Horas  7 horas 47 minutos

Coordenadas 1660

Uploaded 1 de Abril de 2019

Recorded Março 2019

  • Rating

     
  • Information

     
  • Easy to follow

     
  • Scenery

     
-
-
1.483 m
725 m
0
5,0
9,9
19,87 km

Visualizado 131 vezes, baixado 11 vezes

próximo a Vilarinho das Furnas, Braga (Portugal)

Sábado 30 de Março, foi o dia escolhido para nova visita ao Gerês esquecido, ao território serrano profundo, com uma subida inesquecível pela face Norte do cabeço do Madorno. Nesta encosta e no seu topo, desfrutam-se paisagens surpreendentes,. A vastidão da serra está ali , seja qual for o lado para onde nos viramos.O Gerês profundo, que só se conhece, palmilhando muito, mostra-se para os lados dos altos da Torrinheira e Cidadelhe, com a Rocalva e a Roca Negra a chamarem-nos, para quem visita a crista do Outeiro do Pássaro 1, bem como o vale encaixado do Couce, Quinas da Arrocela, e muito mais. A cada visita, surgem sempre coisas novas.
Subida pelo antigo estradão mineiro desde a Portela do Homem atè à ponte da Ribeira de Madorno, com um ritmo muito forte. Procurou-se o local mais acessível para a trepada, que foi uma autêntica escalada. A mochila e o bastão incomodam e por vezes é necessário ter cuidado. De patamar a patamar lá vamos subindo a custo, tendo muito cuidado onde colocamos as mãos. O granito é fraco e desagrega-se com facilidade. As paisagens para o Vale do Homem, são magníficas, justificando as paragens que servem para recuperar forças. Finalmente, atinge-se o VG ( que não é a parte mais elevada), mas para seguirmos na direção do alto da Cidadelhe há que descer com cuidado mais um partamar, até conseguirmos fazer a travessia da ribeira do Madorno, a montante. Num curral abandonado, tomado pela vegetação e com o forno em ruínas ( curral do Pássaro ), paramos para almoçar. O tempo, não parecia estar de feição, com um incomodativo " ventinho " fresco, e nuvens negras, vindas da serra da Cabreira, prenunciando chuva, para a qual não estavamos completamente preparados. Viramos para o Outeiro do Pássaro 1, que apenas está referenciado nas cartas militares antigas, passamos pelas ruínas da estação metereoplógica e subimos ao Outeiro do Pássaro 2, para descer à chã das Abrótegas. Daqui, regressamos ao ponto de partida pelo velho estradão mineiro.
Trilho a cargo de MAKA SA.

Cartografia - Folha 31 ( Outeiro - Montalegre ) do IGE - escala 1/25.000
Em termos de toponímia, a carta mais antiga de 1948 ou 49 é mais completa.

Distância real - 20,3 km.
fonte Abilheira
ribeira da Água da Pala
Rib. do Cagarouço
Ribeira de Madorno
travassia Rib. de Madorno
abrigo do curral
O. Pássaro 1
antiga estação Metereologia
O. Pássaro 2
ponte das Abrótegas
ponte das Águas Chocas

3 comentários

  • Foto de luis florencio

    luis florencio 1/abr/2019

    Boa tarde! Qual o nível de escalada do percurso? Boas caminhadas!

  • Foto de Makca

    Makca 2/abr/2019

    Olá, o mais dificil é a subida do cabeço do Madorno, tem partes que é preciso ter cuidado.
    sâo 25 minutos de subida forte, em alguns pontos na ordem dos 60/70º.
    Cumprimentos montanheiros

  • Foto de PARAQ

    PARAQ 3/abr/2019

    Desta vez não fiquei de cabeça para baixo.

You can or this trail