BNDias

Coordenadas 1092

Uploaded 14 de Dezembro de 2014

Recorded Dezembro 2014

  • Rating

     
  • Information

     
  • Easy to follow

     
  • Scenery

     
-
-
211 m
50 m
0
3,0
6,1
12,17 km

Visualizado 2567 vezes, baixado 97 vezes

próximo a Palmela, Setúbal (Portugal)

Excelente passeio em que é possível deslumbrar paisagens do Estuário do Sado, as Serras da Arrábida, Gaiteiros, São Luís, São Francisco e Louro e desfrutar do património natural e arqueológico presentes ao longo do percurso.

Fonte: Município de Palmela
O chafariz original dataria de 1549, construído por ordem de D. Jorge, Mestre da Ordem de Santiago. Terá sido restaurado no reinado de D. Maria I, conforme consta da inscrição do frontão: 1792. Foi classificado como Monumento de Interesse Público em 2012.
Construída no século XIX, em pedra e adobe, é constituída por um tanque de receção e respetiva bica. A fonte é abastecida por uma mina ligeiramente afastada do local; a água é canalizada ao longo de um muro por uma caldeira coberta, entrando pela parte de trás do fontanário. Junto à fonte nova existe um lavadouro que data da segunda metade do séc. XVIII. Integra-se na mesma tipologia e época do Chafariz da Fonte Nova que o alimenta de água e assegura o abastecimento. Apresenta estruturas em ferro que sustentariam uma antiga cobertura oitocentista.
As Serras dos Gaiteiros e São Luís formam a segunda linha de serras no extremo NE do Parque Natural da Arrábida. Na primeira linha de relevos, ocorre a mais importante elevação na Serra da Arrábida propriamente dita, denominada "Serra Mãe". A terceira linha de relevos é constituída pelas Serras do Louro e São Francisco.
Capela de romaria de invocação de Nossa Senhora da Escudeira, que remonta a meados do século XVIII, fundada pelo padre Francisco Fernandes Coelho. Destaca-se a fachada barroca, de cerca de 1750, com portal lavrado com motivos decorativos inspirados em modelos da época. A romaria ainda decorre na actualidade e é celebrada, anualmente, no fim-de-semana mais próximo de 15 de Agosto.
O relevo acidentado e a diversidade botânica proporcionam, no Vale dos Barris, um efeito de mosaico, com zonas de prados, olivais, matos e floresta. No Vale Jurássico dos Barris predominam "barros" castanho-avermelhados calcários, explorados industrialmente no passado. Estas formações jurássicas, constítuidas fundamentalmente por calcários, margas e grés, são das mais antigas unidades geológicas presentes no concelho.
A Serra do Louro está integrada no extremo NE do conjunto de relevos que constituem a cadeia da Arrábida. Algumas das espécies presentes ao longo do percurso como o alecrim, tomilho, rosmaninho, alfazema, orégãos, pascoínhas e folhado, são exemplos representativos da flora mediterrânea. Na Serra do Louro pode-se encontrar também uma diversidade de orquídeas e abundância de cardos como o "Cyanara Cardunculus L." que é utilizado como coagulante vegetal no fabrico do apreciado Queijo de Azeitão. A fauna do Parque Natural da Arrábida é muito rica ao nível da avifauna, com algumas espécies raras, especialmente aves de rapina, como o bufo-real, o falcão peregrino ou a águia de Bonelli. Na área onde se desenvolve o percurso é frequente avistar-se a águia-de-asa-redonda ou o peneireiro vulgar. É possível também encontrar a poupa, o pica-pau-malhado-grande ou o abelharuco que se alimenta de abelhas, a mais bela e colorida ave de Portugal, considerada a pérola da avifauna europeia. Nos mamíferos ainda se pode encontrar, por exemplo, a raposa, a doninha, o saca-rabos, o texugo, o toirão, a toupeira, o mordanho e o gineto.
Os moinhos de vento do concelho de Palmela localizam-se, maioritariamente, na Serra do Louro. São engrenagens que marcam a história do cereal, do pão e da região ao longo de séculos da sua existência. Neste percurso passa-se por 10 dos 18 moinhos existentes nas freguesias de Palmela e da Quinta do Anjo.
O marco geodésico assinala o ponto mais alto da Serra do Louro. A uma altitude de 224 m, pode-se observar, para sul, a Serra de São Luís (398 m), a Serra dos Gaiteiros (229 m) e o Vale dos Barris. Neste local, pode também ser observado um banco de ostras fossilizadas. Os terrenos mais antigos da Arrábida datam de há cerca de 200 milhões de anos, no início do Jurássico, sendo os bancos de ostras um dos testemunhos de outros tempos geológicos.
O sítio rural islâmico do Alto da Queimada, que identificamos como uma alçaria, foi intervencionado arqueologicamente entre 1996 e 2005. O povoado mostra sinais de ocupações anteriores, dos períodos romano e pré-islâmico, reconhecendo-se continuidade de povoamento atribuível à grande fertilidade da região e às boas condições de localização e defesa. A população campesina que, em época islâmica, estruturou e habitou a alçaria desde a fase emiral até inícios do séc. XI, mantinha inegáveis ligações fiscais e culturais ao castelo de Palmela. A alçaria define-se no sentido poente-nascente, com habitações rectangulares, de aparelho grosseiro em pedra associados a paredes obtidas do talhe da rocha local e a coberturas de materiais perecíveis. Definem-se espaços com funções ligadas ao quotidiano agro-patoril, nomeadamente áreas de armazenamento, mas também outros de cariz religioso. As marcas de uma economia predominantemente agrícola evidenciam-se na recolha de instrumentos e vários utensílios mas também se documentam outras actividades, como a pesca, justificada pela proximidade do Estuário do Sado.
O sítio fortificado de Chibanes localiza-se numa área culminante da Serra do Louro, com extenso domínio visual que atinge, para norte, o sistema estuarino do Tejo e, para sul, o Rio Sado. A superfície amuralhada durante a Pré e a Proto-História estima-se em cerca de 1 ha. A mais antiga ocupação remonta ao calcolítico e Bronze antigo, entre 5000 e 3700 antes do Presente. Abandonado no final do Horizonte Camaniforme (Bronze antigo), o local foi reocupado, graças às suas boas condições geoestratégicas, na 2ª idade do ferro (séc. III – II A.C.) e no período proto-romano, também designado por romano-republicano (séc. II – I A.C.). Chibanes pode ser considerado o primeiro castelo de Palmela, assumindo um notável lugar na história do Concelho.

1 comment

  • Paulo Lopes 001 3/nov/2016

    I have followed this trail  View more

    Bom trilho com excelentes paisagens e muito agradável de fazer

You can or this trail