Coordenadas 839

Enviada em 23 de Abril de 2014

Registrada em Abril 2014

  • Avaliação

     
  • Informações

     
  • Fácil de fazer

     
  • Paisagem

     
-
-
377 m
136 m
0
3,5
6,9
13,82 km

Visualizado 7204 vezes, baixado 82 vezes

perto de Ibirama, Santa Catarina (Brazil)

Hiking realizado na antiga Estrada de Ferro Santa Catarina, no trecho entre Ibirama e Lontras.
A trilha é de fácil acesso, mas possui vários pontos alagados e praticamente já fechada pelo mato.
Fonte

Tanque de Abastecimento de Água da Antiga Ferrovia

Local onde a Maria Fumaça parava para reabastecer as caldeiras com água.
Abrigo de montanha gratuito

Abrigo de Pedra

Pequeno abrigo formado por pedras, pode ser útil em caso de chuva.
Ponte

Pontilhão de Ferro

Pontilhão de Ferro da antiga Estrada de Ferro Santa Catarina.
Ponte

Ponte do Dezesseis

Ponte sobre o ribeirão Dezesseis.
Queda d'água

Cachoeira do Dezesseis

Rio

Rio Itajaí-açu

Durante todo o percurso a antiga ferrovia vai margeando o Rio Itajaí-açu.
Ponte

Bueiro

Bueiro construído com pedras para passagem da antiga ferrovia.
Queda d'água

Salto dos Sonhos

Corredeira do Rio Itajaí-açu denominada de Salto dos Sonhos pelos praticantes de rafting e canoagem.
Ponte

Ponte de Pedra do Arroio Atafona

Ponte de Pedra sobre o Arroio Atafona.
Ruínas

Túnel Soterrado - Entrada

Reza a lenda que durante a construção da ferrovia o túnel desabou soterrando 7 trabalhadores e que os corpos nunca foram retirados. Devido ao desmoronamento o trajeto da ferrovia foi alterado contornando o morro ao invés de perfurá-lo.
Ruínas

Túnel Soterrado - Saída

Ponte

Ponte de Pedra do Arroio Piava

Ponte de Pedra sobre o Arroio Piava.
Rio

Represa da Usina Hidroelétrica de Salto Pilão

Represa para tomada de água para a Usina Hidroelétrica de Salto Pilão.
Waypoint

Início

A trilha teve início às 8h30min em frente ao SAMU de Ibirama.
Waypoint

Fim

Final da trilha às 15h38min em frente ao portão de entrada da represa da Usina Hidroelétrica de Salto Pilão. Created by Google My Tracks on Android Name: Ferrovia das bromelias Activity type: walking Description: - Total distance: 14.46 km (9.0 mi) Total time: 6:08:49 Moving time: 4:56:27 Average speed: 2.35 km/h (1.5 mi/h) Average moving speed: 2.93 km/h (1.8 mi/h) Max speed: 21.96 km/h (13.6 mi/h) Average pace: 25:31 min/km (41:03 min/mi) Average moving pace: 20:30 min/km (32:60 min/mi) Fastest pace: 2:44 min/km (4:24 min/mi) Max elevation: 388 m (1273 ft) Min elevation: 147 m (483 ft) Elevation gain: 3778 m (12395 ft) Max grade: 28 % Min grade: -243 % Recorded: 4/21 08:30

5 comentários

  • weboss 28/mai/2014

    Será que dá para fazer do bike? Vale a caminhada? Abraço!

  • Foto de Johnny S

    Johnny S 19/mar/2020

    Eu fiz esta trilha  verificado  Ver mais

    Muito bem gravado. Obrigado.

  • Silvio Vieira Junior 6/abr/2020

    A trilha tá boa pra fazer? Da de ir tranquilo sem medo de se perder? Tem lugar pra acampar?

  • Foto de Johnny S

    Johnny S 6/abr/2020

    Olá Silvio.
    A trilha inicialmente está bem aberta, mas logo começa a se fechar e em algumas partes fica fechada, também possui alguns pontos alagados que estão na profundidade de uns 30 cm.

    Quem realmente pode avaliar seu conhecimento é você mesmo.
    O GPS auxilia bastante a navegação nesta trilha existem algumas bifurcações e caminhos bem fechado e mesmo assim deve se tomar alguns cuidados. As pessoas deixam de observar quesitos de segurança, por achar que conhecem demais, que realmente são os bons. Ao fazer uma trilha ou acampar, quem não está habituado deve ter a consciência de que ele está saindo de sua zona de conforto e curtir a trilha com segurança.
    Deve-se ter a consciência de que está entrando em um ambiente completamente diferente do dele, com outros habitantes que podem ser hostis ou não. Na mata, todo cuidado é pouco – o perigo pode estar em todos os lados. Em uma listagem rápida de perigos superficiais podemos citar são: se perder, cair em ribanceiras, ser atacado por animais selvagens, pessoas hostis ou animais peçonhentos, ser picado por aranhas, formigas ou outros insetos, enfim, são inúmeros os ricos que podem ser evitados com prudência. 
    É preciso conhecer e planejar. Quantas pessoas vão, que percurso que será feito, se a trilha é adequada para os integrantes do grupo, se a programação do horário de saída é condizente com o horário de retorno, além de informações sobre as características do local.
    Se for a primeira vez, vá acompanhado de um guia que conheça a região e a trilha. Evite se afastar do grupo, não fique para trás e estude o caminho a ser percorrido.Leve sempre um kit básico de sobrevivência: água, comida, kit de primeiros socorros, lanterna, vestimenta adequada, etc. Tenha em mãos um mapa ou gps e uma bússola (e saiba usá-los) para ajudá-lo a se guiar pelo caminho.
    Outra dica interessante é estar sempre atento aos detalhes do caminho. Não deixe de informar alguém (familiar ou amigo) do seu cronograma de horários e trajetos. Quanto ao acampamento possui alguns lugares que daria de acampar, mas na minha opinião não vale o risco devido aos pontos da trilha ser de fácil acesso.

    Em ambientes naturais há riscos de diversos acidentes e a fadiga pode favorecê-los, por isso a grande importância de respeitar a si mesmo.
    Toda trilha possui seu esforço é importante conhecer seus limites.

  • Roberton Faustino 13/nov/2020

    Morei em Lontras até meus 20 anos, quando criança sempre fazia essa trilha coms meus amigos, de bicicleta, ates de ser construía a Usida do Salto Pilão. Era divertido, trilha tranquila pra se fazer (naquela epoca). Depois que foi construía a Usica nunca mais fiz essa trilha e tenho curiosidade de saber como está hoje.

Você pode ou esta trilha