Horas  5 horas 31 minutos

Coordenadas 1157

Uploaded 30 de Março de 2019

Recorded Março 2019

  • Rating

     
  • Information

     
  • Easy to follow

     
  • Scenery

     
-
-
914 m
445 m
0
3,5
7,0
13,95 km

Visualizado 467 vezes, baixado 40 vezes

próximo a Anciães, Porto (Portugal)

FOTOS DESTA E DE OUTRAS TRILHAS EM ”CAMINHANTES"

OS CAMINHANTES NO PR6 - RIO MARÃO

Fomos para os lados do Marão conhecer o PR6-Rio Marão, um trilho que nos surpreendeu pela sua beleza paisagística, excelente sinalização e informação ao longo do percurso. É um trilho muito bonito e bem desenhado, que dá a conhecer uma das vertentes mais arborizadas da serra do Marão.

Sendo um percurso circular permite a sua realização em ambos os sentidos, nós optamos por seguir o sentido contrário aos dos ponteiros do relógio, identificado no painel oficial como "Sentido 1". Atravessamos os lugares de Eido, Peso e Coval, até ao Posto Aquícola do Torno, depois ladeamos a ribeira do Ramalhoso e seguimos por uma típica levada de água, em direção às antigas minas de estanho e volfrâmio - as Minas do Ramalhoso.

Depois das minas, percorremos um caminho florestal panorâmico em curva de nível, próximo da cota dos 900 metros de altitude. Os matos de carqueja e urze em plena floração sobressaem na primavera e é um encanto ver as encostas de cor amarelo, violeta e verde. Aproveitamos a Casa de Guarda Florestal do alto de Espinho para a pausa de almoço. Regista-se o triste estado de abandono da Casa Florestal que poderia ter muita utilidade na preservação da floresta e do turismo da natureza. Já de estômago reconfortado foi hora do regresso ao ponto de partida, de modo descendente, percorremos o caminho antigo ao longo do rio Marão, o qual dá o nome à Pequena Rota, até Ansiães onde no café local confraternizamos com as habituais "minis".

De uma forma geral, o trilho não apresenta grandes dificuldades, está muito bem sinalizado e é ideal para dias mais quentes, pois tem muita sombra.



FICHA TÉCNICA DO DIA
Tipologia do percurso: Circular, Sentido 1 (contrário ao ponteiro dos relógios)
Distancia: 14,0 km
Duração: 5h31min
Tempo em movimento: 3h23min
Tempo parado: 2h08min
Movimento médio: 4,1kms/h
Altitude máxima: 945m
Altitude mínima: 438m
Acumulado positivo: 792m
Acumulado negativo: 805m

DESCRIÇÃO OFICIAL: PR6 AMT - RIO MARÃO (Fonte: folheto do PR6-Rio Marão)
A pequena Rota PR6 - Rio Marão inicia-se no centro do povoado de Ansiães a partir do Largo da Pinha próximo da sede da Junta de Freguesia. Segue por caminho em calçada antiga, de feição ascendente, denominado caminho de "Santo António e atravessa os lugares de Eido, Peso e Coval. Depois de deixar o povoado segue-se em caminho de terra batida até ao Viveiro do Torno. A partir deste lugar aprazível, o itinerário ladeia a ribeira de Ramalhoso e segue por uma típica levada de água, em direcção às antigas minas de estanho e volfrâmio - as Minas de Ramalhoso. O percurso da levada é interrompido pela EN n.º 15 obrigando o caminheiro atravessar esta via com cautela, apesar do tráfego ser muito reduzido. Depois das minas, percorre-se um caminho florestal panorâmico em curva de nível, próximo da cota dos 900 metros de altitude. Os matos de carqueja e urze em plena floração sobressaem na primavera e é um encanto ver as encostas de cor amarelo, violeta e verde. Este caminho, criado após o grande incêndio ocorrido na serra do Marão em 1985, liga à casa de Guarda Florestal do Alto do Espinho e de novo á antiga Estrada Nacional. Trata-se da primeira casa de Guarda Florestal, construída de raiz, pelos Serviços Florestais, em 1919, em Amarante.Um ponto de paragem ideal para fazer uma pausa e refrescar o corpo com água de nascente do rio que dá o nome à peque na rota. Na vizinhança surge um edifício industrial inativo, uma unidade de produção de água de nascente - as "Águas do Marão". Um pouco mais além situa-se a Pousada de São Gonçalo. De modo descendente percorre-se o caminho antigo ao longo do Rio Marão que é atravessado por uma pequena ponte rústica em madeira. O caminho medieval que segue na margem esquerda serviu já no passado os povos da região para transpor a Serra do Marão. Mais abaixo surge uma pequena casa de abrigo já em ruínas. O caminheiro aqui pode observar uma floresta centenária de coníferas com exemplares arbóreos imponentes. Marca presença ainda outra flora e fauna associada aos habitats de montanha, especialmente pela presença de vegetação ribeirinha e frequência de diversas espécies de aves. Mais além surge o Túnel do Marão e os vestígios de um apiário antigo. É possível depois observar, já próximo da aldeia, alguns palheiros, cortes de gado, moinhos e a ponte de "Val de Baralha". Ao longo deste troço do percurso o caminheiro depara-se com a paisagem ruralizada, em vale. Já na aldeia, o olhar peculiar da gente da serra surpreende o caminheiro e quase sempre num rasgo da paisagem surgem as fantásticas encostas maronesas.

