Hora  10 horas 3 minutos

Coordenadas 3825

Enviada em 21 de Outubro de 2013

Registrada em Outubro 2013

-
-
178 m
56 m
0
8,6
17
34,48 km

Visualizado 2297 vezes, baixado 50 vezes

perto de Rio Maior, Santarém (Portugal)

Caminho para Fátima por trilhos rurais. Com partida nos Paços do Concelho de Rio Maior e pernoita no Centro Ciência Viva do Alviela - Carsoscópio (www.alviela.cienciaviva.pt).

Caminho moderado e diversificado entre olivais, eucaliptos e pinhais. Passagem pelas localidades de Alqueidão do Rei, Alcanede, Abrã, Canal e Amiais de Baixo.
Provisionamento

Café 'Cláudio'

Morada: Rua José J Pinheiro Cabos 2040-494 São Sebastião Telefone: 243 907 195
Arquitetura religiosa

Capelinha de São Silvestre

Canal 2025 Abrã, Santarém
refúgio

Centro Ciência Viva do Alviela - Carsoscópio

Foi inaugurado em 15 de dezembro de 2007 pelo presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, e pelo ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, José Mariano Gago. Encontra-se sob a responsabilidade do município de Alcanena.1 No interior do edifício encontra-se uma exposição interactiva permanente, dividida em três partes: o Geódromo, o Climatógrafo e o Quiroptário. O edifício dispõe ainda de auditório, sala de formação, centro de alojamento, centro de documentação e espaço de acesso gratuito à internet, refeitório, recepção e Loja. Além da exposição permanente, o Centro atua como dinamizador de exposições temporárias, eventos científicos e actividades lúdico-pedagógicas de interior e exterior. A implementação do Centro valeu ao município de Alcanena o prémio "Geoconservação 2010", outorgado pela Associação Europeia para a Conservação do Património Geológico com o apoio da National Geographic-Portugal. Instituída em 2004, essa premiação contempla projetos desenvolvidos pelas autarquias portuguesas vocacionados para a preservação, estudo e vaorização do património geológico.2 Entre 2007, data de sua abertura ao público, até 2010, o Centro recebeu mais de 43 mil visitantes. CONTACTOS Morada: Praia Fluvial dos Olhos d'Água do Alviela, Louriceira, 2380-450 Alcanena Telefone: +351 249 881 805 E-mail: info@alviela.cienciaviva.pt Website: http://www.alviela.cienciaviva.pt Mais informações: http://pt.wikipedia.org/wiki/Centro_Ci%C3%AAncia_Viva_do_Alviela_-_Carsosc%C3%B3pio
Provisionamento

Churrasqueira 'O Tempero do Frango'

Morada: Urbanização São João Lote 7, 2025-030 Alcanede Telefone/Fax: 243 400 979
Informação

Câmara Municipal de Rio Maior

Morada: Praça da República, 2040-320 Rio Maior Tel: +351 243 999 300 Fax: +351 243 992 236 E-mail: geral@cm-riomaior.pt Website: http://www.cm-riomaior.pt
Arquitetura religiosa

Igreja de Nossa Senhora da Graça

2025 Amiais de Baixo, Santarém
Arquitetura religiosa

Igreja de Santa Margarida

Pertencente à Diocese de Santarém, a paróquia de Abrã tem nesta terra uma igreja, consagrada a Santa Margarida, construída em 1639 pelo povo da terra. Foi ali celebrada a primeira missa pelo Frei António Cabral, Prior em Alcanede, em 21 de Dezembro de 1639. Antes desta data, desde a criação da paróquia em 1621, servia de matriz uma pequena capela no mesmo local, também devota a Santa Margarida.
Arquitetura religiosa

