Baixar

Distância

14,52 km

Desnível positivo

1.508 m

Dificuldade técnica

Moderada

Desnível negativo

773 m

Elevação máx

2.116 m

Trailrank

69 5

Elevação min

1.009 m

Tipo de trilha

Mão Única

Hora

8 horas 41 minutos

Coordenadas

2496

Enviada em

19 de abril de 2021

Registrada em

julho 2018
  • Avaliação

     
  • Informações

     
  • Fácil de fazer

     
  • Paisagem

     
Seja o primeiro a aplaudir
2 comentários
 
Compartilhar
-
-
2.116 m
1.009 m
14,52 km

Visualizado 263 vezes, baixado 7 vezes

perto de Les Houches, Auvergne-Rhône-Alpes (France)

Advertências:
1 - links e imagens contidas neste texto são visíveis em browser mas não na app wikiloc
2 - as imagens do TMB podem ser viciantes e despertar um incontrolável desejo de partir imediatamente
:D

Mapa com indicação dos pontos de partida e chegada (imagem base retirada de chamonix.net)




Resumo da etapa

A etapa oficial segue maioritáriamente por estrada até Les Contamines, com pouco desnível e deve ser usada em caso de mau tempo.
A variante que escolhi sobe ao Col de Tricot (2120m), as duas divergem no Col de Voza 1635m (Les Houches fica a 1007m). Em Voza há um pequeno restaurante, e 20 minutos depois chega-se ao Hotel Bellevue (1786M), portanto é fácil neutralizar a etapa em caso de necessidade.
Já depois de passar o Col de Tricot (2120m) desce-se a Chalets de Miage, onde há também refúgio (1550m) antes da puxada subida ao Auberge du Truc (1720m)
Estes dois abrem de Junho a meados de Setembro.
Para bons andarilhos e sem paragens, serão umas seis horas de trilho no total, mas claro que com paragens e fotos, para nós as etapas são sempre de dia inteiro 🙂 .


A nossa etapa

Deixamos o conforto do Gîte Michel Fagot pelas 7:30, para empreender a longa subida até ao Col de Voza. A subida, sempre pelo meio das pistas e dos meios mecânicos da estação de esqui de Les Houches, segue pelo meio da floresta, poupando-nos aos raios do sol que nos atingem nas costas. Mesmo assim, o apertado vale por onde seguimos está abafado, e é com alívio que chegamos ao amplo e arejado Col de Voza, onde nos detemos na estação do "TMB", o Tramway du Mont Blanc. Aqui aproveitei para actualizar o meu diário de bordo, enquanto esperava pela pela passagem de uma composição, que queria fotografar.

Daqui para cima é mais fresco, seguimos um single track entre árvores, é um caminho lento, com alguns degraus, mas lindíssimo, com vistas cada vez mais surpreendentes do glaciar de Bionnassay. O glaciar é imponente, embora pequeno, como imponente é a torrente que se desprende do lago de acumulação.
Descemos ao lado de uma moreia do glaciar, para atravessar a torrente numa zona que fica pouco abaixo desse lago, numa ponte suspensa muito procurada pelos turistas que aqui vem fazer as selfies da praxe.



Depois da ponte começa a dura subida até ao Col de Tricot, parece que nunca mais acaba. Já perto do colo tivemos de atravessar um neveiro onde usamos os nossos Yaktrax para facilitar a caminhada. Lá em cima paramos para almoçar, é um local priveligiado para tal. A selfie habitual nos pontos mais altos, e iniciamos a longa e escorregadia descida-rebenta-joelhos até aos Chalets de Miage.

Paramos aí para duas revitalizantes Colas bem frescas. Todo o pessoal se espraiava cá fora, nós ficamos lá dentro sózinhos, onde estava muito mais fresco.
Depois deixamos o refúgio e continuamos a disparar fotos, o sítio é lindo.