FICHA TÉCNICA OFICIAL
Tipologia do percurso: Circular
Âmbito do percurso: Paisagístico, Ecológico e Cultural
Nível de dificuldade: Médio (Difícil com tempo húmido / nevoeiro)
Inicio/fim: Largo da Pinha, Ansiães, Amarante
Coordenadas: 41º14`55.23``N 7º57`14.56``W
Distancia: 14,3 km
Duração: 4h00min
Altitude máxima: 895m
Altitude mínima: 446m
Desnível acumulado: +770m



SOBRE A SERRA DO MARÃO (Fonte: https://pt.wikipedia.org)
A Serra do Marão é uma formação montanhosa de origem xistosa e granítica, de formas abruptas, que atinge no seu ponto mais alto - a Senhora da Serra - os 1 415 metros. Distribuída pelo território dos distritos do Porto e Vila Real, faz a separação entre o Douro Litoral e Trás-os-Montes e constituiu, durante muitos anos, uma barreira difícil de transpor e que muito condicionou a mobilidade dos que moravam "para lá do Marão" (Trás-os-Montes). Hoje, é rasgada de poente para nascente pelo IP4 (Itinerário Principal nr. 4) que a aproxima do litoral português e de Espanha. Integrando a cadeia montanhosa que se prolonga pelo Alvão, a Serra do Marão tem uma área aproximada de 20.000 hectares, 75% dos quais constitui terreno baldio que se espalha pelos concelhos de Amarante, Baião, Vila Real, Mesão Frio, Santa Marta de Penaguião e Régua. "Bem alto é o Marão e não dá palha nem grão", diz o aforismo popular. Não dá, de facto, sobretudo a partir da quota dos 300 metros, mas a serra apresentou já enorme riqueza florestal, em boa parte dizimada por um violento incêndio ocorrido em Setembro de 1985. Ao todo, arderam então 3.000 hectares de floresta e mato (uma área equivalente a 300 campos de futebol!).

SOBRE ANSIÃES (Fonte: https://www.ansiaes.pt/historia/)
Ansiães pertence ao Concelho de Amarante dista 18 quilómetros da sede concelhia, e é uma das freguesias do Marão Ocidental. Confronta a nascente, com a freguesia de Campeã (Vila Real), a sul, com a freguesia de Teixeira (Concelho de Baião), a poente e a norte, com as freguesias de Candemil, Várzea e Aboadela. É a maior freguesia do concelho, com 26,43 quilómetros quadrados, e regista o menor nível de densidade populacional. A sua rede de acessibilidades é constituída por um IP e por uma EN, estando o transporte rodoviário assegurado por uma carreira de transportes públicos que circula diária e regularmente. A sua população está distribuída por núcleos. Um formado pelos lugares de Casal, Muro, Eido, Peso, Coval, Estrada e Soleiro que se situa na parte central da freguesia, em vale profundo atravessando o Rio Marão. O outro, situado junto ao Rio Póvoa a três quilómetros para sul, e é constituído pelos lugares de Fervença e Póvoa. Do povoamento inicial da freguesia, há conhecimento de um acompanhamento Romano, pelo que se encontram vestígios de uma antiga estrada Romana. Ansiães começa a ser citada como paróquia independente no início do século XIV. A antiga freguesia de S. Paio de Ansiães era vigararia anexa à abadia de Bustelo, e da apresentação da mesma abadia, pertenceu ao concelho de Gestaçô até Outubro de 1855, data em que este foi extinto. Assim, passa a Freguesia e a integrar definitivamente no Concelho de Amarante. O seu orago é S. Paio. O baldio de Ansiães, com 2500 hectares, de relevo muito acentuado, eleva-se aos rios Marão, Ramalhoso e Póvoa. Este terreno sofreu ao longo dos tempos várias apropriações. Em fins do século XIX, foi objecto de uma querela entre a freguesia e a câmara de Amarante, a quem pertencia todo o baldio. Por decisão do tribunal, em Dezembro de 1891, foi reconhecido como parte integrante da freguesia de Ansiães. O baldio sempre assumiu um papel determinante na vida dos habitantes da freguesia, porque era local de pasto do gado ovino, caprino e bovino. Os habitantes usufruíam dos recursos naturais, como a água e a madeira, e também praticavam a apicultura de onde obtinham cerca de 500 litros de mel. Este era muito utilizado para fins terapêuticos. A florestação do terreno, determinada pelo Estado Novo, em 1916, restringiu o acesso da população ás pastagens e condicionou o corte de lenha e de mato. Tal factor ajuda a compreender o decréscimo que se verificou em actividades como a agricultura e a pecuária, registado nessa época, assim como o surto de emigração na década de 60. No entanto, a percentagem que a freguesia recebeu, respeitante a venda de madeira do baldio, foi aplicada na reparação, alargamento e calcetamento de caminhos, abertura de ligações entre os diversos lugares de Ansiães, instalação de rede de abastecimento de água, construção do centro social, do jardim de infância, do parque de jogos e de lavadouros públicos, contribuindo assim, para o desenvolvimento da freguesia. Na reflorestação necessária após o grande incêndio que ocorreu em 1985, procurou-se diversificar as espécies plantadas, intercalando pinheiro bravo com espécies de folha caduca, tais como o carvalho e castanheiro. Criou-se ainda pontos de abastecimento de água contra incêndios e abriram-se estradas no interior do baldio.





Se gosta das nossas trilhas adicione a sua avaliação no final da página.
Obrigado pelo seu comentário e avaliação.

Si te gusta nuestras rutas haz tu propia valoración al final de la página.
Gracias por tu comentario y valoración.

If you like our trails, leave your own review at the end of the page.
Thank you for your comment and review.

A equipa Caminhantes

2 comentários

You can or this trail