Horas  8 horas 20 minutos

Coordenadas 2549

Uploaded 15 de Dezembro de 2018

Recorded Dezembro 2018

-
-
503 m
48 m
0
5,8
12
23,14 km

Visualizado 376 vezes, baixado 21 vezes

próximo a Figueira de Lorvão, Coimbra (Portugal)

- Trilho circular, maioritariamente sem marcações, com início e fim na povoação de Gavinhos;
- este percurso passa pelo lugar de Paradela de Lorvão, depois cruza-se com o PR4 Ribeira de Arcos (Penacova), ao longo do Vale da Ribeira de Arcos, até à povoação de Foz de Caneiro. Posteriormente segue para as povoações de S. Mamede, Lorvão (com visita ao Mosteiro de Santa Maria de Lorvão) e Sernelha. Já na reta final, passagem obrigatória pelo conjunto de 14 Moinhos de Gavinhas;
- Trilho duro, com subidas íngremes e longas, descidas técnicas e acentuadas, que em períodos de chuva se tornam perigosas e muito escorregadias.

- PR4 – Ribeira de Arcos
Caraterísticas: Percurso que se desenvolve essencialmente ao longo do vale da Ribeira de Arcos por caminhos de terra batida e onde o som da água é uma constante. De destacar os moinhos de vento, as azenhas e as várias quedas de água dispersas na vegetação.
Localização: Freguesia de Lorvão
Partida e chegada: Aveleira – Caneiro
Tipo de percurso: Pequena rota, circular e linear
Distância: 12,52 km
Duração: 4h12m
Nível de dificuldade: Difícil
Época aconselhada: todo o ano o itinerário circular; primavera e verão o ramal do vale da Ribeira de Arcos.

- Moinhos e Azenhas
A localização geográfica, a altitude e a existência de zonas ventosas propiciaram que os habitantes do concelho de Penacova, com uma economia essencialmente agrícola, que privilegiava o cultivo da vinha, da oliveira e de cereais, aproveitassem a força da natureza, construindo engenhos - os Moinhos que, movidos pelo vento (Moinhos de Vento) ou pela força da água (Azenhas) transformavam os cereais em farinha.
O Concelho de Penacova possui actualmente um dos maiores núcleos molinológicos do país, encontrando-se espalhados pelos Lugares da Atalhada, Aveleira e Roxo, Gavinhos, Paradela de Lorvão e Portela da Oliveira, 19 moinhos de vento em atividade ou em condições de funcionar, bem como 18 azenhas instaladas nos cursos do Mondego e do Alva e nas muitas ribeiras que correm no concelho.
Se, no passado, estes engenhos constituíram uma fonte de rendimentos e uma forma de subsistência, hoje são uma mais-valia patrimonial que surpreende quem nos visita.
Entre maio e outubro, é ainda possível observar, em Penacova, o trabalho do moleiro, nomeadamente nos Núcleos Molinológicos de Gavinhos (Figueira de Lorvão) e da Portela de Oliveira (Sazes do Lorvão). Nos restantes meses do ano, os visitantes podem observar a ancestral arte de moer farinha nas azenhas da Ribeira de Lorvão.
- Mosteiro de Santa Maria de Lorvão O Mosteiro de Santa Maria de Lorvão ou simplesmente Mosteiro do Lorvão localiza-se na freguesia de Lorvão, concelho de Penacova, distrito de Coimbra, em Portugal. Foi um importante mosteiro e centro de produção de manuscritos iluminados no século XII, servindo depois como mosteiro feminino. Depois da extinção das Ordens Religiosas em Portugal no século XIX, viu novo uso já no século XX como hospital psiquiátrico, o Hospital Psiquiátrico do Lorvão, encerrado em 2012. Embora a época da fundação do mosteiro tenha sido aventada ao século VI, a data mais provável dessa fundação será na sequência da primeira reconquista cristã de Coimbra, em 878. O Mosteiro do Lorvão integrou a lista original dos primeiros edifícios classificados como Monumento Nacional em Portugal, pelo Decreto de 16-06-1910, DG n.º 136, de 23-06-1910. Mantém o espaço da Igreja, Cadeiral, Claustro do Silêncio e Zimbório(cúpula do monumento), que convidam a uma visita enriquecedora e memorável. A 3 de maio de 2014, será a Inauguração dum exemplar único de um órgão Ibérico de Dupla face (após cerca de 25 anos do inicio da reparação), de dimensões e sonoridade fora do comum, quer pelas suas dimensões, quer pelas suas características enquanto instrumento musical. Durante o Estado Novo, o edificio do convento, e toda a zona envolvente, já em adiantado estado de degradação, foi requalificado como hospital psiquiátrico por iniciativa do professor Fernando Baeta Bissaya Barreto Rosa. Esta adaptação pode ser estudada através de fontes documentais, bibliográficas e fotográficas existentes no Centro de Documentação Bissaya Barreto em Coimbra, onde existe também um livro de notas do século XVIII. A criação do Centro Hospitalar Psiquiátrico de Coimbra, em 2007, decidiu também o encerramento do Hospital Psiquiátrico do Lorvão a médio prazo. Em 2011 tinha ainda 92 utentes: 30 internamentos residentes femininos e 62 masculinos. Os últimos utentes foram transferidos em 2012 para outras unidades, principalmente em Miranda do Corvo e Condeixa-a-Nova.

Comentários

    You can or this trail