Dificuldade técnica   Difícil

Coordenadas 7219

Uploaded 10 de Fevereiro de 2017

Recorded Fevereiro 2017

-
-
435 m
-3 m
0
43
85
170,21 km

Visualizado 962 vezes, baixado 14 vezes

próximo a Comportas, Pernambuco (Brazil)

O nível de dificuldade é alto se for atravessar os córregos apontados no caminho. Não fazer essa trilha sem guincho ou cinta para reboque. Em períodos de chuva essa trilha fica muuuuito difícil, só para experimentes e preparados. Nós fizemos no período seco e ainda tivemos desafios a enfrentar.

Fomos em 5 carros e começamos a trilha as 08:25 e chegamos e volta em Recife somente as 01:00. A demora foi porque estávamos desbravando o caminho, mas lembre-se, o percurso é longo e prepare para levar muitas horas o trajeto inteiro se for com muitos carros. A trilha pode ser abortada em vários pontos pois cruza a PE-45 em dois pontos, cruza a PE-63 próximo a Primavera, além de cruzar a PE-25 (estrada de terra).

Se estiver chovendo e o terreno se tornar escorregadio em demasia, os dois primeiros waypoint que indicam subida podem ser facilmente desviados, ambos pela direita.

As duas primeiras porteiras são de livre acesso, porém ela deve permanecer fechada pois na propriedade (Engenho Gurjaú de baixo) há criação de búfalos. Os próprios funcionários e morados nos ajudaram a abrir e fechar as porteiras além de nos acompanhar e ajudar com os carros brincando dentro do rio.

A passagem por dentro do rio Gurjaú é opcional. Verifique antes o caminho para verificar se não está fundo ou se tem obstáculos ocultos na água turva. Os búfalos são mansos e não mexem com ninguém, desde que não passe correndo próximo deles ou com o carro em velocidade. Em primeiro lugar, respeite o local, as pessoas, o gado e seja gentil.

A Pedra da Pimenta é uma subida apertada, tem dois cotovelos (curva muito fechada) para se chega até lá em cima. Motoristas inexperientes aqui devem ser evitados. Se estiver molhado alguém mais experiente testar a subida antes, lembrando que vão descer por ela depois. Há desvios por dentro de Juçaral, se for necessário.

Mais na frente pega-se um pedaço da PE-45 até entrar à esquerda ao lado de um rio, rente a mata ciliar.

A próxima porteira aparentimente pode ser evitada se voltar para a principal e entrar na próxima à direita (para esses desvios é sempre bom ter imagens de satélite do local a trilhar), mas seguimos por ela e não encontramos gado ou outra justificativa para não rodar por ali. É um pequeno trecho de mata fechada bem bonito. Ao passar lembre de fechar.

Saindo da mata e começando a descer tem um mirante muito bonito do vale mas a foto que fiz de dentro do carro não ficou legal.

Onde tem "seguir pela direita" é apenas uma curta estrada paralela que tem um pouco de lama e preferimos passar por ela porque a estrada no geral está muito seca.

A cachoeira do Urubu e cachoeira do Convento são no mesmo rio, sendo a queda da cachoeira do Convento antes da cachoeira do Urubu. Esse rio é tido como impróprio para banho. O mesmo cruza grandes cidades e recebe parte do esgoto delas (São Caetano, Caruaru, Bezerros, Gravatá...). De repente no período chuvoso a água pode ficar limpa pelo volume adicional. Pergunte/pesquise antes de se molhar.

O "Rio raso" não tem obrigação de atravessar, mas o fundo é firme e não atola.

No "Barranco" é um trecho de canavial, no dia não tinha cana plantada. Desvie se tiver plantação, não atropele. Esse balão no track foi só para subir e brincar nesse barranco.

Na travessia do "Córrego com Barranco" os troller conseguiram subir, mas o barranco estava seco, se estiver molhado talvez não seja possível passar, teria que um carro do outro lado puxar com guincho. Leva-se uns 3,2km para se fazer um desvio pela esquerda (mapa de satélite aqui é importante também para ajudar ou perguntando aos transeuntes).

No "rio lamacento" nenhum carro conseguiu atravessar. Um outro carro fez o desvio pela esquerda (apenas 800 metros) e puxou os demais pela frente. Tente atravessar somente se quiser tentar, ciente de que para remover um carro nosso de lá foi preciso de 2 guinchos (depende da posição que o carro ficar enganchado).

Ao chegar no "Atoleiro" tente passar o mais a direita possível. Só na terceira tentativa que o primeiro carro conseguiu passar. Após ficar atolado ele era puxado para trás e tentava novamente. Depois do primeiro passar, os demais conseguiram passar, mas tem que entrar forte.

