Horas  3 horas 16 minutos

Coordenadas 978

Uploaded 23 de Junho de 2019

Recorded Junho 2019

-
-
933 m
806 m
0
3,1
6,1
12,26 km

Visualizado 26 vezes, baixado 3 vezes

próximo a Los Llanos, Castilla y León (España)

- Trilho circular, no Parque Nacional dos Picos de Europa, combinando partes do Camino Del Bustio com o PR - PNPE 35: La Farfada e o PR - PNPE 3: Ruta Del Cares, pelo Valle de Valdeón, com início e fim no Albergue La Cuesta, em Llanos de Valdeón;
- Este trilho desenvolve-se por veredas, caminhos de bosque e estrada, ao longo do rio Cares, passando pelas povoações de Posada de Valdeón e Cordiñanes de Valdeón, Mirador del Tombo, Monte Corona e Embalse de Cordiñanes;
- Trilho de montanha essencialmente verde. Destaque para o bosque que atravessa, a caminho da fonte La Farfada;
- Muito interessante também é o serpentear do rio Cares, muito encaixado no sopé da montanha;
- Sem dúvida, um trilho excelente para ser realizado como preparação e primeiro contacto com esta deslumbrante região, pois é muito acessível, sem grandes desníveis e com muita sombra. No entanto, não é recomendável fazer este trilho em dias de muita chuva, pois o mesmo tornar-se-á muito escorregadio e perigoso.

__________________________________________________________________________________________

PNPE - ESPANHA
O Parque Nacional dos Picos de Europa ou simplesmente Parque Nacional Picos de Europa situa-se nas províncias de Cantabria, Asturias e Leão, sendo o único Parque Nacional pertencente a três comunidades autónomas diferentes e gerido de forma conjunta. O maciço ocidental foi declarado Parque Nacional em 22 de julho de 1918 por Afonso XII com o nome de Parque Nacional de la Montaña de Covadonga, sendo o primeiro espaço protegido do país. Inicialmente comprendia 16.925 ha, até que em 30 de maio de 1995 a sua área foi aumentada para os 64.660 hectares actuais. Em 9 de julho de 2003 a Unesco aprovou a proposta que o converte em Reserva da biosfera.

PR - PNPE 3: RUTA DEL CARES
Entre os maciços centrais e ocidentais situa-se o trilho mais conhecido do Parque Nacional Picos de Europa. Esta rota atravessa as povoações de Posada de Valdeón, Cordiñanes, e Caín, na província de Leon, e Poncebos, no Principado das Astúrias. A rota oferece recursos culturais e históricos interessantes, tais como a necrópole de Barrejo, o Chorco de Lobos ou a Capela de Corona e o caminho, a partir de Cain, em sua grande parte é esculpido na pedra calcária até Poncebos. Um passeio único, que oferece importantes curiosidades geológicas, botânicas assim como um grande espetáculo natural, o que lhe rendeu o apelido de "Garganta Divina do Cares". O canal foi construído entre 1916 e 1921 para dar origem a uma hidroeléctrica e mais tarde expandiu-se, entre 1945 e 1950.

PR - PNPE 35: LA FARFADA
A rota parte do Mirador del Tombo, nos arredores de Cordiñanes de Valdeón e progride por um caminho que nos leva a cruzar o Argayo Trasárbol e os Canales de Sardón, até nos introduzirmos no Monte Corona. A partir daqui segue-se por caminho de pé posto até à fonte de La Farfada e assim continua mais um pouco, até terminar a meio do bosque anterior a Los Cavidos, no sopé da Cueva Lluques.

POSADA DE VALDEÓN
Encontramos o termo Posada de Valdeón na província de León, que faz parte do belo Parque Nacional dos Picos de Europa, a uma altitude média de cerca de 900 metros acima do nível do mar, na fronteira com as Astúrias. O município de Posada de Valdeón é constituído por vários centros populacionais, incluindo Posada, que são Caín, Caldevilla, Cordiñanes, Los Llanos, Prada de Valdeón, Santa Marina e Soto de Valdeón. Juntos, o município alcança 164 quilômetros quadrados. A lenda de Posada diz que, no século XVI, uma época de seca e crise levou os seus aldeões a pedir à Virgem de Corona as chuvas desejadas e, como foram concedidas, foi decidido celebrar anualmente uma peregrinação em sua homenagem, que perdura até aos dias de hoje. A sua herança está para além de um ambiente natural privilegiado. Os exemplos de arquitetura rural, como os celeiros espalhados ao longo dos prados, são um atrativo que abre caminho para uma experiência única.

CORDIÑANES DE VALDEÓN
Cordiñanes de Valdeón é uma povoação espanhola que pertence ao município de Posada de Valdeón, na província de León, comunidade autónoma de Castela e Leão. Está localizado a poucos quilômetros do início da Ruta del Cares, perto do Mirador del Tombo. Está localizado numa encosta, na sombra da rocha da ravina (em cuja parede e por erosão natural, foi usado pelas pessoas como um relógio solar). No século XIX, o seu eremitério desapareceu sendo seu patrono Santiago. A poucos metros desta povoação encontra-se o Mirador del Tombo, onde existe uma escultura de uma camurça em tamanho natural, animal emblemático dos Picos de Europa, e um relevo do maciço central e suas correspondentes alturas.
Localizado a menos de 1 km da aldeia de Cordiñanes, na estrada que liga Posada de Valdeón a Caín, este miradouro de montanha é talvez um dos mais visitados de Espanha, uma paragem obrigatória para todos os caminhantes que vêm fazer a famosa Ruta del Cares. Permite desfrutar de uma vista excecional sobre o Vale de Valdeón, o Maciço Central dos Picos de Europa, a zona de Pambuches, no Maciço Ocidental e a aldeia de Cordiñanes. Pelo facto de também estar localizado em frente à escarpa onde se encontra a nova Via Ferrata de Valdeón, permite contemplar a evolução dos praticantes ao realizarem o itinerário vertical e aéreo da ferrata.
Muito próximo encontra-se a Fonte La Farfada e, um pouco mais acima, a Cueva Lluques (fim do PR).
Junto à estrada entre Posada de Valdeón e Caín, existe um “chorco de los lobos”. Dá-se o nome de “chorco de los lobos” às armadilhas (tal como o nome indica) destinadas a caçar lobos. Estes animais eram vistos como inimigos para os habitantes da zona, principalmente para os que tinham o gado a pastar nos prados. A armadilha funcionava da seguinte forma: quando era avistado um lobo, soavam os alarmes (principalmente toques especiais dos sinos das igrejas) e reuniam-se os vizinhos que, munidos de paus, rodeavam o animal ao longo da montanha. O lobo perseguido era obrigado (como única saída) a atirar-se para a armadilha, que era então, um poço fechado. O animal era depois morto e exibido à população como se fosse um troféu.

Comentários

    You can or this trail