Não havia Wi-Fi, nem vai haver no refúgio do Truc; mas há dados móveis na subida, aproveitamos para "pôr a escrita em dia" nas pausas para recuperar o fôlego, que a subida custa, depois do esforço dispendido na subida e descida do Tricot.

À chegada ao Auberge do Truc duas 1640 devolveram-nos a vitalidade, enquanto actualizei o relato do dia. O refúgio é espartano, uma pequena construção situada numa pastagem de altitude, onde se espalham meia dúzia de casitas, os Chalets du Truc. Tudo assente num planalto com belas vistas para a montanha e para os Dômes du Miage e seus glaciares.

Nao há própriamente duche, mas dá para fazer a higiene elementar, ajudada pelos toalhetes húmidos que nunca faltam nas nossas mochilas.
A camarata é diminuta, mas dorme-se lá bem. Há muitas mesas cá fora, e uma pequena sala de jantar onde comemos nessa noite.

Esperamos pelo jantar enquanto fizemos umas fotos e absorvemos os últimos raios de sol que desciam por entre núvens.
Às 19 horas em ponto, a Martine e o Jean-Philip serviram o comer à meia dúzia de caminheiros que penoitam aqui hoje. Repetem um gesto que a família vem fazendo desde 1936, num ponto fora do main stream, esquecido pelas agências, um braço do TMB menos frequentado. O nome vem do monte Truc, ali perto, que significa "cabeço arredondado".

Foi um jantar muito simples mas saboroso, um caldo, cotovelinhos com um molho de tomate e omelete a acompanhar, coalhada de ovelha e pudim flan ambos caseiros.

Após o jantar sentei-me cá fora a saborear o cair da tarde. Não havia grupos ruidosos, estávamos entre apreciadores da montanha, a fazer rigorosamente nada, apenas sentir o tempo passar pé ante pé.
O céu vestiu-se de negro, a trovoada já se fazia ouvir, mas um raio de sol alaranjado encontrou por onde furar as núvens e veio beijar a genèpie do meu cálice.
Priceless.



O pessoal começou a recolher à minúscula camarata. Mas nós não conseguimos libertar-nos do magnetismo daqueles momentos, a paz e o silêncio totais, as vacas pachorrentamente estendidas no prado, o céu cheio de sombras que anunciavam descarga, o jogo de verdes e azuis e violácios que a luz de final do dia nos trazia. Ficamos, afinal o saco de dormir estava 3 metros atrás...
E íamos por certo dormir bem, abrigados sob toda aquela intemporalidade.

O tempo fez caretas todo o dia, ora sol queimante, ora encoberto abafado, ora ameaça de tempestade, que se acentuou para o final da etapa, e que rebentou durante a noite. Um privilégio, porque nesta condições de tempo a luz muda constantemente e a paisagem é permanentemente reeinventada, o que enriquece em muito a nossa recordação deste trajecto.


Le glacier de Bionnassay

Os glaciares fascinam-me. A par da sua extraordinária e rude beleza, são uma das mais violentas forças da natureza, responsáveis em boa parte pela modelação do continente em que vivemos.
O de Bionnassay, com 430ha, é o mais pequeno dos grandes glaciares alpinos franceses. Nem por isso menos atraente, corre ao longo de 5km e termina entre duas ciclopicas moreias.


Passerelle de Bionnasay

A ponte de modelo tibetano salva o barranco por onde drena o glaciar de Bionnassay.
A força assustadora e indomável da torrente de água, lama, pedras e blocos de gelo desce rugindo e arrasando tudo o que lhe aparece; assim foram abaixo sucessivas pontes que tentaram unir as suas margens. A que agora atravessamos é a mais recente tentativa dos minúsculos humanos para vencer o monstro.


