Tempo em movimento  2 horas 57 minutos

Horas  3 horas 30 minutos

Coordenadas 1675

Uploaded 25 de Junho de 2018

Recorded Junho 2018

-
-
496 m
215 m
0
3,0
6,0
12,08 km

Visualizado 148 vezes, baixado 1 vezes

próximo a Moita do Poço, Leiria (Portugal)

Uma tarde fresca. Para aliviar o stress da espera do jogo de Portugal desafiamos um velho companheiro de trilhos e lá vamos. O Início estava definido: a Moita do Poço. Deixámos o carro junto a um pequeno parque de merendas e lá fomos para leste com esperança de encontrar qualquer trilho (que não estradão os caminho) que nos levasse serra acima. Surgiu a ideia da Gruta das Alcobertas e, sabendo mais ou menos onde se situava, começámos a subir nessa direção mas os trilhos por que fomos optando levaram-nos mais para sul. Valendo-nos do Earth e da ótima resolução que apresenta, procurámos carreiros. Só não estávamos a contar ter que seguir pelos das cabras. Bodes Velhos (salvo seja) que já somos não devíamos meter-nos em "cabredos" mas que se há-de fazer?... à gente que não ganha emenda.
Amigos, este caminho não é fácil. Todo o trilho existe. Às vezes cruza-se com um PR existente. Mas só isso. Tende pois cuidado, o trilho não é fácil mas as paisagens são maravilhosas. Primeiro o extenso plano até ao mar do lado oeste da serra. A Benedita em baixo, as aldeias até Turquel, até Alcobaça, até S. Martinho do Porto, até às Caldas... até à costa, tudo se vê cá de cima. Depois as paisagens do alto e, olhando já para leste e sudeste, é Alcanede, Alcanena, Torres Novas e a vastidão até Santarém. Quando, virados para norte são as paisagens serranas da Serra de Santo António e da Serra D'Aire.
Tudo isto víamos quando parávamos porque a maior parte do tempo fomos a olhar para onde púnhamos os pés. Quem conhece esta serra sabe do que falo. Quem não conhece... não sabe o que perde.
Bem, fomos à gruta mas de há tanto tempo não ardarmos por estes lados não sabíamos o estado de deterioração a que tinham chegado as instalações. Também desconhecíamos que a entrada principal estava fechada. Entrei pelo túnel traseiro mas a quantidade de mosquitos era tal que tive que me vir embora rapidamente para que ficasse algum bocadinho da pele dos braços e cara sem ser picada.
Voltámos ao cimo, onde as gigantes eólicas rodavam no máximo de velocidade. Ainda que o ruído seja incomodativo não me incomoda tanto assim por saber que não liberta fumos esta produção elétrica. Sempre fomos uma terra de moínhos. Dantes eram baixos e rechonchudos; agora são grandes e elegantes. São muitos?... pois são, mas mesmo assim ainda temos que ter centrais a carvão.
O caminho de descida foi mesmo a descer e a apertar as unhas dos dedos dos pés mas voltámos a olhar na direção do mar e o carreteiro era mais largo que os carreirinhos de cabras.

Comentários

    You can or this trail