeste. No lado oposto, a Nascente, a maior parte das construções tinham carácter residencial, destacando-se sobretudo o «bairro» de pequenos compartimentos, alinhados em notória extensão e dispostos em dupla plataforma, que constituíam as «casas dos mineiros». Por último, é ainda possível identificar as instalações sanitárias, o «clube», a «venda» e até uma pequena cavalariça.
Para chegar à aldeia de Covas do Monte, em São Pedro do Sul, é preciso percorrer um caminho sinuoso mas de rara beleza, atravessando a serra da Freita e vislumbrando as de Montemuro e da Gralheira. O passeio vale por si só, mas o melhor está ainda para chegar! Situada na serra de São Macário, Covas do Monte está a 450 metros de altitude, pelo que aqui se respira um ar puríssimo. A paisagem verdejante, com montanhas a toda a volta, a que ninguém fica indiferente, é pontuada por rebanhos, criando um cenário bucólico. Por aqui abaixo corre água fresquíssima, encaminhada para a aldeia e distribuída pelos campos através de um regadio tradicional. Encaixada nos montes, a aldeia fica no sopé da montanha e oferece um passeio único por entre as suas ruas estreitas e sinuosas e o aglomerado de casas, quase todas construídas em xisto e com telhados lousa. Observe a forma como se distribuem e se enquadram, perfeitamente, na paisagem! Animais e pessoas convivem lado a lado, nessa pequena povoação que vive da pastorícia. É que além de cabras e ovelhas, também as vacas saem diariamente para se deliciarem com as pastagens frescas dos montes. Ao fim da tarde, regressam, e cada uma parece conhecer o caminho para casa, num ritual que se repete e a que vale a pena assistir, ou não fosse este um retrato raro do país rural. De destacar que nesta aldeia ainda se faz a matança do porco, sendo por isso de esperar que os enchidos e a carne de qualidade sejam marcas da gastronomia local. O restaurante da aldeia - Restaurante da Associação dos Amigos de Covas do Monte - que é obrigatório conhecer, é, aliás, local de romaria ao fim de semana. Instalado numa antiga escola primária, oferece uma bonita vista para a serra e uma ementa com pratos característicos da região. Não deixe de degustar o cabrito da Gralheira e a vaca Arouquesa, raças autóctone e certificadas.
O Portal do Inferno é um local de passagem estreita no planalto da Arada que se ergue entre dois vales escarpados no xisto e que drenam em sentidos opostos. Virados para noroeste, o vale de Covas do Monte fica à direita e o vale de Drave à esquerda, oferecendo vistas vertiginosas de incomparável beleza que alcançam desníveis superiores a 400 metros. Este é um geossítio do Arouca Geopark que nos permite descobrir os relevos abruptos causados pela geodinâmica extrema em substrato xistento. A garra resultou deste fenómeno, e corresponde à erosão de linhas de água a rasgar a escarpa da montanha. Não longe daqui podemos ainda observar uma imensa dobra, resultante das forças tectónicas que elevaram esta montanha. Os afloramentos rochosos são locais muito interessantes para a vida, já que a rocha obriga a uma especialização que, ao longo do tempo, origina endemismos, – espécies que apenas existem nestes locais. Este é o caso do pólio-das-rochas, espécie rupícola restrita às montanhas do norte de Portugal que prospera nestes ermos.O lobo-ibérico e a toupeira-de-água são algumas das espécies de mamíferos ameaçadas que vivem nestes vales. Entre as aves, destaque para o altivo falcão-peregrino e para o melro-das-rochas que aproveitam esta paisagem escarpada para nidificar. Finalmente, podemos aqui observar o discreto escorpião que tem, como território de caça e abrigo, as rochas que caracterizam este local.
Ponto de intersecção dos caminhos para Regoufe, Portal do Inferno, Drave e lugar do Pêgo.
Situada na Serra de Arada, este aldeia vive da pastorícia e da agricultura. Rico também é em património natural devido a presença do lobo e não só. Nesta aldeia também se iniciam dois percursos pedestres, PR13 e PR14, pertencentes a numeração de Arouca. A história de Regoufe pode ser contada desde a pré-história, como o prova a presença de mamoas. Os visigóticos deixaram a sua marca visível hoje na toponímia do nome: Regoufe ou Rei dos Lobos. Do subsolo deste lugar e das montanhas que o envolvem foram extraídas e exportadas toneladas de volfrâmio durante o século XX. Forneceram sobretudo as forças aliadas, servindo para o fabrico de material bélico, utilizado durante a II Guerra Mundial, período durante o qual as minas foram concessionadas a empresários Ingleses que faziam a sua exploração.

Comentários

    You can or this trail