Na mata de Gurjaú (Mata muito fechada) é bom ter um facão para eventualmente aparar galhos, inevitavelmente vai ter que andar muito devagar por conta disso. Se chover forma atoleiros e tem um deles com o facão muito fundo que a água esconderia sua real profundidade.
Se a subida estiver muito escorregadia, pode desviar pela direita ou pela esquerda, será um contorno em piso plano.
  • Foto de Porteira
Porteira
  • Foto de Rio Gurjaú
  • Foto de Rio Gurjaú
  • Foto de Rio Gurjaú
  • Foto de Rio Gurjaú
Acessamos o rio por dentro do Engenho Gurjaú de Baixo. Não há necessidade de entrar no rio, seria apenas uma passagem pela propriedade, mas o pessoal resolver brincar por aqui.
  • Foto de Porteira
Porteira
  • Foto de Açude
Açude
  • Foto de Pedra da Pimenta
  • Foto de Pedra da Pimenta
  • Foto de Pedra da Pimenta
Pedra da Pimenta
  • Foto de Porteira
  • Foto de Porteira
Porteira
  • Foto de Mirante
Mirante
  • Foto de Vista da cachoeira
  • Foto de Vista da cachoeira
Vista da cachoeira
  • Foto de Ponte sobre rio Ipojuca
  • Foto de Ponte sobre rio Ipojuca
Ponte sobre rio Ipojuca
  • Foto de Cachoeira do Convento
  • Foto de Cachoeira do Convento
  • Foto de Cachoeira do Convento
Cachoeira do Convento
  • Foto de Rio raso
  • Foto de Rio raso
  • Foto de Rio raso
  • Foto de Rio raso
Não precisa passar por esse rio, mas o pessoal gostou de brincar nele.
  • Foto de Barranco
  • Foto de Barranco
Esse barranco é opcional. Ficamos brincando de subir e descer. No momento não tinha cana plantada, mas quando você passar observe se não há plantação.
  • Foto de Córrego com barranco
  • Foto de Córrego com barranco
  • Foto de Córrego com barranco
  • Foto de Córrego com barranco
Córrego com barranco
  • Foto de Rio lamacento
  • Foto de Rio lamacento
  • Foto de Rio lamacento
  • Foto de Rio lamacento
Aqui nenhum carro conseguiu passar, todos foram puxados pela frente. Um Troller entrou enviezado e precisamos de 2 guinchos para puxá-lo com segurança.
  • Foto de Atoleiro
  • Foto de Atoleiro
  • Foto de Atoleiro
  • Foto de Atoleiro
Esse atoleiro não é tão difícil, mas tem que passar bem pela direita. Pela esquerda fica bem íngreme e fundo.

5 comentários

  • Foto de Sérgio Cunha (Turma do Pedal - PE.)

    Sérgio Cunha (Turma do Pedal - PE.) 14/fev/2017

    meu amigo! que aventura.rsrsrs parabens!!

  • Foto de QUAD CLUB - Leonardo Lamartine

    QUAD CLUB - Leonardo Lamartine 14/fev/2017

    Amigo, almoçou no Moquem ??

  • Foto de Lagatixa

    Lagatixa 15/fev/2017

    Leo, o progresso foi lento, fomos reconhecendo o caminho, chegamos lá na cachoeira por volta das 16:00, por isso não almoçamos, mas conhecemos o responsável e conversamos com ele. Ainda tinha metade do caminho para voltar, fizemos um lanche rápido e aceleramos.

  • Foto de filenojunior

    filenojunior 27/fev/2017

    GOSTEI DA TRILHA,GOSTARIA DE SABER COMO FAÇO PRA PARTICIPAR DA BRINCADEIRA?
    ME FEZ LEMBRAR DA SERRA DO SOL EM 2015(VENEZUELA)JÁ PARTICIPEI DE 3 TAC COM SÉRGIO HOLANDA E ESTOU APRONTANDO UM HILUX SRV 2014 PRA COLOCAR NA TRILHA.ACHEI O GRUPO BEM ORGANIZADO E JÁ FAZ TEMPO QUE PROCURO UM PESSOAL PRA FICAR FAZENDO TRILHAS EM PERNAMBUCO.
    FILENI JR.CEL WHATSAPP 81-99661-1171.

  • Foto de Turma do Quadriciclo

    Turma do Quadriciclo 14/fev/2018

    Que resenha maravilhosa meu amigo!!! parabéns! Essa trilha é boa para fazer de quadriciclo ou pega muito estradão? Tenho casa em Primavera e pretendo fazer essa trilha até a Vitarella.

You can or this trail