Baixar

Distância

14 km

Desnível positivo

822 m

Dificuldade técnica

Moderada

Desnível negativo

822 m

Elevação máx

1.497 m

Trailrank

61

Elevação min

813 m

Tipo de trilha

Circular

Hora

7 horas 3 minutos

Coordenadas

2760

Enviada em

20 de agosto de 2021

Registrada em

agosto 2021
Compartilhar
-
-
1.497 m
813 m
14,0 km

Visualizado 72 vezes, baixado 3 vezes

perto de Campestrinho, Minas Gerais (Brazil)

A Pedra do Elefante com altitude de 1470 m está localizada na Serra do Pau D'Alho, essa formação rochosa se assemelha a um elefante.
O início da trilha está a 11 km do centro de Andradas MG.

Iniciamos a trilha na fazenda que dá acesso à Pedra do Elefante (solicitamos autorização para entrar na fazenda e para estacionar o carro, não entre sem autorização).
Tomamos a estrada rumo à entrada da trilha da Pedra do Boi e caminhamos 2,3 km para chegar à porteira que dá início à trilha. No trecho inicial a trilha é bem demarcada é quase uma estradinha de fazenda, após a bifurcação da Pedra do Lobo a trilha se estreita e surgem várias bifurcações, sendo a maioria trilhas de gado. Logo a trilha entra numa matinha e vai assim até alcançar o cafezal já no alto do morro. No interior da matinha também tem várias bifurcações.
No alto do morro as ruas do cafezal servem de trilha para o acesso à Pedra do Boi.
O visual da Pedra do Boi é muito bonito, de lá avistamos a Pedra do Lobo que fica muito abaixo e parecendo pequena.
Seguimos então em direção à Pedra do Elefante, neste trecho a trilha é toda rural, passando por campos de pastagem com lindos cavalos e gado, nesse campo de altitude parece que não estamos mais numa trilha de montanha.
Continuamos seguindo num sobe e desce de morros, com diversas cercas de arame pelo caminho, a maioria com colchetes ou porteiras, até que chegamos à base da Pedra do Elefante e à última subida da trilha. Esta última subida é íngreme e tem alguns trechos erodidos, com pedras soltas. Nesse momento o sol já estava a pino e castigando nossas cabeças. São só 150 metros de desnível, mas com o sol forte o esforço aumenta.
Depois de curtir o visual, tirar dezenas de fotos e descansar um pouco iniciamos nossa descida pela trilha da Pedra do Elefante para chegar à propriedade rural onde deixamos o carro.
A parte inicial desce pela trilha de subida até chegar ao brejinho, ali tomamos a trilha que segue para a esquerda e logo entramos numa matinha, passando ao lado de uma das paredes da Pedra do Elefante. A trilha vai ficando mais íngreme e bem erodida pelas águas de chuvas, muita pedra solta e degraus merecem atenção, é o trecho com maior risco de contusão, e segue assim até terminar a mata e entrar num trecho de pastagens que não tem trilha definida. É só ir descendo até encontrar a estradinha, passar a cerca e seguir descendo pela estradinha, abrindo e fechando inúmeras porteiras e colchetes até chegar às residências da fazenda e por fim na estrada. Nosso carro ficou estacionado próximo à uma porteira, num local onde não atrapalhava o fluxo de carros da fazenda.
Logo no inicio da caminhada um cachorro muito companheiro virou nosso guia. Ele já tinha nos acompanhado em outra visita à Pedra do Elefante. Esse cachorro pertence a um casal de idosos que mora em frente à capelinha, marquei esse ponto no percurso. No final ele tenta seguir o carro, mas não há motivo para preocupação, ele sabe o caminho de volta para casa.

A trilha é quase toda dentro de propriedades rurais, são tantas cercas para passar que não sei dizer por quantas propriedades rurais nós passamos, mas não tivemos problemas por cruzar essas propriedades. São inúmeras porteiras e colchetes, ao passar é importante deixar como estavam, se estava aberto deixe aberto e se estava fechado deixe fechado.

A trilha é muito diversificada, passamos por matas, pastos e pedras, sempre mudando o visual, o que é muito interessante. A principal atividade agropecuária que vimos foi criação de gado e uma pequena área com café. Apesar de termos cruzado várias áreas de pastagem com gado e estarmos na época da seca nós não pegamos carrapatos.

Dicas:
- Uma opção de hospedagem é o Hostel Bramido do Elefante, estrategicamente situado.
- Levamos 2 litros de água por pessoa. Não sei se as fontes de água que marquei no percurso são de água potável.
- Protetor solar é fundamental, você vai caminhar várias horas em trechos sem sombra. A maior parte da trilha é exposta ao sol.
- No mais as dicas de sempre, lanchinho para o dia, boné, bota ou tênis de trilha, etc.

Trilha classificada como moderada para pessoas acostumadas a fazer trilhas e que estejam com bom preparo físico. Não recomendo para iniciantes e pessoas sem preparo físico. A chance de errar o caminho e ter que caminhar um pouco a mais é grande, mas não tem como se perder nesta trilha.

Gravado com Etrex 32x.
Foto

Início da trilha

Foto

Pedra do Elefante por outro ângulo

Foto

Ipês amarelos na estrada

Foto

ponte sobre riacho

Interseção

Seguir à direita

Foto

Outro ângulo do Elefante

Foto

Casa do cachorro nosso Guia

Interseção

Seguir à direita

Foto

colchete

Foto

Pedra do Lobo

Interseção

Seguir placa Pedra do Boi

Waypoint

Início trilha na Mata

Fonte

Água

Não sei se a água é potável
Foto

Mirante

Foto

colchete

Passar pela cerca e entrar no cafezal
Foto

Pedra do Boi

Foto

Pedra do Boi

Foto

Colchete

Foto

Panorama

Foto

Curral

Árvore

Jaboticabeiras

Árvore

Araucárias

Foto

Porteira

Árvore

Ipês amarelos

Foto

Porteira

Foto

Cavalos

Foto

Brejo ao lado da estrada

Foto

Foto

Foto

Passar pela cerca

Foto

Colchete

Foto

Brejo

Foto

Ataque da Pedra do Elefante

Pico

Topo da Pedra do Elefante

Pico

Topo da Pedra do Elefante

Foto

Foto

Interseção

Seguir à esquerda

Foto

Trilha entra na mata

Foto

trilha

Foto

Parede da Pedra do Elefante

Foto

Foto

Foto

Passar a cerca e seguir pela estradinha

Foto

Coró-Coró (Mesembrinibis cayennensis)

Foto

Passar por dois colchetes no cotovelo da estrada

Fonte

Água

Não sei se é potável
Foto

Porteira

Árvore

Foto

Interseção

Seguir à esquerda

Foto

Porteira

Foto

Porteira

Foto

Colchete

Comentários

    Você pode ou esta trilha