Horas  2 horas 32 minutos

Coordenadas 560

Uploaded 27 de Novembro de 2016

Recorded Novembro 2016

  • Rating

     
  • Information

     
  • Easy to follow

     
  • Scenery

     
-
-
167 m
0 m
0
1,5
3,0
6,06 km

Visualizado 1462 vezes, baixado 23 vezes

próximo a Ponta das Canas, Santa Catarina (Brazil)

Morro Ponta das Canas - Lagoinha. Estas trilhas foram feitas no mesmo dia. Saímos de Ponta das canas, ao lado da Igreja, e fomos em direção ao costão da praia. Após uns 200 metros, entra-se em pequena trilha a direita e segue-se até uma Prainha. Adiante, a direita trilha inicial para o morro de Ponta das canas. Tem-se uma pequena e íngreme subida em linha reta (início da subida existe trilha à esquerda para costão), no final da subida, existe cerca de arames e você deve seguir a esquerda. Este início da trilha é feito sob as árvores, ao som do mar nos rochedos e ao canto dos pássaros e cigarras. No percurso existe um pequeno atoleiro, derivado da água que desce do morro, deve-se passar bem rente a vegetação para cruzá-lo. Mais a frente perto da ponta da Laje, existe uma grande sombra para descanso, sob um pé de jamelão. Seguimos em frente, mas você pode descer a esquerda até o costão e deitar-se nas piscinas naturais formadas nas rochas com a água do mar, e um pouco mais a frente, na sua direita, subir até perto de 70 metros por trilha bem fechada (bom para fotos) e retornar ao ponto inicial, para seguir em direção à Lagoinha. Alguns metros a frente você chegará em um rochedo plano e terá um lindo visual da praia da Lagoinha, é só descer e chegará ao final desta primeira trilha. Este percurso continuará atravessando os quase 900 metros de extensão da praia. Ao final, próximo ao Rio, você deverá seguir à direita, até a rua geral, atravessar a ponte, e subir uma pequena escadaria à esquerda, até a Servidão Cônego Valmor Castro. Seguir a Servidão até o final, passar ao lado da última casa, e seguir até a entrada para a trilha da Ponta do Rapa. Você seguirá esta trilha, próxima ao costão e chegará em um ponto de intersecção, a sua esquerda você segue para o costão (laje branca) e a sua direita é o seu caminho correto (em direção à Ponta do Rapa), onde tem-se o pior ponto do trajeto, subida íngreme até quase o topo do morro. A chegada ao final da subida, é um prêmio, tem-se um refúgio maravilhoso sob as rochas (uma caverna com uma grande janela), vista exclusiva para o mar, com Ilha do Arvoredo ao fundo. Após um descanso, e uma água, continua-se subindo até o Morro do Urubu (perto de 170 metros), com um visual magnífico das praias da Lagoinha, Ponta das canas, Cachoeira, Canasvieiras e outras, parada para fotos. Segue-se agora sem subidas e já próximo a rampa de parapente, pela trilha do Churão. Este percurso tem-se trilha em descidas, com pontos escorregadios. Chega-se em ponto de intersecção, e segue-se à direita, entrada desta trilha com ponto de água, sob uma imensa árvore, é este ponto que chamam de Churão (Chorão - parece que a árvore está chorando). Após este ponto é só descer, e se chegará no fundo de algumas casas no alto do Morro, é só seguir a direita a você sairá na rua geral da Lagoinha (Jornalista Jaime de Arruda Ramos, ao lado da casa n° 728). Você chegou ao final da trilha, ao seu lado direito existe uma parada de ônibus, caso você queira ir para outra parte da Ilha.
Início próximo a Igreja de Ponta das canas, pela praia até o costão. No extremo norte da ilha, entre as praias da Lagoinha e da Cachoeira de Bom Jesus, fica localizada a Praia de Ponta das Canas, um local de veraneio para muitos florianopolitanos e turistas. Ao mesmo tempo em que possui uma boa infraestrutura de serviços, hotéis e prédios modernos, a praia ainda guarda uma tradicional colônia de pescadores. As águas calmas da praia são um atrativo para famílias com crianças e para quem gosta de se banhar com tranquilidade. A faixa de areia é extensa, permitindo que muitas pessoas encontrem um bom lugar para abrir o guarda-sol e relaxar curtindo o ambiente.
