Tempo em movimento  2 horas 16 minutos

Horas  2 horas 26 minutos

Coordenadas 1620

Uploaded 8 de Outubro de 2018

Recorded Outubro 2018

-
-
603 m
477 m
0
2,3
4,6
9,27 km

Visualizado 87 vezes, baixado 0 vezes

próximo a Portela do Vale de Espinho, Leiria (Portugal)

aproveitando este infindo verão de outubro fomos espraiar bastante acima do longo plaino que até ao mar fundo leva nosso olhar. Partimos do vale e outro vale quisemos subir mas os pastores rareiam, caçadores nesta época não há e matas limpas são uma miragem, por isso poucos metros andados voltámos para trás forçados pela inexistência de carreiro que outrora existiu mas que a natureza, para ela própria, recuperou. Andar por ar puro era nossa intenção e não aborreceu nossos passos o ter que retroceder para outro caminho calcorrear. Foram alguns quilómetros por carreteiros serra acima até atingir o cume. Do alto, enfim, a vista espraiámos até às Berlengas que a pureza do ar nos deixou alcançar com nitidez. O sol, caminhando par o ocaso, refletia um mar de luz no oceano para lá da costa.
Olhos mais vorazes escrutinavam o horizonte a partir do cimo da torre que, dizem, se levanta 80 metros acima dos seus fundos alicerces. É o sistema de observação e controlo marítimo que vai debitando dados que outros mais pequenos olhos hão-de analizar.
Voltámos por outros carreiros e, em nosso caminho que de outros já foi, voltámos a apreciar a paciência de um Carvalho que à serra deu um largo de seu nome com obra de arte feita de pedrinhas. Não me cansa passar por este lugar. Mais do que tudo admiro a coragem de ter paciência de construir um mundo lego com peças que a natureza moldou. Seguimos que se ia fazendo tarde. Duas horas e pouco de ar puro e exercício. Esperemos que chova em breve, enquanto não, aproveitemos!...
  • Foto de Vista do monte leste e paragem da Portela do Vale de Espinho
  • Foto de Vista do monte leste e paragem da Portela do Vale de Espinho
  • Foto de Ruínas
  • Foto de Ruínas
  • Foto de Mais ruínas.
Está assim este cantinho da serra: votado ao abandono.
  • Foto de Moínhos também em ruínas
Este é um patrimómio que mais cedo do que tarde se irá completamente deteriorar. É pena...
  • Foto de Outra vista do moinho
  • Foto de Um palheiro que já foi abitação
  • Foto de Vistas serra acima
  • Foto de Vistas serra acima
  • Foto de Os velhos carreteiros onde passavam as carroças que iam ao mato
  • Foto de No planalto
  • Foto de Um chouso que já guardou gado hoje guarda eucaliptos
  • Foto de Já no cimo da serra
  • Foto de A torre que tudo vê
  • Foto de A torre que tudo vê
  • Foto de Uma rocha com aspeto de cabeça de ovelha
  • Foto de Uma rocha com aspeto de cabeça de ovelha
  • Foto de No largo dos Carvalhos
  • Foto de No largo dos Carvalhos
  • Foto de No largo dos Carvalhos
  • Foto de No largo dos Carvalhos
  • Foto de No largo dos Carvalhos
  • Foto de O promenor da 'casinha'
  • Foto de O promenor da 'casinha'
Quem tiver necessidade verá que até um jarro com água ali existe. Sejamos asseados, não é senhor Carvalho?... atrás de uma moita?... ora, isso é lá higiénico?...
  • Foto de As manchas brancas que povoam a serra.
  • Foto de Isto pica.
  • Foto de Isto pica.
  • Foto de O algar que tem um dono.
  • Foto de O algar que tem um dono.
  • Foto de de regresso pelo pinhal
  • Foto de A serra doirada pelo sol já baixo
  • Foto de A serra doirada pelo sol já baixo
  • Foto de Pias de pedra
  • Foto de Pias de pedra
  • Foto de De novo com os velhos moinhos à vista
  • Foto de chegando
  • Foto de chegando
  • Foto de chegando
  • Foto de O fim no lugar de início
  • Foto de O fim no lugar de início

Comentários

    You can or this trail