Horas  9 horas 50 minutos

Coordenadas 3319

Uploaded 1 de Maio de 2019

Recorded Maio 2019

-
-
1.012 m
303 m
0
5,6
11
22,27 km

Visualizado 124 vezes, baixado 10 vezes

próximo a Campanho, Vila Real (Portugal)

- Trilho circular, parcialmente com marcações, com início e fim na aldeia de Campanhó;
- Este trilho desenvolve-se por caminhos e trilhos de pé posto na fronteira entre a serra do Marão e o Parque Natural do Alvão, passando pelas cascatas da ribeira de Porto Velho, mariola do Alto da Cruz das Moças, Silhas do Pinchadouro e do Toutiço, Chão do Rosso, aldeia de Pardelhas, conjunto de Silhas de Requeixo, aldeia de Paço e Miradouro de Paço;
- De Campanhó até à mariola do Alto da Cruz das Moças, o caminho faz-se pelo "Trilho dos Fornos da Cal" (NOTA: este trilho corresponde a um PR que ainda está em fase de homologação, podendo a sua designação vir a ser alterada). Já quando se começa a descer na direção de Pardelhas, o caminho coincide com o PR5 "Trilho das Silhas de Pardelhas" (também este ainda em fase de homologação, não existindo qualquer informação acerca do mesmo, embora as marcações sejam muito recentes e estejam em bom estado);
- A última parte deste trilho, a partir da aldeia de Paço, teve que ser alterada no terreno, em função de contrariedades com que nos deparamos face ao traçado original. Por conseguinte, numa futura oportunidade, este troço final será redesenhado, de forma a evitar as distâncias percorridas em estrada, que muito desgastam;
- Trilho de uma beleza paisagística deslumbrante. No entanto, com características difíceis do ponto de vista físico, pois é muito exigente, quer pelos acentuados declives que se tem que transpor, quer pela exigência técnica dos vários caminhos de pé posto que percorre.

AVISO: vários troços deste trilho, sobretudo a primeira parte, até às cascatas da ribeira de Porto Velho, apenas podem ser realizados com tempo seco, pois as características do terreno tornam-nos extremamente perigosos se este estiver molhado. Outro fator a ter em conta é a forte exposição solar que, em dias muito quentes, será um fator determinante para a conclusão com êxito deste lindíssimo trilho.

__________________________________________________________________________________________

SERRA DO MARÃO
A região da Serra do Marão abrange um extenso território e de paisagens diversificadas situado entre as fronteiras com a região do Minho, do Douro e de Trás-os-Montes. A Serra do Marão, colosso de xisto com 1419 m de altitude, é a sétima maior elevação de Portugal Continental. No ponto mais alto encontra-se o vértice geodésico do Marão e o Observatório Astronómico do Marão. Grandioso obstáculo natural, atrasou de forma significativa o progresso do Interior Trasmontano até ao século XIX. Contornado-o pelo Sul, a Linha do Douro afigurou-se a via mais rápida para ultrapassar o Marão desde a década de 1880, para onde convergiram outras vias-férreas paralelas ao Marão, garantindo um fluxo de passageiros e mercadorias contínuo. Com a chegada da EN15, a situação pouco mudou, dadas as características de estrada de montanha sinuosa que esta representa ainda hoje. O IP4 foi a primeira rodovia a marcar de forma visível uma mudança no acesso entre Trás-os-Montes e o Litoral, mas devido ao seu traçado ainda o Marão constitui um perigoso ponto de passagem, somando acidentes entre Amarante e Vila Real. Entretanto, foi adjudicada a obra de prolongamento da A4 (duplicação do IP4) entre Amarante e Vila Real, de onde será alargada até Bragança e a fronteira de Quintanilha, ganhando o distrito de Bragança a sua primeira auto-estrada. A serra do Marão já é atravessada pelo Túnel do Marão desde 2016, o maior túnel rodoviário da Península Ibérica, o que permite percorrer este caminho de uma forma mais segura.

