-
-
83 m
4 m
0
4,2
8,3
16,7 km

Visualizado 98 vezes, baixado 1 vezes

próximo a Cabanões, Aveiro (Portugal)

vestigios-echoingtrees.tumblr.com

Entre Águeda, Aveiro e Oliveira do Bairro situa-se a maior lagoa natural da Península Ibérica, a Pateira de Fermentelos, alimentada pelo Rio Cértima e com o Rio Águeda como efluente. Faz parte da Rede Natura 2000, e desde 2013 que é considerada uma Zona Húmida de Importância Internacional pelo Comissariado Internacional da Convenção de Ramsar.
As manhãs chegam enevoadas e já se sente a brisa fria do Outono. Os dias são mais curtos e as temperaturas menos elevadas. O fim do Verão chegou e para a sua despedida seguimos caminho até à Pateira. Optámos por realizar o trilho PR1– Da Pateira ao Águeda, um trilho circular com cerca de 10km por percursos rurais e florestais, quase todo em estrada de terra batida e com desníveis pouco acentuados.
O espaço era-nos desconhecido e saídos da estação dirigimo-nos à aldeia de Óis da Ribeira, onde iniciamos o trilho junto à Igreja Matriz da freguesia. O trilho começa por nos direccionar a uma zona florestal onde o eucalipto marca a sua presença juntamente com pinheiros e castanheiros por entre os quais vão surgindo terrenos agrícolas habitados por quem recolhe legumes pela manhã, limpa as hortas ou recomeça a lavrar as terras.
O caminho segue e vai desvendando ao longe, por entre as árvores, a água azul da lagoa. Chegámos ao Parque de Espinhel, um espaço equipado com mesas, casas de banho, torneiras, estacionamento e baloiços fazendo as delícias de quem por lá aproveita para fazer um piquenique à sombra e merendar. Aqui o percurso sugere-nos uns valiosos 1300 metros adicionais que nos fazem chegar ao Rio Cértima. Aqui o silêncio é mais forte, os barcos flutuam na margem ao sabor da água, os gafanhotos saltam à nossa passagem e há um corvo que grita ao longe…
Avistamos um manto de jacintos em flor, a sua quantidade é impressionante… estamos finalmente na margem da Lagoa. Aqui existem dois observatórios de Aves que nos fazem entrar nas águas e saborear a paisagem que nos rodeia, vários galeirões passeiam à superfícies, uma galinha de água passa fugidia e esconde-se nos caniços e uma garça-real mantém-se serena junto à margem.
A pateira é um lugar de refúgio e alimentação para muitas espécies, com destaque para a avifauna onde dependendo da altura do ano poderão ser encontrados exemplares de garça-vermelha (Ardea purpurea), garçote (Ixobrychus minutus), águia-sapeira (Circus aeruginosus), guarda-rios (Alcedo atthis), pato-real (Anas platyrhynchos) ou milhafre-preto (Milvus migrans), por exemplo.
Continuamos até ao Parque de Óis, onde uma esplanada junto à água dá abrigo a muitos pescadores e se torna uma paragem estratégica para abastecer cantis e forças. Passamos pelo Clube de Remo e dirigimo-nos à Várzea do Águeda repleta por milharais prontos a colher, a estrada encaminha-nos para oeste e começamos a fechar o círculo. Surge novamente uma extensão opcional do percurso que ao longo de quatro quilómetros nos leva até à Ponte de Requeixo.
Está na hora de voltar a Óis, os corvos sobrevoam os campos cultivados e o percurso segue junto ao Rio Águeda. O largo do barqueiro permite uma última paragem para sentar, parar, ver e ouvir o lugar.
O percurso é rico e vale a visita, a sinalização nem sempre é eficaz, fazendo surgir algumas dúvidas pelo caminho, pelo que aconselhamos a utilização de gps ou atenção redobrada.

Comentários

    You can or this trail