• Foto de Pai Inácio + Capão + Vale do Pati ( 5 dias solo )
  • Foto de Pai Inácio + Capão + Vale do Pati ( 5 dias solo )
  • Foto de Pai Inácio + Capão + Vale do Pati ( 5 dias solo )
  • Foto de Pai Inácio + Capão + Vale do Pati ( 5 dias solo )
  • Foto de Pai Inácio + Capão + Vale do Pati ( 5 dias solo )
  • Foto de Pai Inácio + Capão + Vale do Pati ( 5 dias solo )

Horas  4 dias 5 horas 51 minutos

Coordenadas 20404

Uploaded 13 de Setembro de 2018

Recorded Agosto 2018

  • Rating

     
  • Information

     
  • Easy to follow

     
  • Scenery

     
-
-
1.423 m
822 m
0
22
44
88,17 km

Visualizado 699 vezes, baixado 52 vezes

próximo a Bom Jardim, Bahia (Brazil)

5 dias de trekking saindo do Pai Inácio, passando por Àguas Claras, Morrão por baixo, Vale do Capão e Vale do Pati, fiz sozinho e fui bem equipado. Mochila com 11kg +ou-, tentei levar só o necessário, fui bem econômico. ( essa foi minha segunda vez na Chapada, por isso decidi ir sozinho pq eu já conhecia todas as trilhas e resolvi gravar aqui no Wikiloc pra ajudar quem tiver na mesma vibe de fazer sozinho ou em grupo )

Período: de 03/08/18 à 08/08/18 ( agosto para mim é o melhor mês para conhecer a chapada, quase não chove, temperatura boa, friozinho a noite )

Leve dinheiro sacado, pois não existe banco na vila do Capão e muito menos no Vale do Pati ( o mercadinho e alguns restaurantes aceitam débito e crédito no Capão, já no Vale do Pati é tudo no dinheiro )

Aéreo: 480,00 São Paulo x Salvador ( ida e volta )
Gasto: 1.000,00 já contando passagens de ônibus Salvador x Lençóis ( ida e volta ), hospedagem em Lençóis + mercado, transporte de Lençóis ao inicio da trilha, hospedagem e mercado na Vila do Capão, mototaxi ida e volta no Capão, Hospedagem + alimentação na Igrejinha no Vale do Pati. ( tentei ser o mais econômico possível )

Roteiro:

Dia 1:
Saí de Lençóis numa van "condução local" ( 15,00 ) as 7h da manhã e desci no "poném" nesse ponto inicial da trilha exatamente na BR 242 há +ou- 2km do Pai Inácio. Iniciei a trilha as 8h em ponto. Esse primeiro dia foi bem tranquilo, todo o trajeto na maioria do tempo foi plano. As 10h cheguei em Águas Claras, poços de água "gelaaada" e dá pra nadar, se banhar, sempre tem gente por lá. Segui a trilha e passei pela base do Morrão era umas 11h30, depois de passar o Morrão só encontrei mais 2 pontos de água na trilha. O ultimo trecho, 1h30 antes de chegar na Vila do Capão foi tenso. O sol estava escaldante e esse ultimo trecho é de estrada de terra e cada carro que passava era uma nuvem de poeira, não dei sorte na carona, continuei a pé firme e forte. Cheguei na Vila do Capão as 15h e procurei hospedagem ( casa da Dona Neusa 50,00 a pernoite quarto com mini cozinha e banheiro... lá no Capão tem hospedagem para todos os gostos e bolsos e sempre há vagas "em agosto" ) ... nesse primeiro dia foram 7hs de trilha num ritmo bem tranquilo, trilha plana muito fácil, 90% dela sem sombra então faça bem cedo e com um chapéu de palha pra se proteger do sol ( chapéu, boné, gorro, qlq coisa q proteja do sol, além de bastante protetor solar "fica a dica" ). Tem um mercadinho na vila, onde fiz uma comprinha de comida básica, optei por cozinhar, ficou mais econômico. A noite fez um friozinho bom no Capão e teve forró no coreto, muitos turistas "gringos" e uma galera alternativa roots, muita positividade e alegria. fui dormir cedo pois iria acordar cedo para seguir rumo ao Vale do Pati.

