Horas  5 horas 10 minutos

Coordenadas 1208

Uploaded 4 de Maio de 2019

Recorded Abril 2019

-
-
1.041 m
804 m
0
1,7
3,5
6,98 km

Visualizado 56 vezes, baixado 5 vezes

próximo a Mazes, Viseu (Portugal)

Um curto percurso, mas recheado de encanto.


Clicar na imagem
para obter o desdobrável
da C.M. de Lamego


Estacionamos o carro mesmo à entrada de Mazes e subimos rua acima, direitos à igreja, dedicada ao patrono S. Lourenço. Poucos foram os metros mas várias foram as oportunidades de meter conversa, o que logo nos elucidou da simpatia e hospitalidade daquelas gentes.

Mais acima deixamos este tronco comum do PR4 e viramos à esquerda, para começarmos desde logo a seguir um velho caminho rural pelo meio das pequenas leiras de cultivo dos habitantes, nos tempos em que a aldeia fervilhava de vida.

A água está por todo o lado, é uma encosta cheia de humidade, terra fértil para as culturas que dela necessitam. Quem sabe terá sido uma das fortes razões para aqui se constituir um povoado.

É dia de semana, há gente a trabalhar nas pequenas parcelas ainda cultivadas, há mais conversa claro.

Encantam a paisagem rural e as vistas para Mazes e para o vale onde se aninham Lazarim e Lalim, terras cheias de tradição.

Depois de um curto trecho mais acidentado o velho caminho dos moleiros leva-nos junto dos moínhos que aproveitam a água da declivosa ribeira cujo nome não conheço com certeza, poderá ser Ribeira do Varosa.
Os moínhos estão muito descaracterizados, mas ainda assim é muito interessante o local e perceber como foi feito o aproveitamento da força motriz. Há moínhos de cubo entre eles...

Continua depois a empinada subida que nos conduz até uma levada que foi requalificada de modo a permitir-nos caminhar sobre ela.
Mais adiante voltamos à terra, para subir sempre até atingir um planalto, a zona mais alta do PR, a 980m de altitude. Ao longo da subida, à nossa esquerda, estende-se pela encosta distante a povoação de Várzea da Serra.

As vistas são sempre surpreendentes. Começámos a descer e em nada estamos a entrar em Anta (ou Alcaria) de Mazes.
Ante é uma aldeia fantasma, como as impressionantes Drave ou a Aldeia da Faia.
Talvez mais comovente ainda, um vale abrigado, dezenas de casas mais ou menos intactas, apenas os telhados desapareceram ou foram substituídos. Dos originais, que eram de colmo, uma tradição pragmática nestas aldeias serranas do Montemuro e arredores, só sobram pequenos restos.
Ainda corre o ribeiro pelo meio da Anta. O resto são saudades e lamentos das almas dos seus habitantes, que aqui foram felizes, numa vida simples de ter só o necessário.
Estão em nossa volta ainda. Os cortelhos, as leiras. E muitas pedras que contam estórias. Tantas, todas ao mesmo tempo, é quase ensurdecedor.

Comemos a merenda, fizemos um café e descemos, atravessamos a velha ponte de grandes lajes de pedra e seguimos até Mazes, voltando a atravessar o ribeiro noutra ponte mais adiante. Sucedem-se as belas vistas para os lameiros e para as leiras de cultivo na maior parte abandonadas, enquanto o ribeiro que vem de Anta corre lá em baixo, à nossa esquerda.

Já sobre a aldeia, um velho cruzeiro de granito, com nichos para figuras votivas que desapareceram, surge como testemunha silenciosa de outros tempos que a actual fisionomia do povo, de casas rebocadas e pintadas, parece querer esquecer.

Outros percursos pedestres em Lamego:
PR1 Lamego - Serra das Meadas (13 km)

Comentários

    You can or this trail