Baixar

Distância

11,02 km

Desnível positivo

1.160 m

Dificuldade técnica

Difícil

Desnível negativo

57 m

Elevação máx

1.956 m

Trailrank

61

Elevação min

844 m

Tipo de trilha

Mão Única

Tempo em movimento

2 horas 59 minutos

Hora

4 horas 32 minutos

Coordenadas

1975

Enviada em

29 de junho de 2019

Registrada em

junho 2019
Seja o primeiro a aplaudir
Compartilhar
-
-
1.956 m
844 m
11,02 km

Visualizado 724 vezes, baixado 40 vezes

perto de Loriga, Guarda (Portugal)

Dia com bastante sol, céu limpo

e com uma temperatura agradável, foi o ideal para realizar a mítica subida da Garganta de Loriga.
Com inicio na aldeia de Loriga, o inicio deste percurso é duro, através de caminhos em terra quando sobe sobe mesmo, após os primeiros 2km o caminho passa a trilho, mas a dureza do mesmo mantém-se, através das pedras e entre alguma vegetação a paisagem é fabulosa, com a aldeia de Loriga bem ao fundo, esta "Garganta" é de uma beleza extraordinária.
Após a chegada ao Covão da Areia o trilho deixa de ser tão duro e passa a ser mais plano, mas é a partir deste Covão e na minha opinião, é quando a beleza da Serra tem o seu esplendor máximo, no Covão da Areia encontramos um pastor com o seu rebanhos, pode-se abastecer de água e este local merece uma paragem prolongada.
Daqui segue-se por entre um trilho de montanha até ao Covão do Meio, onde se encontra a barragem, pelas escadas sobe-se a barragem, a partir deste local o caminho é bem definido, largo e em terra, caminha-se sem qualquer dificuldade, ao chegar ao covão do Boeiro, deixa-mos as marcações do percurso, saímos do caminho e viramos à direita em direcção à Lagoa do Covão das Quelhas, até à referida lagoa, o trilho não está definido nem marcado, é seguir as indicações (mariolas) e faz-se maioritariamente por cima das grandes rochas em granito, um trilho engraçado e de rara beleza, ao chegar à lagoa do Covão das Quelhas e onde se encontra também a Lagoa Serrano, viramos à esquerda em direcção à Torre, de um lado a lagoa Serrano do outro lado a lagoa do Covão das Quelhas e é pelo paredão desta última lagoa que seguimos até iniciar a subida final até à Torre desta Serra da Estrela.
Sobre este mítico percurso de 12 km de subida, já tudo foi dito, as imagens, o video e todas as descrições são poucas para descrever a beleza e principalmente o que se sente ao subir ao ponto mais alto de Portugal Continental por esta "Garganta".
Os cuidados a ter e como é lógico, são muitos, desde logo é um percurso que requer alguma condição física, no Verão a exposição solar e a falta de pontos de abastecimentos é o principal, no Inverno, ter atenção ao frio, nevoeiro e muito cuidado com o vento e com as pedras escorregadias.
Foto

Foto

Foto

Foto

Foto

Foto

Foto

Foto

Foto

Foto

Foto

Foto

Foto

Foto

Foto

Foto

Foto

Foto

Foto

Foto

Foto

Foto

Foto

Foto

Foto

Foto

Foto

Foto

Foto

Foto

Foto

Foto

Foto

Foto

Foto

Foto

Foto

Foto

Foto

Foto

Foto

Foto

Foto

Foto

Foto

Foto

Foto

Foto

Foto

Foto

Foto

Foto

Foto

Foto

Foto

Foto

Comentários

    Você pode ou esta trilha