Dia 2:
Acordei as 7h, arrumei a mochila, fiz meu café da manhã reforçado e peguei um mototaxi ( 20,00 ) pra me deixar no "Bomba" q é o inicio da trilha para o Pati. ( são 8km de estrada de terra da Vila do Capão ao Bomba, e optei pegar um mototaxi, tbm marquei dele ir me buscar no ultimo dia da volta ). Continuando... cheguei no Bomba as 8h da manhã, a subida do Bomba até os Gerais do Vieira é bem puxado, fui devagar pois o fôlego as vezes falhava rsrsrs... cheguei nos "Gerais do Vieira" era 10h30, a vista mais linda desse trecho, parei pra tirar umas fotos, me hidratar e comer algo, e contemplar aquela beleza de vista. Esse trecho dos gerais do vieira até o mirante do Vale do Pati é sem sombra, ou seja, dale chapéu de palha e muito protetor solar. Após 1 hora cheguei num ponto dágua, e dali segui para a subida do famoso "quebra bunda", êta subidinha q cansa viu kkk, finalizando a subida era +ou- meio-dia e segui beirando o platô do rio preto por mais 1h e finalmente cheguei no mirante do Vale do Pati as 13h. Parei pra descançar e tentar fazer umas fotos, havia muitos turistas lá, conseguir tirar uma foto estava dificil, então resolvi descansar, comer algo, me hidratar e somente as 14h ficou vazio lá e enfim consegui tirar minha foto kkkk "resiliência" kkk. Após fazer as fotos, peguei o rumo pra descer a rampa sentido a Igrejinha. ( essa rampa é sinistra e precisa ter muita calma, pois há trechos que precisam de atenção ). Cheguei na Igrejinha as 15h e decidi fechar as 3 pernoites lá. Fechei 3 diárias completas, sendo: 40,00 diária da hospedagem + 40,00 janta farta + 40,00 café da manhã farto "não tive do q reclamar" foi a melhor opção. Os quartos da Igrejinha são coletivos com varias beliches, tudo muito simples, banheiro do lado de fora coletivo tbm. Friozão de 11º a noite, a temperatura despencou "amo o frio". Nessa noite o céu estava limpo e dava pra ver nitidamente o rastro da via-láctea, uma obra prima cósmica. Após a janta q é as 19h em ponto, decidi subir a rampa e fazer umas fotos noturnas lá do alto do mirante, tentei convencer algum turista a subir comigo, mas ninguém se animou, fui sozinho "já estou acostumado". Valeu muito a pena, consegui fazer fotos lindas do céu estrelado, eu estava tão feliz q não me dei conta da hora, já eram 22h e decidi descer, cheguei na Igrejinha as 23h e fui dormir ou pelo menos tentar, pq a emoção era tanta q eu só conseguia ficar olhando as fotos do céu estrelado na câmera.

Dia 3:
Acordei as 6h30, pois o café da manhã é as 7h em ponto. De manhã me dei conta que haviam muitos turistas, 40 pessoas +ou- divididos em grupos de gringos com seus guias locais. Após o café da manhã todos seguiram suas trilhas e eu tbm. Optei em fazer sozinho a trilha do Cachoeirão por cima, claro q ia encontrando grupos pelo caminho. Nessa ápoca do ano "Agosto" o cachoeirão não tem água, pq não chove, então dá pra ficar bem na base da queda dágua há 230 metros de altura e ficar olhando lá do alto a imensidão daquele canyon. Haviam muitos grupos lá, fiz amizade com um casal e seu guia Max "o guia da Ivete Sangalo" kkkk, tive q citar isso, pq não se falava em outra coisa lá. Eles iam fazer o mesmo trajeto que eu, então decidi ir junto, descemos a famosa "fenda" q nessa época do ano é ideal para descer pois não tem água e é menos arriscado, esse trajeto é bem puxado e tem q ter força nas pernas e nos joelhos pq haja descida heim... após a longa descida da fenda, pegamos a trilha sentido a Dona Raquel, passamos tbm pelo Seu Wilson onde eles ficaram e eu continuei sozinho até a Igrejinha. Cheguei era +ou- 17h, tomei aquele banho gelado ( não existe opção de banho quente kkk ) e aproveitei pra lavar a roupa do dia... ( aliás não comentei, mas levei apenas 2 trocas de roupa; uma para trilha e outra para dormir, todos os dias ao voltar da trilha eu lavava a roupa e deixava no varal a noite toda, secava tranquilamente, material dry-fit seca rápido )

Dia 4:
Acordei as 6h30, café as 7h em ponto. Peguei a trilha das cachoeiras sentido a cachoeira do Funil, vale muito a pena é muita água, uma queda mais linda q a outra, depois segui pela trilha para o Morro do Castelo. Subida + subida até chegar na entrada da caverna do castelo, parei pra descansar, me hidratar, comer algo e tirar umas fotos. Encontrei vários grupos voltando da caverna, continuei e atravessei para o outro lado da Morro do Castelo, onde se tem uma vista linda de um vale que parece ser do filme "Jurassic Park" só faltou os dinossauros kkk, encontrei o mesmo casal do dia anterior por lá e fiz amizade com um outro grupo animado, paramos todos para descansar e comer algo. Voltamos pela mesma trilha q viemos e eu segui sozinho "novamente" para a Igrejinha kkk ( amo fazer trilha sozinho, estar consigo mesmo no meio da natureza traz uma paz interior, muitos momentos de reflexões é muito bom ). Cheguei na Igrejinha as 16h e dale banho gelado e lavar a roupa.

