Horas  6 horas 39 minutos

Coordenadas 2746

Uploaded 15 de Fevereiro de 2017

Recorded Fevereiro 2017

  • Rating

     
  • Information

     
  • Easy to follow

     
  • Scenery

     
-
-
1.359 m
778 m
0
3,3
6,5
13,02 km

Visualizado 334 vezes, baixado 6 vezes

próximo a Bouças Donas, Viana do Castelo (Portugal)

Bem, no passado sábado foi a vez de fazer algo que já desejava há algum tempo : conhecer pessoalmente e fazer um percurso com dois “monstros” da serra, que eu me habituei a seguir e a quem devo grande parte das minhas experiências nesse espaço : O João Maka, e o Fernando Truka .

Este primeiro encontro foi ainda abençoado pela natureza, que recompensou quem tanto gosta dela . Estava um dia maravilhoso, e a serra do Soajo, bem como as vizinhas Amarela e Gerês, vestiam um manto branco imaculado.

Iniciado o percurso junto ao parque de campismo ( antiga branda ) da Travanca, o Maka orientou-nos em direcção à bonita Branda da Urzeira, que eu não conhecia . Na cabana ainda se notavam os efeitos da recente tempestade, com uma série de telhas levantadas . Mas antes de chegarmos à Urzeira, o Maka levou-nos a um miradouro onde pudemos ver a Serra Amarela como eu nunca a tinha visto .

A partir da Urzeira a neve era uma constante . O dia estava luminoso, embora o sol aberto só tivesse acontecido a espaços. Depois da Branda da Cova, dirigimo-nos para um pequeno castelo rochoso no meio do qual nos abrigamos para almoçar.

A parte mais custosa do percurso deu-se de seguida, com uma subida numa encosta muito batida pelo vento gelado, ainda por cima na altura em que iniciávamos a digestão . O frio era tal que, mesmo com as luvas de neve calçadas, eu sentia a ponta dos dedos gelados . E é nessa altura que eu reparo no nosso companheiro Daniel Galga ( Foto ) com os bastões debaixo do braço, sem luvas nem qualquer tipo de casaco, vestindo apenas a famosa T-Shirt verde , e galgando a subida com relativa facilidade, como que a chamar fraquinhos a todos os restantes. Ninguém me convence que aquela T-Shirt não tem um segredo qualquer …

Depois foi passar pela base do alto da Pedrada, e descer com muito cuidado, dadas as condições, pela vertente poente do rio . Alguns, como o Fernando, devem ter optado por botas slick, pois fartaram-se de ir com o rabo ao chão ( O Fernando está a pensar mudar de consultor técnico de botas… ) . Eu cá também tive a minha dose …

Em resumo, uma magnífica jornada na serra, que só teve o senão de não ter sido feita com a minha parceira do costume, pois estava de serviço à neta , que apanhou varicela .

Por fim não queria deixar de referir a vertente cultural dada pelos mestres durante o percurso .
Com o capitão Maka sempre à frente da coluna, escolhendo o percurso mais adequado – quase nem nos apercebemos que passamos dois riachos! - , aprendemos a técnica para dizimar um galinheiro sem recurso a faca, ou mesmo pistola .

Já com o mestre Truka, percebemos que a diferença entre um cortelho e uma cabana depende fundamentalmente de quem os habita . Deu inclusive um exemplo prático para melhor percebermos o conceito, dizendo que se fosse ele próprio a estar dentro, seria uma cabana, mas já se fosse o Daniel …

Uma palavra de agradecimento ao restante grupo, que foi extremamente simpático para com o intruso .

Para mais informação, ver or originais :

https://pt.wikiloc.com/wikiloc/view.do?id=16395595
ou
https://pt.wikiloc.com/wikiloc/view.do?id=16409423

2 comentários

  • Foto de TRUKA

    TRUKA 15/fev/2017

    Excelente percurso. Com neve tem mais encanto

  • Foto de Makca

    Makca 16/fev/2017

    Passaste no teste amigo!

You can or this trail