Entrada a direita por pequena trilha até Prainha, perto da Pedra Caiada.
Prainha para banho, com entrada e direita na trilha principal.
Subida para trilha, a esquerda você irá para costão.
Atoleiro causado por água que vem do Morro. Também É um ponto de água em emergências
Um grande pé de jamelão, com uma gostosa sombra para descansar. São árvores que podem chegar até dez metros de altura. Possuem frutos pequenos e arroxeados quando maduros. A coloração dos frutos provoca manchas nas mãos, tecidos, calçados e pinturas de veículos, tornando a planta pouco indicada para o preenchimento de espaços públicos. O fruto possui uma semente única e grande, quando comparada com o tamanho do fruto, envolta por uma polpa carnosa. Apesar de sabor um pouco adstringente, é agradável ao paladar. Na Índia, além de ser consumido in natura, é usado na confecção de doces e tortas. Na Região Nordeste do Brasil, é conhecida como "azeitona-preta", oliveira, e jamelão dependendo do estado. Nessa região, a planta adaptou-se tão bem que se tornou espécie subespontânea, sendo chamada de "brinco-de-viúva". Também é comum no litoral paranaense, onde recebe o nome de "guapê". Apesar de as árvores desta espécie serem abundantemente usadas em arborização urbana, os jamelões são pouco comercializados, em decorrência de sua alta perecibilidade. Os jamelões costumam deixar as calçadas manchadas de roxo devido à queda dos frutos maduros.
Vista do costão e da Praia da Lagoinha. Foto tirada sobre uma pedra e esquerda da trilha.
Vista deslumbrante sobre uma grande rocha da praia. Chegada na linda Praia da Lagoinha, próximo ao costão. Descida muitas vezes difícil, após chuvas. A Praia da Lagoinha é uma das praias com águas mais tranquilas de Florianópolis SC . Graças a seu posicionamento geográfico entre os dois costões rochosos que a limitam oferece um mar do tipo “piscina” , praticamente sem ondas e sem nenhum repuxe . Ideal para que as crianças possam aproveitar do seu mar com colchonetes , pranchas , brinquedos infláveis e esse tipo de coisas. Porém, com ventos (principalmente o vento nordeste e o vento sul) as ondulações podem ser grandes e fortes. Se trata de um balneário com perfil familiar muito forte devido as águas do seu mar e da tranquilidade que lhe brinda um certo isolamento urbano . Longe de grandes concentrações de turistas , a Praia da Lagoinha é escolha preferentemente entre as famílias que contam com crianças ou filhos menores . O ambiente é muito agradável e é uma boa escolha entre as praias que a ilha oferece. Geograficamente, o local é um estuário, dividido em mar e lagoa de água doce. Alagoa ou Lagoinha é formada por diversos rios, pequenos, tributários e que se transformaram em lagoa pelo represamento das areias do mar, junto à praia, que recebe o nome de Praia da Lagoinha. Pertence ao Distrito da Cachoeira do Bom Jesus. A praia tem areias finas, ondas muito calmas. Se aprofunda suavemente, facilitando a entrada e saída das embarcações locais dedicadas à pesca artesanal, como também para as redes de arrasto principalmente focadas na pesca da tainha ( O peixe característico de Florianópolis) . A praia tem somente 860 metros de extensão com uma largura variável de entre 15 a 35 metros .
Início caminhada na Praia da Lagoinha, até o outro costão (Ponta do Rapa), próximo ao rio. No canto direito o costão rochoso recebe o nome de Ponta da Rapa e se estende até a Ponta da Lagoinha , extremo norte da Ilha de Santa Catarina . No começo deste costão se acha o sangradouro ou deságue da pequena lagoa. Praticamente todo o balneário se encontra de “frente ao mar” implantado numa estreita faixa urbana ao redor da Av. Jornalista Jaime de Arruda Ramos . O começo da Ponta do Rapa conta com uma vista maravilhosa da praia . A atividade da pesca artesanal ainda hoje é praticada pela população nativa no lugar.
Início para segunda trilha, deve ser feito na rua geral por uma escadaria à esquerda até a Servidão Valmor Castro. Seguir até seu final.
