Tempo em movimento  uma hora 20 minutos

Horas  3 horas 18 minutos

Coordenadas 1083

Uploaded 20 de Maio de 2018

Recorded Maio 2018

-
-
1.949 m
1.511 m
0
1,7
3,3
6,68 km

Visualizado 105 vezes, baixado 0 vezes

próximo a Monte Verde, Minas Gerais (Brazil)

Trekking 2 dias - Serra dos Poncianos

Introdução

A Serra dos Poncianos é um pequeno conjunto de serras no sul da Serra da Mantiqueira. Se estende por pouco mais de 8km de extensão no alinhamento leste/oeste, formando a divisa física entre os estados de Minas Gerais e São Paulo, mais precisamente entre Monte Verde (Camanducaia/MG) e São Francisco Xavier/SP.

Monte Verde é muito turística e também bem explorada por seus visitantes com suas trilhas que direcionam para a Pedra Partida, Pedra Redonda, Chapéu do Bispo, Platô e Selado. Por isso, muitas trilhas são bem demarcadas e sinalizadas. Inclusive algumas tem a presença de todo tipo de turista, como famílias, crianças e idosos. Em muitos trechos o aventureiro tem que ter paciência e seguir no ritmo dos turistas.

Dia 01 - Sábado - 19/maio
Nossa aventura foi planejada para 2 dias, sábado e domingo. Existem vários tipos de trilhas que podem ser percorridos. Os principais são as trilhas mais turísticas de Monte Verde e também a Trilha do Jorge, que liga São Francisco Xavier a Monte Verde. Nós planejamos uma mescla dessas trilhas.

Nossa trilha
Planejamos sair no sábado pela manhã de Monte Verde, seguir pela trilha do Jorge até a bifurcação e depois seguir até o Pico da Onça, onde iríamos pernoitar. No domingo seguiríamos sentido Pedra Bonita, Pedra Partida, Pedra Redonda, Bispo, Platô e Selado.

Pé na Trilha
Chegamos em Monte Verde por volta das 10h da manhã. Infelizmente chegamos com uma chuva fina, clima péssimo para fazer trilha, ainda mais em um local com frio característico. Demos uma volta na cidade e próximo do meio-dia, com uma chuva mais forte, decidimos almoçar e desistir da trilha. Com chuva, frio, a navegação fica complicada e decidimos acampar no camping da cidade mesmo, passar um fim de semana tranquilo e voltar em outra oportunidade melhor.
Almoçamos e por volta das 13h a chuva deu uma trégua. E agora, partimos camping ou partimos pra trilha? Bora fazer trilha!!!

Começamos por volta das 13h30. Deixamos o carro estacionado na avenida das Montanhas, bem próximo a avenida principal e bem em frente ao Paulo das Trutas, restaurante famoso da cidade. Demos início a trilha!!!

O começo é bem tranquilo pois ainda é um trecho urbano, onde tem pessoas e carros passando. Nesse ponto estamos cerca de pouco mais de 1.500 metros de altitude. Seguimos pela Av. das Montanhas e rapidamente já passamos pelo Portal das Montanhas. Mais um pouco a frente já tem uma bifurcação, seguimos pela esquerda através da rua Taurus. Nessa rua seguimos em frente até o final, terminando com o portão do Hotel Guanxi. Aí é só seguir a direita do portão do hotel, dando início a Trilha do Jorge.

Após contornar um pouco a cerca do hotel tem uma lixeira azul e a trilha do Jorge segue virando a esquerda nessa lixeira. A partir daqui podemos dizer que estamos mais sozinhos e por conta própria, agora sim verdadeiramente em uma trilha.

Poucos metros a diante chegamos de frente com uma cerca da empresa Melhoramentos. A empresa utiliza dos eucaliptos da região para a fabricação de celulose. A placa na cerca diz ser propriedade da Melhoramentos e acesso proibido… Mas seguimos em frente!

Um pouco mais adiante chegamos no primeiro ponto de água da trilha, na marca dos 1.700 metros de altitude. Um pequeno riacho que por causa das chuvas naquele dia estava até que com um bom volume d’água, mas que qualquer outro dia deve ser mais modesto. Tem um tronco que auxilia o aventureiro a atravessar, mas com aquele volume de água achamos melhor atravessar o leito normal mesmo. Como era início da trilha e estava muito frio, o melhor era tirar os tênis e meias e atravessar descalço. Princípio fundamental em trilhas com frio: evite molhar os pés!!!

Após atravessar o riacho, onde nem abastecemos pois ainda era início da trilha, seguimos a trilha do Jorge o começa a ter um pouco mais de aclive no terreno. Devido a chuva naqueles dias e por ainda não ter começado a época de trilhas, haviam muitas árvores caídas no percurso. Ficar atento.