Igreja de São Sebastião

A igreja foi inaugurada a 03 de Junho de 1979 por D. António Francisco Marques, Bispo de Santarém. À altura da inauguração a localidade chamava-se Cabos. Existem duas festas em honra de São Sebastião, uma a 20 de Janeiro e outra no primeiro fim-de-semana de Julho, conhecida como a festa de Verão. O interior da igreja é sóbrio, mas ao mesmo tempo bonito e funcional. No exterior existe uma cruz de pedra datada de 2005. Nesta cruz existe a inscrição INRI que é o acrónimo de Iesu(a) Nazarenus Rex Iudaeorum, "Jesus Nazareno Rei dos Judeus" que Pilatos mandou gravar na cruz em que Jesus foi crucificado. Nos dois braços da cruz também estão gravadas as letras ‘Α’ e ‘Ω’ (Alfa e Omega) que são respectivamente a primeira e a última letra do alfabeto grego, significando o Início e o Fim (Termo usado pelos profetas para se referirem a Jesus como o criador de todas as coisas e que depois dEle não haverá outro igual). Como está patente pelo seu nome, a igreja tem como Orago São Sebastião. São Sebastião nasceu em Narbonne (França) por volta de 256 d.c., foi cidadão de Milão e acabou por falecer em 286 d.c. Sebastião era um soldado que pertenceu à Guarda Pretoriana, mas a sua conduta branda com os prisioneiros levou a que fosse julgado e condenado pelo imperador como traidor sendo o castigo a morte por meio de flechas. Após a execução foi atirado ao rio, mas Sebastião não tinha falecido e foi encontrado e socorrido por Irene (Santa Irene). Foi levado novamente perante o imperador Diocleciano que o mandou espancar até à morte. Mesmo assim Sebastião não morreu, tendo que ser trespassado por uma lança. A igreja foi construída sobre uma antiga ermida (Ermida de S. Sebastião). Nas festas realizadas em Janeiro de 2013, foi inaugurado um painel de azulejos, colocado na parede principal da igreja, cuja referência é precisamente esta ermida.
Provisionamento

Café 'Lagar da Praça'

2025-011 Abrã, Santarém Telefone: 243 406 546
Sítio arqueológico

Ponte romana

A ponte sobre a Ribeira de Alcanede é o mais significativo testemunho da estrada que, desde tempos remotos, unia Santarém a Porto de Mós e Leiria e, num contexto mais alargado, ligava a região sul ao centro do país. Trata-se de uma obra em alvenaria, com três arcos em cantaria e abóbada de volta inteira, sendo o central de maiores proporções do que os laterais. Estes arcos são separados, de ambos os lados, por talhamares. Apresenta o tabuleiro inclinado e resguardado por muretes, que lhe conferem um perfil característico. O inventário do património Arquitectónico, realizado pela direcção Geral dos Monumentos Nacionais, classifica-a de obra romana, embora de forma conjectural. Neste pressuposto, atribui a sua provável construção ao século III, enquanto estrutura de uma via romana secundária. O inventário assinala que o aparelho em opus incertum não é muito comum em pontes romanas e recorda o facto de não terem sido encontrados vestígios de uma via latina nas suas imediações, aspecto sempre considerado neste tipo de classificações. De qualquer modo, aventa a possibilidade de tal via fazer a ligação de Scalabis com a costa, na zona de Óbidos, através de Eurobritium, hipótese que, por razões de geografia e relevo, preterimos a favor da ligação ao norte, através da serra da Mendiga. Não deixa de ser curioso que Simão Froes de Lemos tenha omitido qualquer referência à ponte, embora fosse sensível aos indícios da presença romana na região, assinalando, por exemplo, a descoberta de moedas antigas. Este facto leva-nos a crer que, nesse tempo, a ponte não era tradicionalmente atribuída à época romana. Independentemente desta problemática, a ponte constitui uma estrutura viária importante nas ligações da Vila à época romana. Por requerimento de 1805, o Concelho e povo de Alcanede solicitam autorização para utilização dos «sobejos das sisas» na reparação de «algumas pontes que dão entrada e saída à Vila», nomeadamente «aponte de Aldeia da Ribeira» e a fonte pública, «junto ao rio da Vila». Diz a petição que «a ponte de Aldeia da Ribeira» serve de «trânsito público de todo o termo desta Vila e ainda para os que passam pela estrada de Lisboa para os coutos de Alcobaça e Leiria». Se não restarão dúvidas quanto à identificação da fonte pública, como aquela que actualmente subsiste junto à antiga ponte, o mesmo não se poderá dizer sobre a «ponte de Aldeia da Ribeira. O documento em apreço menciona a necessidade de colocação de traves de madeira e a união da ponte a um olival, propriedade de um cidadão da Aldeia da Ribeira, aspectos que parecem não se coadunar com a estrutura de pedra e localização da antiga ponte de Alcanede.

Comentários

    Você pode ou esta trilha