• Foto de Viagem Do século 22/03/2019
  • Foto de Viagem Do século 22/03/2019
  • Foto de Viagem Do século 22/03/2019

Horas  13 horas 18 minutos

Coordenadas 11500

Uploaded 20 de Setembro de 2019

Recorded Março 2019

-
-
356 m
191 m
0
75
150
300,41 km

Visualizado 4 vezes, baixado 0 vezes

próximo a El Calafate, Santa Cruz (Argentina)

Não tinha como dormir até tarde. Umas 7h começou o movimento de veículos na pista e toda vez que passava um ônibus a ponte tremia, ainda estava frio, mas era hora de levantar. Tomei café da manhã, arrumei as coisas e peguei a pista sentido El Calafate. Caminho bonito, margeando um lago de azul turquesa intenso. Cheguei no parque nacional Los glaciares as 9:30. A entrada é 700 pesos, achei bem caro. Dali até o glaciar são 14km de estrada sinuosa muito gostosa de dirigir. Depois de uns km, do lado esquerdo já é possível ver um pedaço da face sul do glaciar.
Chegando no final da estrada, tem um estacionamento. Parei a moto ali, me troquei e fui atrás de informações. No mapa mostra onde é possível andar que são basicamente as passarelas de ferro e madeira divididas em 3 setores.
Como eu queria gastar bastante tempo ali, andei tudo onde podia. Tirei milhares de fotos. O glaciar é impressionante. Altura vai de 40m a 70m. E está sempre estralando, ruídos são fortes e ecoam pelas montanhas ao redor. É uma força enorme e está sempre em movimento. O gelo se forma na alta montanha e vai sendo empurrado vale abaixo. Vi vários pedaços de gelo se desprenderem e cair na água. Quando o bloco de gelo se quebra faz um barulho que chega a assustar, aí cai em câmera lenta até bater na água, onde afunda e depois de um tempo emerge. Vale a pena ficar ali umas horas pra ver isso acontecer. O glaciar é dividido em dois lagos o norte e o sul. Cada um com seu lago separado. Mas o lago é sul não tem saída e a única vazão é um "pequeno" vão que é chamado de estreito da ilha de Magalhães que volta e meia é fechado quando o glaciar encosta na ilha. Então os dois lagos ficam isolados e o nível da água do lago sul acaba ficando mais alto do que o lago norte. Com o tempo a força da água derrete e quebra essa barreira de gelo e os lagos se equalizam novamente. Esse é um ciclo que está sempre acontecendo. E o glaciar está maior nesse último século. Quando foi descoberto em meados de 1900, estava muito mais recuado. O lugar é incrível e merece ser visitado, mas o tempo estava fechado e chuviscando então não dava pra ficar ali pra sempre, depois de umas horas ali parado o frio começava a incomodar e as mãos tremiam.
Muitas fotos depois saí do parque e pensei em ir pra El Chalten. Passei por El Calafate novamente e comprei mais hambúrguer no mercado. Na saída, tinha uma moto estacionada do lado da minha. O dono era Pedro um português muito gente boa. Ficamos conversando por uma hora quase, trocando dicas e falando das aventuras nas viagens. Ele me mostrou uma foto da moto dele depois de tentar passar por um trecho da ruta 40, mais ao norte, roda traseira travada de tanta lama. Ele disse que isso foi logo acima de Três Lagos. A mocinha da área azul apareceu e tivemos que sair dali. Se não fosse por isso, teríamos ficado horas e horas conversando. Nos despedimos, passei num posto pra abastecer e peguei estrada rumo norte na ruta 40, chuviscando o tempo todo a paisagem estava toda encoberta pelas nuvens. No cruzamento que vai para El Chalten, conversei com um cara que desceu de busão ali e me disse que com tempo fechado ali não é tão legal. Desanimei de conhecer o lugar e resolvi continuar rumando norte pois ainda era 17:30. O cara me disse que o próximo trecho da ruta 40 fica fechada pra motos quando chove. Péssima notícia... Falou pra perguntar no posto policial da próxima cidade, Três Lagos, que ficava a uns 30km dali. Fiz isso e realmente a estrada estava fechada, barro liso e grudento. Uma coisa que aprendi é que big trail não se dá bem com lama, então nem tentei passar, procurei um camping pela cidadezinha. O único que tinha era 200 pesos, com Wi-Fi e banho quente. O último banho foi no hostel quando cheguei em Ushuaia. Então tá valendo. Paguei e fui pra área de camping montar a barraca. Lugar bacana com bastante árvore. Escolhido um lugar que dava pra amarrar a loninha, como o tempo estava fechado, poderia chover durante a noite.
Fui tomar um banho, mas pra conseguir água quente era preciso resolver um enigma. A combinação que deu certo foi abrir a torneira quente do chuveiro, ir pra pia e abrir a torneira fria, fechar a torneira da pia e a água do chuveiro começava a esquentar. Acho que deve ser por causa da bomba de água, vai saber. Importante é que foi um banho muito bom.
De volta ao acampamento, descobri que ali tem gato e ele resolveu passear dentro de da minha barraca. Os pezinhos dele, sujos de barro, ficaram marcados por todo lugar. Difícil de limpar... Fiz janta, dois hambúrgueres e macarrão com suco de limão.
Hambúrguer queimou um pouco, mas ficou muito bom. Comi muito bem. Abri um pacote de bolacha e comi umas de sobremesa. Tudo pronto pra dormir.

Comentários

    You can or this trail