Vista da Praia da Lagoinha da Servidão.
Entrada para inicio da segunda trilha. Começo para a Ponta do Rapa e subida para Morro do Urubu. A Ponta do Rapa é o extremo norte da ilha de Florianópolis. As principais escaldas em rocha desta região estão na Agulhinha do Rapa. O acesso à este setor se dá pelo início da praia Lagoinha (não confundir com Lagoinha do Leste), através de uma trilha bem marcada. Existe pontos de escalada em rocha nesta área, somente para pessoas que praticam rapel, há acesso por trilha até o topo da Agulhinha, com possibilidade de rapel (60 m). No setor, há basicamente duas linhas que permitem uma escalada da base até o topo: A via Normal, à direita, e a via Black Tie, à esquerda. Ambas estão equipadas com proteções fixas (P), mas podem ser complementadas com algumas proteções móveis. Algumas reuniões estão com duas proteções fixas, porém nem todas. A rocha é um granito, com exigência no estilo de escalada em aderência. A base da via é ampla, plana e com sombra. A vista durante a escalada é para o mar e a ilha do Arvoredo. As duas vias tem graduações parecidas, porém com lances distintos, chegando ao máximo no 7a no crux.
Caverna, pedra em cobertura. Um bom lugar para descanso.
Vista da Ponta do Rapa e Ilha do Arvoredo. As Ilhas do Arvoredo, ou simplesmente Ilha do Arvoredo, localizam-se no Oceano Atlântico, no litoral do estado de Santa Catarina, no Brasil. Com uma área total de duzentos e setenta hectares, a profundidade no seu entorno mantém-se entre três e quarenta metros, sendo o fundo constituído principalmente por rochas e areia. Integra a Reserva Biológica Marinha do Arvoredo. Leva esse nome devido ao marinheiro Alvares Soares de Oliveira, um dos primeiros militares a cuidar do farol que ficava na ilha. O Farol do Arvoredo é um farol brasileiro que se localiza na extremidade sul da ilha do Arvoredo, incluída na Reserva Biológica Marinha do Arvoredo no litoral do estado brasileiro de Santa Catarina, no município de Governador Celso Ramos litoral norte. Torre troncônica em ferro fundido, com lanterna e galeria, pintada com faixas horizontais brancas e vermelhas, com três edifícios térreos anexos. Tem instalado um aparelho lenticular de Fresnel. Desde o século XIX que os canais norte e sul da Ilha de Santa Catarina já eram motivo de preocupação, o que levou à construção dos faróis de Anhatomirim e de Naufragados respectivamente. No entanto, dado que o farol de Anhatomirim não era avistado na parte mais larga do canal norte, iniciou-se em 1878 a construção de um novo farol, cuja torre foi prefabricada em Inglaterra. A construção remonta assim ao Segundo Reinado e foi inaugurado no dia 14 de março de 1883. A sua finalidade é a de orientar a navegação ao Norte da ilha de Santa Catarina. Atualmente emite uma luz branca com quatro ocultações a cada sessenta segundos, visualisada até 24 milhas náuticas de distância (cerca de 44 quilômetros). Em 2007 foi inaugurado o sistema de fornecimento de energia elétrica ao farol a partir de painéis de células fotovoltaicas (energia solar), fruto de um convênio entre as Centrais Elétricas de Santa Catarina, a Eletrosul, o Laboratório de Energia Solar da Universidade Federal de Santa Catarina e a Marinha do Brasil, com financiamento do Ministério das Minas e Energia.
Abrigo de pedra em formato de caverna, com linda Vista e um ótimo lugar para descansar.
Vista do alto do Morro do Urubu da Praia da Lagoinha.
Vista do alto do Morro do Urubu, das praias da Lagoinha, Ponta das canas e outras.
Pista parapente e vista Praia Brava
Ponto de água sob uma grande árvore. Ponto chamado de Churão, que dá nome e trilha.
Final da trilha com chegada na casa n° 728 na Rua Jornalista Jaime de Arruda Ramos.

1 comment

  • Foto de Samuel Tuzy

    Samuel Tuzy 2/dez/2016

    Ótima trilha. Quem puder realizá-la terá uma lembrança muito agradável da natureza do lugar. Inesquecível!

You can or this trail