PARQUE NATURAL DO ALVÃO
O Parque Natural do Alvão, com 7.220 ha, é uma zona essencialmente granítica com algumas manchas de xisto, possuindo ainda inúmeros afloramentos rochosos. Das linhas de água, muito encaixadas, destaca-se o rio Olo, na vertente oeste da Serra do Alvão, que integra o imponente maciço montanhoso onde se inclui a Serra do Marão. Este rio corre entre fragas e penhascos e atravessa as rochas nas Fisgas de Ermelo, caindo em cascatas de uma altura de cerca de 250 metros. Impressionante pela força das águas, este é um dos locais mais belos da região e está representado no símbolo do Parque. O curso do rio Olo une duas realidades distintas. A uma altitude média de 1.000 m, na zona de Lamas de Olo, predomina o granito e a vegetação de alta montanha, que apresenta um coberto arbóreo variado, com carvalhais nas zonas mais elevadas e bosques mistos de folhosas alternam com plantações de exóticas, com presença do vidoeiro na proximidade das linhas de água; em baixo, junto a Ermelo, onde a altitude ronda os 450 m, prevalece o xisto e a paisagem é verdejante como no Minho. Aqui, nas áreas agrícolas, surgem campos de centeio, de milho e batata, lameiros onde se cria o gado maronês e baldios em que se apascenta a cabrada - e vasta área de matorral. Também plantas raras, caso da Orvalhinha ou Rorela Drosera rotundifolia, espécie carnívora que cresce em terrenos encharcados e margens dos cursos de água, enriquecem a flora local. Quanto à fauna típica das serranias do norte interior, destaque para a presença do Lobo-ibérico e de interessante cortejo de anfíbios e répteis. O xisto, o granito e o colmo são os materiais usados na construção das casas das aldeias típicas de Lamas de Olo, Anta ou Ermelo, em que o tempo corre tão devagar que parece estarmos muito longe de qualquer cidade, mas afinal o Porto fica apenas a uma hora de viagem. Para ter uma ideia do modo de vida das gentes destes lugares, visite o núcleo Ecomuseológico do Arnal, que recria o ambiente de uma aldeia tradicional do Alvão.

