Tempo em movimento  11 horas 25 minutos

Horas  2 dias 2 horas 33 minutos

Coordenadas 6065

Uploaded 27 de Junho de 2019

Recorded Junho 2019

-
-
3.748 m
1.193 m
0
8,6
17
34,24 km

Visualizado 13 vezes, baixado 2 vezes

próximo a Calembe, Rio de Janeiro (Brazil)

Travessia clássica, considerada por muitos a mais bonita do Brasil. Caminha-se da cidade de Petrópolis até a cidade de Teresópolis por dentro do Parque Nacional da Serra dos Órgãos - PARNASO.

É necessário a compra antecipada de ingressos pelo site parnaso.tur.br. Atenção para feriados, os ingressos costumam ser disputados.

A logística da travessia começa um dia antes, para quem vai de carro. Deixamos o veículo estacionado na saída da travessia, que é a portaria de Teresópolis. No dia seguinte, ainda de madrugada, partimos para Petrópolis. Foi difícil achar uma condução Uber ou Táxi, pois o último trecho para se chegar no início da trilha que é a portaria de Petrópolis a estrada está muito ruim. De Teresópolis até o início da trilha em Petrópolis leva-se 1h30 de carro.

Iniciamos a caminhada 7h30 da manhã, e na portaria o funcionário informou que poderíamos ter ido com o nosso veículo até ali, que ele o levaria até o final da trilha em Teresópolis, por algo em torno de R$200,00 (se não me engano). Vale ressaltar que esse é um serviço não relacionado com o parque nacional. As 8h30 chegamos na bifurcação da trilha que leva até a cachoeira véu de noiva e a gruta do presidente, onde cheguei 15 minutos depois. O trajeto até estes pontos não apresenta nenhuma dificuldade. Seguimos caminhando sempre subindo e ganhando altitude e cada vez mais deixando a mata fechada para uma vegetação rasteira. Chegamos na pedra do queijo as 9h30. Com mais uma hora de caminhada chegamos no ponto de água Ajax. Mesmo em época seca havia bastante água, o que aliás não foi problema em nenhum momento da travessia, permitindo que eu andasse bem leve, carregando no máximo 500 ml de água. Passamos pela subida da Isabeloca, que é bem demarcada e até possui alguns degraus, não fazendo jus a sua fama de difícil. Era 11h30 e chegamos na pedra do graças a Deus, já contemplados com a paisagem estonteante dos campos de altitude. 1 hora depois e chegamos para o almoço no Abrigo do Açu. O abrigo possui panelas, talheres, copos, água potável, gás e fogareiros. Você só precisa levar a própria comida. Dentro da formação rochosa conhecida como castelos do açu consegui área de celular e dados móveis da operadora Vivo. E assim chegou ao fim o percurso de 8km do primeiro dia, que não apresenta nenhuma dificuldade técnica, resume-se em uma subida longa. Observação: O GPS do celular deu erro neste dia e marcou a altitude errada. Mas os pontos de referência e distâncias estão corretos.

No segundo dia começamos a caminhar 8h da manhã, atingindo o Morro do Marco 45 minutos depois. Decidimos por ir aos portais de Hércules, um mirante que desvia bastante da trilha. O mirante é bastante bonito, porém vai acrescentar 2km e são 300 metros de descida, e consequentemente de subida também. Pense bem antes de ir, pois durante todo o dia você terá mirantes tão bonito quanto. Na minha opinião, é uma visita que não vale a pena, mas se você decidir por ir recomendo esconder a cargueira e fazer este trecho sem peso. Seguimos nossa jornada para o morro da Luva, onde chegamos 11h30. Antes da subida para este morro há um ponto de água em um riacho. 45 minutos chegamos ao elevador, que são vários grampos para uma subida que chega a ser cansativa. Atingimos o Vale das Antas as 13h45, um local amplo e com água abundante, onde almoçamos e contamos mentiras com todos os outros trilheiros que ali estavam, eram 3 grupos. Dali em diante é a última subida do dia. Passamos pelo trecho chamado mergulho as 14h30, deve-se ter cuidado, mas é uma descida com vários pontos de ancoragem, achamos tranquilo. 15h chegamos ao cavalinho, aqui algumas pessoas com menos experiência/medo de altura podem ter dificuldade, mas o segredo é sempre passar um trilheiro primeiro sem cargueira, passar a cargueira para, e assim por diante até o grupo todo passar. Também existem vários pontos de ancoragem para se segurar e apoiar neste trecho. Dali em diante é uma caminhada leve até o abrigo Sino, onde chegamos 16h30. Não subimos até o cume da pedra do Sino devido aos fortes ventos e neblina que chegaram no fim de tarde. Mais exigente, o segundo dia teve 11km de caminhada e muitas descidas por lage de pedra bem íngremes (o que pode ser muito ruim quando chove) e também muitas subidas. Também no abrigo do sino havia todas as ferramentas de cozinha como no abrigo do açu. No trecho entre a pedra do sino e o abrigo existem vários pontos de área e dados móveis da operadora vivo.

No terceiro dia começamos a caminhar 7h da manhã. Este dia é um verdadeiro passeio no parque, é uma descida longa de 9km, nada íngreme, com vistas para Teresópolis, vários pontos de água, antigos abrigos, caverna e a cachoeira véu de noiva. Este dia não apresenta nenhuma dificuldade. Chegamos ao fim da travessia 3 horas depois.
Bifurcação, direita para trilha e esquerda para gruta e cachoeira. Intersection, trail to the right, cave and waterfall to the left
President’s cave
Véu de noiva Waterfall
Cheese stone
View to Petrópolis
Fresh water
Isabeloca's uphill.
The top of Isabeloca's uphill
Thanks God Stone
Take the right heading to Açu
Açu's Castle
Açu's refuge
Crux
Açu’s summit (7270ft)
Marco hill (7414ft)
Take the right to Hércules’ portals
Fresh water on the right
Hércules’ portals (6299ft)
Fresh water
Glove hill (7217ft)
Fresh water
Nice view
The elevator
Dinosaur hill (6811ft)
Fresh water on Tapirs’ valley
The back of the whale
Wale’s stone
The dive
The little horse
Direita pra pedra do Sino e reto pra abrigo. Pegue o direito de subir a Pedra do Sino ou siga em frente para chegar ao abrigo.
Bell refuge
Wale's Stone (7185ft)
Fresh water
Nice view
Third Shelter
Fresh water
Nice view to Teresópolis
Bridge
Véu de Noiva Waterfall
Shelter
Bridge

Comentários

    You can or this trail