Dia 5:
Acordei as 6h30, café as 7h em ponto. Não me apressei, pois era o ultimo dia e eu iria pegar o caminho de volta para o Vale do Capão. Sai as 8h e optei em fazer o caminho por baixo ( trilha das mulas ), suponto q por ser um período seco não teria lama, me enganei, tinha muuuuuiiiiita lama, o sereno da noite nas folhas das arvores faz cair gotas e parece q choveu, ou seja, o caminho todo na lama. Sugiro que façam o caminho de volta por cima pelo mirante e descer pelo quebra-bunda, pq esse trecho de lama foi bem chatinho e tive q colocar a capa de chuva pq as arvores estavam gotejando muito. As 11h cheguei na bifurcação do quebra-bunda na parte de baixo, onde tem o ponto de água, parei pra me hidratar, comer algo, reforçar o protetor solar pq dali em diante não teria sombra ( é o trecho dos gerais do vieira sol + sol + sol = sol kkkk ). Cheguei no Bomba era 13h, eu havia marcado com o mototaxi as 14h, então parei lá numa lanchonete ( a unica alí ) comi um pastel de jaca delicioso e fiquei batendo papo com os locais até o mototaxi chegar. Como combinado ele veio, cheguei na Vila do Capão era 14h45. Fiquei na Dona Neusa novamente ( 50,00 a pernoite ), tomei um banho, lavei a roupa e fui no mercadinho comprar comida pra cozinhar, nessa noite eu capotei de sono eu estava muito cansado, mas satisfeito com esses 5 dias de trekking solo.

Espero ter ajudado com o roteiro ( desculpe se tiver algum erro de digitação, irei corrigindo com o tempo )

Lista do q levei na mochila:

Mochila 50 litros da Quechua
Mochila de hidratação 2 litros da Quechua
1 mochila de ataque de 15 litros da Quechua
1 roupa para trilha: camiseta segunda pele dry-fit manga longa com proteção solar + calça leg segunda pele dry-fit Nike + short adidas dry-fit + meião compressor dry-fit + cueca dry-fit
1 roupa para dormir: camiseta segunda pele dry-fit manga longa para frio + calça leg segunda pele dry-fit Adidas para frio + short adidas dry-fit + meião dry-fit para frio + cueca dry-fit
1 blusa corta vento adidas
1 luva de trilha
1 chapéu de palha
1 camiseta dry-fit extra
2 cuecas extras
1 meião dry-fit extra
1 calça trilha de zipper vira short ( extra ) nem usei
1 bolsinha necessaire com itens de higiene pessoal, protetor solar, repelente e etc
1 toalha de banho de microfibra ( seca rápido ) e super compacta e leve
1 câmera fotográfica
1 tripé para câmera
1 livro pequeno ( minha companhia nas horas de solidão "voluntária" )
2 garrafinhas de água de 500ml
Castanhas, banana desidratada, amendoins, barras de cereal, barras de whey protein
1 pazinha pequena de jardinagem ( para enterrar as fezes junto com o papel higiênico ) não me adaptei ao Shit-Tube
1 par de chinelos havaianas

1 bota salamon
2 bastões de trilha
1 óculos de sol

Meu Instagram @oviajante369


*Nunca deixe lixo nas trilhas e nem nos rios ( leve seu lixo com vc )
*Enterre suas fezes junto com o papel higiênico usado ou carregue seu Shit-Tube
*Não alimente os animais silvestres
*Não jogue bitucas de cigarro nas trilhas, pode causar incêndio
*Não faça fogueiras, pode causar incêndio
*Use roupas adequadas para trekking
*Se hidrate bem, se proteja do sol, use muito repelente
*Se você não conhece as trilhas não vá sozinho
*Se informe sobre as trilhas e trajetos
*Esteja com um bom preparo físico e psicológico

1 comment

  • Foto de Danilo Fronchetti

    Danilo Fronchetti 24/ago/2019

    Parabéns amigo, vc é determinado. Em Dezembro ano passado entramos pela Guiné, subimos beco e fomos até a rampa com vista maravilhosa do pati e enxerga igrejinha, retornamos p Guiné total 12 kms , serviu o degustar rsrs.. este ano em dezembro iremos entrar pela Guiné e sair no Capão . Valeu as dicas !

You can or this trail