SILHAS
Os muros-apiários, designados na região do Alvão-Marão por silhas, ou simplesmente por muros, são grandes vedações pétreas, implantadas nas encostas ou sobre morros de difícil acesso, destinadas a proteger os enxames de abelhas, presumindo-se que os principais predadores seriam no passado o texugo (Meles meles) e o urso pardo (Ursus arctus). De planta maioritariamente subcircular, com perímetro e altura variáveis, estas arquitecturas, construídas em alvenaria de granito, xisto e quartzito, são providas de um estreito vão de acesso e estruturam no seu interior várias plataformas horizontalizadas, pavimentadas com lousas, que os habitantes denominam “estradoilas”, servindo de assentamento aos cortiços das abelhas. A distribuição geográfica deste património no concelho de Mondim confina-se à área de origem xistosa da montanha, dispersando-se por diversos lugares, tais como Ermelo, Pardelhas e Campanhó. Desconhecendo-se a sua introdução na paisagem rural nortenha, mas admitindo-se que já existissem na Idade Média a avaliar pelo peso do mel e da cera nas exportações portuguesas de finais do século XIII (MARQUES 1996, 515-519) e pela perseguição desencadeada contra o urso, como indicia alguma documentação dessa época, os muros-apiários terão começado a perder a sua principal função, no século XVII, com a extinção do maior predador das colmeias, desocupando-se as estruturas e acelerando-se a sua ruína.
Implantada na vertente SE de um morro pedregoso que se ergue num meandro do ribeiro do Chão do Rosso, em terreno baldio coberto com alguma vegetação rasteira. Construção de planta subcircular, com muros de alvenaria de xisto, a curta distancia da silha de Pinchadouro. Há cerca de 50 anos, ainda eram colocadas dezenas de cortiços de abelhas nesta silha.
Implantada na encosta voltada a SE, sobranceira ao ribeiro do Chão do Rosso, afluente do rio Freixieiro, em terreno baldio, muito pedregoso, onde cresce apenas alguma vegetação rasteira. Construção de planta subcircular, com muros de alvenaria de xisto, parte deles já arruinados, a curta distância da Silha de Toutiço.
Pardelhas pertence ao conjunto das aldeias vernaculares, inserida na serra do Alvão, embelezada por campos verdejantes em sucalcos. Trata-se de um núcleo rural, típico, rodeada pela montanha e campos para cultivo e pasto. As casas são maioritariamente de xisto, com coberturas de lousa. Também se podem ver alguns espigueiros.
Conjunto de quatro monumentos, construídos em alvenaria de xisto e quartzito, implantados na encosta voltada a poente, sobre o ribeiro da Moura, afluente do rio Freixieiro, em terreno baldio, pedregoso, onde cresce alguma vegetação rasteira constituída por urze e carqueja. Enquanto os muros 1 a 3 formam um conjunto alinhado, encosta abaixo, paralelamente a um regato que drena para o ribeiro da Moura, o muro 4 está isolado, separado daqueles pela linha de água, ao longo da qual, entre castanheiros, carvalhos, amieiros, salgueiros e medronheiro, crescem muitos pirliteiros, escalheiros ou escambroeiros. Na envolvente Norte existe denso pinhal e na outra margem do ribeiro, nos socalcos do lado de Pardelhas, cultiva-se milho e erva onde pasta o gado bovino. O acesso é feito a partir da estrada asfaltada para Pardelhas, por um carreiro estreito rasgado na encosta. O muro 1 é uma construção de planta tendencialmente circular, sendo o mais pequeno e melhor conservado do conjunto. Os muros de Norte ainda mantêm uma altura considerável e possuem capeamento no topo, constituído por lajes colocadas obliquamente. O interior organizado em vários patamares revela, ainda, alguns lajeados com “estradoilas” onde assentam três cortiços e duas caixas com abelhas. O lado voltado ao regato apenas tem o muro de contenção da plataforma, criado para vencer o desnível existente. O muro 2 é a maior construção do conjunto, com cerca de 25m de diâmetro, situando-se entre os muros 1 e 3. Tem planta em forma de ferradura, estando o segmento de muro, em semicírculo, já bastante destruído e a parte recta voltada ao regato, funcionando como sapata de contenção. O interior é muito rochoso e já não se distinguem os patamares. É visível, do lado voltado a Sul, uma entrada com uma ombreira bem definida. O muro 3 apresenta planta, subquadrangular, com cantos arredondados, de pequenas dimensões, integrando, do lado Sul, grande penedia que torna mais difícil o acesso. Possui muros em alvenaria de xisto, com altura ainda considerável e capeamento bem conservado, o que lhe confere o aspecto de “fortaleza”. No interior, distribuídos por vários patamares, assentam cortiços, cobertos com lousas. No lado junto ao regato o muro é relativamente baixo, assumindo- se como sapata de contenção do talude. O muro 4 implanta-se sobre um morro, com escarpa impressionante que cerra parcialmente o cercado. Apresenta planta semicircular e é o muro mais pequeno e o mais degrado dos quatro muros do conjunto. Possui muros em alvenaria de xisto e quartzito, com pedras dispostas a seco.
A aldeia de Campanhó é um pequeno aglomerado perdido na montanha, de topografia acentuada que lhe confere uma beleza singular mais parecendo um presépio aconchegado pela serra do Marão. As difíceis características do solo obrigaram o homem à construção de socalcos para a prática da agricultura, principal fonte de subsistência da aldeia. Tiveram importância na economia da localidade as explorações da cal e do mármore negro. De destacar o Cruzeiro do Senhor dos Aflitos, peça de grande valor cultural e iconográfico. Está a uma cota de 626m e dista 37km da sede do concelho.

Comentários

    You can or this trail