Coordenadas 2516

Uploaded 24 de Setembro de 2017

Recorded Setembro 2017

-
-
482 m
226 m
0
4,2
8,4
16,84 km

Visualizado 567 vezes, baixado 6 vezes

próximo a Oldrões, Porto (Portugal)

Esta caminhada, tomando como ponto de partida o parque de estacionamento do Centro de Interpretação, passa pelo Castro e faz uma incursão pela área vizinha. Trata-se de um percurso simples de percorrer e que não apresenta pontos de grande dificuldade com excepção da descida do Penedo Impossível, o qual pode ser contornado.

O Castro de Monte Mozinho, nas freguesias de Oldrões e Galegos, concelho de Penafiel, é um povoado fortificado de altura que ocupa um cabeço destacado da serra, com 408 m de altitude. Desfrutando de amplos horizontes, que se estendem a Leste até a Serra do Marão e a Sul atingem o Montemuro, debruça-se sobre a depressão onde corre o rio Cavalum / ribeira da Camba, caminho natural
que une o Norte do concelho ao rio Douro, modernamente percorrido pela estrada Penafiel - Entre-os-Rios.

Povoado castrejo de época romana, fundado no século I d.C. mas com uma ampla cronologia de ocupação, que chega mesmo a atingir o século V, é fortificado com duas linhas de muralhas. O castro possui uma extensa área habitada, com cerca de 22 hectares, e apresenta diversas reformulações urbanísticas, sendo possível observar vários tipos de construção, desde núcleos de casas-pátio de tradição castreja, com compartimentos circulares e vestíbulo, às complexas habitações romanas de planta quadrada ou retangular.

Na parte superior do castro destaca-se a muralha do século I, cuja entrada era flanqueada por dois torreões onde se encontravam duas estátuas de guerreiros galaicos, atualmente no Museu Municipal. O topo do castro é coroado pela acrópole, delimitada por um espesso muro e estéril em construções interiores. Aí se desenrolariam atividades várias, como jogos, assembleias, mercado, etc.

As escavações no castro de Monte Mozinho tiveram início em 1943, retomadas em 1974, e desde então não mais pararam, podendo o espólio ser visto no Museu Municipal de Penafiel. Inaugurado em 2004, o Centro Interpretativo do Castro de Monte Mozinho constitui um núcleo museológico do Museu Municipal.
Os vestígios desta povoação são particularmente curiosos. Uma vista aérea poderá levar os mais imaginativos aficionados da ficção científica a identificar o desenho de uma nave espacial – houve que dissesse que parecia o Millenium Falcon da saga Star Wars. Mas o sítio é especialmente curioso por ser um castro construído por romanos. Os castros eram as povoações fortificadas de origem antiga, reconhecíveis nos povoados celtiberos da península, associados à Idade do Ferro. Constituíam-se em locais elevados, aglomerando casas de planta circular e telhados de colmo, defendidas por muralhas simples. Ou seja, com a romanização este tipo de ocupação foi sendo abandonada e a população indígena começou a adotar o modelo urbano romano, de planeamento em malha quadrangular, a ortogonalidade do cardo-decumanos, centralidade do fórum, praças e outros edifícios públicos. Importantes foram também as vilas - edificações centralizadoras que organizavam latifúndios e áreas de exploração do território rural, semelhantes a quintas de grandes dimensão e que poderiam ser imensamente ricas e autossuficientes. Mas o Castro de Montezinho foi construído pelos romanos no século I. d.C., sendo ocupado até ao século V da nossa era. Não se trata da romanização de uma povoação mais antiga. Tudo indica, tal como salienta o documentário, que os romanos terão adotado este design de castro para atrair para aquele novo povoado a mão-de-obra indígena, pois pretendiam explorar o território da envolvente, rico em minérios. Não sendo de descurar o valor estratégico de domínio do território. Assim, este castro é urbanisticamente híbrido. É singular, para além de proporcionar uma experiencia de visita única pela riqueza dos achados arqueológicos e vestígios dos edifícios descobertos e expostos para contemplação. Tudo indica que se trata de mais uma manifestação do génio de gestão e organização territorial dos romanos, sempre capazes de se adaptarem à geografia física e humana dos territórios que dominaram, tentando tirar deles o melhor partido.
Também conhecido por penedo impossível, trata-se duma rocha cuja superfície, particularmente inclinada, é usada por adeptos de desportos motorizados mas não só.
Bom local para um primeiro descanso e apreciar as vistas.
Um dos aglomerados rochosos que ao longo dos anos tem servido de marcador natural da serra.
O acesso faz-se por umas escadas carvadas na rocha que lhe dá suporte.
Que se saiba, não há por aqui nenhum castelo.
Construção fundamental que visa aproveitar a água de pequenos regatos e nascentes para irrigar os campos. Parte do percurso a partir daqui faz-se seguindo o "rego de água".
Na Capela, freguesia do concelho de Penafiel, inserido numa paisagem rural deslumbrante, encontramos o Museu da Broa. Composto por seis moinhos recuperados e funcionais, o visitante é transportado até ao tempo em que estes constituíam um importante fator de sobrevivência. As mós trabalhavam noite e dia sem parar, produzindo a farinha que dava o sustento aos nossos antepassados: a broa. Em contacto puro com a natureza, enquanto aprecia o verde da paisagem, o património recuperado, a melodia da água por entre as pedras, o visitante poderá observar o Ciclo Tradicional da Broa em dez painéis, distribuídos pelos moinhos. Neles estão representadas as etapas que trazem a broa à nossa mesa: o trabalho árduo no campo, a alegria na eira, o movimento da moagem, a recompensa pelo esforço de preparação da fornada de broa. Os moinhos voltam a ganhar vida e o percurso deste ciclo traz-nos lembranças de um tempo que vale a pena (re)viver. O Museu da Broa constitui um espaço cultural, pedagógico, patrimonial e de lazer preservado para memória da nossa história coletiva.
Nome oficial deste caminho de terra.

Comentários

    You can or this trail