As etapas

Etapa 00 Lisboa - Les Houches
Etapa 01 14.52 km Les Houches - Auberge Le Truc
Etapa 02 17.75 km Auberge Le Truc - Refuge de La Croix du Bon Homme
Etapa 03 12.18 km Refuge de La Croix du Bon Homme - Refuge des Mottets
Etapa 04  18.79 Km Refuge Des Mottets - Rifugio Maison Vieille
Etapa 05 09.85 Km Rifugio Maison Vieille - Rifugio Giorgio Bertone
Etapa 06 12.24 Km Rifugio Giorgio Bertone - Rifugio Elena
Etapa 07 12.06 Km Rifugio Elena - Auberge des Glaciers (La Fouly)
Etapa 08 17.37 Km Auberge des Glaciers (La Fouly) - Gîte Bon Abri (Champex)
Etapa 09 Gîte Bon Abri (Champex) - Auberge du Mont Blanc (Trient)
Etapa 10 Auberge du Mont Blanc (Trient) - Auberge de la Böerne (Trés Le Champ)
Etapa 11 Auberge de la Böerne (Trés Le Champ) - Refuge de La Flégère 
Etapa 12 Refuge de La Flégère - Rocky Pop Hotel (Les Houches)
Passagem de montanha

Almoço tmb01

Refúgio de montanha

Auberge Le Truc (1750m)

Provisionamento

Café restaurante La Rioule (aberto)

Waypoint

Caminho pé posto

Waypoint

Chalets de Miage

Passagem de montanha

Col de Voza (1650m) - água

Foto

Combe de Tricot

Foto

Combe des Juments

Árvore

Entrada nos bosques. A subida é pronunciada

Entra nos bosques. A subida é pronunciada
Parada de trem

Gare Tramway du Mont-Blanc

Col de Voza 74170, Saint-Gervais-Les-Bains, Auvergne-Rhône-Alpes, FRA
Refúgio de montanha

Gîte Michel Fagot (1000m)

Refúgio de montanha

Hotel Bellevue miradouro c painel descritivo

Lago

Lac Glaciaire de Bionnassay

Foto

Le Truc - anoitecer

Waypoint

Les Vieilles Luges

Ponte

Passerelle de Bionnassay (1720m)

Ponto de informação

Poste indicador 0101

Ponto de informação

Poste indicador 0102

Ponto de informação

Poste indicador 0103 - Les Trabets (995m)

Ponto de informação

Poste indicador 0104

Ponto de informação

Poste indicador 0105 - Le Pont de Belleface (1150m)

Ponto de informação

Poste indicador 0106 - Maison Neuve (1221m)

Ponto de informação

Poste indicador 0107 - La Carbotte (1490m)

Ponto de informação

Poste indicador 0108 - Le Terrain (1600m)

Ponto de informação

Poste indicador 0109 - Col de Voza chapelle (1665m)

Ponto de informação

Poste indicador 0110 - Col de voza (1650m)

Ponto de informação

Poste indicador 0111 - Bellevue (1770m)

Ponto de informação

Poste indicador 0112 La Chalette (1762m)

Ponto de informação

Poste indicador 0113 L'Are (1760m)

Ponto de informação

Poste indicador 0114 Plat de l'Are (1775m)

Poste indicador Plat de l'Are 1775m
Ponto de informação

Poste indicador 0115 Col de Tricot (2120m)

Ponto de informação

Poste indicador 0116 Miage (1570m)

Ponto de informação

Poste indicador 0117 Miage (1550m)

Ponto de informação

Poste indicador 0118 - desvio Mont Truc

Refúgio de montanha

Refuge du Miage

Waypoint

Telepheric de Bellevue (1801m)

Waypoint

Torrent de Miage

Local religioso

Église Saint-Jean-Baptiste

Église Saint-Jean-Baptiste Les Houches, Auvergne-Rhône-Alpes, FRA

2 comentários

  • Foto de Luis Peregrino

    Luis Peregrino 19 de abr de 2021

    Eu fiz esta trilha  Ver mais

    Excelente e detalhado relato da tão bela experiência que é o TMB, obrigado por partilhares.

  • Foto de papaleguas

    papaleguas 19 de abr de 2021

    Obrigado, Luís! Em breve as "cenas dos próximos capítulos"!!
    Abraço,

Você pode ou esta trilha