Horas  7 horas 45 minutos

Coordenadas 1355

Uploaded 20 de Novembro de 2011

Recorded Novembro 2011

  • Rating

     
  • Information

     
  • Easy to follow

     
  • Scenery

     
-
-
1.233 m
553 m
0
4,0
8,0
16,03 km

Visualizado 16670 vezes, baixado 612 vezes

próximo a Campo do Gerez, Braga (Portugal)

Um dos trilhos mais conhecidos do Gerês, durinho de se fazer com a subida ao Pé do Cabril algo perigosa com o terreno (rocha) húmido, que ás vezes é cá cada susto...! Paisagens muito bonitas do Gerês.
Foram 5.10 hora a andar e 2.35 horas parado!?!?- Foi o que o GPS marcou...!
A zona perigosa!
Uns muretes com uma arquitectura especial para proteger as colmeias armazenadas e o mel, assim como outras coisas do ataque dos ursos e lobos...!

10 comentários

  • Juliomtx 4/fev/2013

    Percurri este trilho , mas so até ao cabeço do Pinheiro porque como começou a chover bastante voltei.

    [email protected]

  • afalves 26/fev/2013

    Fiz este graças à ajuda do GPS. O trilho está em muito mau estado, em algumas zonas perde-se mesmo o rasto do trilho, sem sinalização. Mesmo as mariolas desaparecem em alguns tramos. O trajecto entre os 9,4 e os 11 km é de cortar a respiração em algumas zonas com inclinações de terreno a 45º num precipício com uns 200 m de desnível.
    No meu caso 4h30 a andar + 40 min parado segundo o GPS ;)

    Não é para meninos!... mas valeu pela aventura e pelas fotos ;)

  • Pantalaimon 8/abr/2014

    I have followed this trail  View more

    This trail is quite nice. The first (southern) part is really easy and not steep. It quickly rises above the treeline. At around half the distance the summit is reached. This is a heap of rock which required scrambling skills. You can decide yourself if you climb it. After this you descend through a steep valley. Keep to the right after the shepherds building! The descend can be slippery. When arrived at the lake you have to walk the last 1.5 hour(?) to Campo do Geres mostly over a dirtroad.

  • José Carlos Pires 16/out/2014

    A parte norte do trilho, depois do Pé de Cabril até à Bouça da Mó não se recomenda porque o carreiro não é limpo. A descida do Pé de Cabril deve ser feita pelo Covelo em direcção à Fraga de Sarilhão.
    Também a subida de Campo do Gerês para Junceda não é a melhor. Existem 2 carreiros que têm manutenção, um pela Fraga do Suadouro, passando no Curral de Gamil e outro por Meadei que liga a Junceda.

  • Foto de FranciscoJFC

    FranciscoJFC 2/dez/2015

    No domingo, fomos impedidos de aceder ao Arado por estrada, uma vez que ia decorrer uma prova desportiva qualquer. Como a zona para o lado de Campos estava livre, decidimos ir ao Pé de Cabril. Abrimos o wickiloc, e demos de frente com um trilho registado pelo Makandanga , um dos autores de confiança. Já conhecíamos dois percursos de acesso ao Pé de Cabril, mas o actual só coincide com os que conhecíamos na parte mais próxima do maciço .
    Pelo caminho encontramos um grupo de espanhóis que iria subir a rocha do Pé de Cabril pelo lado sul, através da fenda arbustiva . Fomos pelo percurso tradicional de nascente, para os ver chegar à plataforma, e assistir à subida final ( onde está a Nossa Senhora e a tabuleta com a altitude ) .
    A navegação do início até à cabana do Tirolirão é fácil. Depois começam algumas dificuldades, pois deixa de haver caminho claro, tendo este de ser inventado no meio do mato, mas nada de difícil. Os problemas surgem ligeiramente à frente ( KM 9,6 ), numa descida muito ingreme com vegetação e pedras soltas , mas que se for feita com cuidado, também não será suficiente para classificar este trilho de difícil. Este setor tem umas vistas para a albufeira de Vilarinho das Furnas fabulosa .
    Na Bouça da Mó começam as dificuldades, pois o caminho encontra-se em mau estado e ligeiramente tapado. Curioso foi encontrar umas escadinhas talhadas no chão em direção a uma pequena mariola, mas que não tinha qualquer saída, o que nos obrigou a vir atrás para encontrar a saída ( à direita ) que estava muito tapada.
    Mas o verdadeiro problema deste trilho está nos últimos 500 m até chegarmos ao estradão da albufeira de Vilarinho das Furnas . Apesar de algumas mariolas, não encontramos nenhum trilho viável, e a solução de fazer a corta mato ( corta feto, mais propriamente ) teve como consequência dois trambolhões e uma série de arranhadelas ( não me perguntem o que estavam a fazer as polainas no bolso exterior das nossas mochilas! Já havia pouca luz … ) resultante das muitas silvas que se encontravam dissimuladas no meio dos fetos. No meio deste silvado escondido, encontramos a parte inferior de um bastão que alguém antes de nós lá deixou, fruto das investidas dessa espécie simpática que se dá pelo nome comum de silva…
    Em resumo, enquanto o setor norte deste percurso estiver no estado em que está atualmente , o MAKA que me desculpe, mas este terá de ser classificado como Difícil.

  • José Carlos Pires 3/dez/2015

    Se tivesse seguido o meu conselho de Outubro 2014...
    Trata-se de um trilho fantástico, com bom caminho e com inúmeras opções de itinerário e circular.
    Um dia destes vou colocar aqui algumas opções

  • Foto de FranciscoJFC

    FranciscoJFC 3/dez/2015

    Caro José Carlos
    Faz muito bem em colocar aqui as diversas opções de itinerário, uma vez que parece conhecer muito bem a zona.
    Eu mesmo tenho aqui duas - Designei-as "Campo do Gerês" - que entroncam no percurso da Aguia do Sarilhão. Os Celitos da Montanha têm um que contorna o Pé de Cabril pela esquerda até à cabana do Tirolirão, podendo esta parte do percurso ser acoplada a diversas formas de acesso .
    O meu comentário, reforçando o seu aviso, permite a quem faça o percurso, o faça consciente de que vai ter alguns problemas, embora não sejam inultrapassáveis.

  • Foto de SSMORAIS

    SSMORAIS 23/set/2017

    Boas,
    Seria possível fazer este trilho com um cão de porte médio? Sem chuva, claro.
    Obrigado

  • José Carlos Pires 23/set/2017

    Boa tarde
    Este trilho, com o traçado acima, não se recomenda na parte Noroeste, na descida para a Bouça da Mó (Mata da Albergaria), porque o trilho não tem manutenção há muitos anos. A parte Sul, também não é a melhor, mas o trilho está razoável.
    Se o cão tiver boa condição física, sim. Apenas terá de ter cuidado no cume do Pé de Cabril.

  • Foto de Nuno Sousa

    Nuno Sousa 8/jul/2018

    I have followed this trail  View more

    Até ao Pé de Cabril, e ainda um pouco até chegar à Cabana do Tirolão, o percurso é pacífico e com paisagens fantásticas. Depois disso o trilho está em muito mau estado e é propenso a se ter de abrir caminho à força pelo meio de silvas e mato, com pedras soltas e descidas íngremes. Desta forma esta parte noroeste é completamente desaconselhada. É preferível voltar para trás ou regressar por outro trilho alternativo. Algumas (bastantes) arranhadelas e quedas para para confirmar esta última afirmação.

You can or this trail