Seguimos adiante com o terreno cada vez com mais aclive, mas nada de grande dificuldade. A trilha ainda é bem marcada no chão e não há grandes problemas em segui-la. Continuamos sempre subindo até que chegamos em uma área menos densa, mais aberta com árvores mais espaçadas. Esse é o chamado Bosque dos Duendes. Realmente é muito bonito e poderia ser facilmente um local de filmes… Após passar pelo bosque o aclive começa a suavizar e o terreno vai ficando mais plano. Nesse ponto já estamos quase atingindo 1.800 metros de altitude.

Passando o bosque podemos dizer que chegamos quase na parte de mais altitude da trilha do Jorge. Na trilha aparece um ponto importante de referência, uma grande rocha a esquerda. Pouco mais adiante já tem uma clareira que vira uma bifurcação. Para nós que saímos de Monte Verde, devemos pegar a trilha da direita. Para quem vem por São Francisco Xavier, chegando nesse ponto deve pegar a esquerda. Não importando de onde você vem, siga a trilha sentido oeste! Por isso que sempre falo a importância de saber o mínimo de navegação e pontos cardeais, aí não tem erro!!!

Saímos então da Trilha do Jorge e seguimos com destino a Pedra da Onça. Muitos a chamam de Pico da Onça, sou leigo no assunto mas acredito que o termo “pico” não se aplica a este ponto, que é uma clareira na rocha, com vegetação.

Por fim, passando a bifurcação, são mais cerca de 800 metros de trilha até a entrada do “nosso camping”: a Pedra da Onça. Ufa, chegamos ao destino daquele dia. No total, do carro na cidade até atingir a Onça levamos 3h18m de caminhada e subimos de 1.515m de altitude para os 1.947m de altitude da Pedra da Onça.
A Pedra da Onça
Toda a crista das montanhas da região formam a divisão natural de duas regiões, que por consequência limitam os estados de Minas Gerais e São Paulo. A Pedra da Onça está na altitude 1.947m e essa altitude segue por essa crista e seus cumes são os pontos de visitação de turistas que escolhem Monte Verde para passar dias de lazer.

A Onça é uma clareira com trechos de rocha, grama e vegetação baixa. Lá já é um ponto muito visitado por aventureiros que fazem trilha na região. Chegamos na Onça pouco antes das 17h e fizemos um breve reconhecimento do local para escolher o melhor ponto para montarmos a barraca. Na sequência chegaram mais 4 aventureiros, vindos de São Francisco Xavier. Visivelmente tínhamos um vento forte vindo do norte e procuramos achar um local natural que formasse uma barreira para esse vento. Tem um ponto com rochas mais altas onde, aparentemente, costumam fazer fogueiras. Infelizmente ainda tem pessoas que insistem em fazer fogueiras nesses locais, aumentando o risco de incêndios e degradando a vegetação local.

Montamos nossa barraca escondida do vento norte, com a porta da barraca voltada ao sul. Em dias mais claros, a vista para o sul é fantástica, mas infelizmente não era nosso caso naquele fim de semana nublado. Nossos vizinhos de camping selvagem primeiramente montaram as barracas próximo das árvores, mas depois mudaram para próximo de nós, fugindo mais do vento.

Naquela dia ventou muito, mas muito mesmo. A temperatura foi baixando e no começo da noite já marcava 12ºC. Com o frio e barraca montada, no interior dela a Carol arrumou os isolantes térmicos e os sleepingbags. Ajeitou o resto das quinquilharias que todo aventureiro leva, como lanternas, roupas, comidas… ah é, comidas!!! Bora comer algo que estamos com fome.

Aproveitei esse espaço que alguns usam como fogueira para acomodar meu fogareiro e panelas. Lá seria a nossa cozinha. Mesmo com rochas e árvores, ainda estava passando muito vento. Tratei de achar um pouco de vegetação para isolar a nossa cozinha do vento forte e conseguir usar o fogareiro. Tudo feito, bora fazer algo pra comer. A Carol queria tomar uma sopa, daquelas Vono (instantânea). Eu preferi ficar nas castanhas e barrinha de cereal. Comemos e depois nos acomodamos nos sacos de dormir. A temperatura externa na madrugada chegou a menos de 1ºC e dentro da barraca em menos de 8ºC. É o mesmo que querer dormir dentro de uma geladeira, hehehehe.

Bora dormir que amanhã tem mais 10km de trilha!!!
A direita do hotel guaxinim
Lado esquerdo da lixeira

1 comment

  • Foto de PBravo05

    PBravo05 7/ago/2018

    Diego , bela trilha ! Parabéns . Quando você chegou na cerca da melhoramentos, você vez atrilha que passa por ela ,ou a trilha rente a ela, mas que não precisa passar por ela ? Dá para montar acampamento na pedra da onça?

You can or this trail