← Parte de Viagem do Seculo parte 2

 
Baixar

Distância

637,76 km

Desnível positivo

681 m

Dificuldade técnica

Moderada

Desnível negativo

463 m

Elevação máx

225 m

Trailrank

26

Elevação min

0 m

Tipo de trilha

Mão Única
  • Foto de Viagem Do século 13/03/2019
  • Foto de Viagem Do século 13/03/2019

Hora

11 horas um minuto

Coordenadas

23853

Enviada em

19 de setembro de 2019

Registrada em

março 2019

Crie suas Listas de Trilhas

Organize as trilhas que você curte em listas e compartilhe-as com seus amigos.

Obtenha o Wikiloc Premium Atualização para remover Anúncios
Crie suas Listas de Trilhas Crie suas Listas de Trilhas
Compartilhar
-
-
225 m
0 m
637,76 km

Visualizado 33 vezes, baixado 0 vezes

perto de Colonia Delta, Entre Ríos (Argentina)

13/03
No meio da noite acordei com as costas gelada e doendo, impossível dormir sem arrumar o colchão. Comecei a procurar o furo olhei cada centímetro quadrado e encontrei. Pelo jeito, deve ter sido o zíper da calça que cortou no dia que dormi no Posto policial. Peguei o remendo e colei, fiquei feliz por conseguir arrumar o problema. Sem esse isolante térmico é impossível dormir na patagônia. Teria que comprar outro em Buenos Aires. Enchi o colchão e voltei de dormir. Uma hora depois acordo com o colchão murcho de novo... Deve ter outro furo.... Mas a essa hora não iria procurar, fica pra amanhã. Cedinho deu uma chuva leve suficiente pra molhar toda a barraca. Resolvi ficar mais um tempo dentro esperando secar, mas o céu estava muito nublado e não adiantou nada. Enquanto esperava, procurei o furo do colchão, joguei água e fui olhando, sem sucesso. O jeito era mergulhar o colchão na água e procurar. Por sorte aquela região era um grande alagadiço parecia o pantanal. Depois de ajeitar as coisas, escovar os dentes e pegar a estrada, andei uns km até encontrar uma área boa. Parei a moto na beira da pista peguei o colchão e fui lá na água. Encontrei o furo, bem numa emenda. Marquei com uma fita e voltei pra estrada. A noite esse furo não vai escapar. Fui seguindo as placas até Buenos Aires. Lá comprei um chip de celular e almocei em um Mc Donald. Mandei msg pra família e fui pra estrada de novo. O trânsito estava bem pesado, não via a hora de sair dali. Não que seja uma cidade feia, mas eu não estava ali pra ver prédio. Quero ver as montanhas, lagos e a imensidão do deserto que está lá no sul. Essa parte da Argentina é muito monótona, apenas planície e estradas retas como uma flecha.

Dá sono, ainda mais por não ter dormido direto. Abasteci 2x e enchi o tanque reserva. Comprei um remendo de pneu e a noite vou arrumar o colchão. Por Essas bandas é difícil encontrar lugar pra acampar. Cercas e porteiras por todo lado. Deu 6 e meia e nada de achar um bom lugar. Entrei em uma estrada de terra, uma das poucas que encontrei. Andei uns km e achei uma porteira aberta. Entrei com a moto e explorei o lugar. Parecia muito bom. Mas tinha sinal de movimento recente e a porteira estava aberta porque esqueceram de trancar ou iriam voltar ali mais tarde, o cadeado e a corrente estavam ali pendurados. Se eu me escondo e trancam, nunca mais saio dali. Resolvi continuar procurando. Andei mais uns km e nada. Impressionante como tudo aqui é cercado e trancado. Mercado de cadeado e corrente deve ser aquecido por essas bandas. O de arame então, nem se fala. Passei em frente a uma fazenda e no campo do outro lado da estrada havia um homem parado esperando umas máquinas. Perguntei se poderia acampar em algum lugar ali, ele disse que o encarregado já iria chegar, mas não haveria problema algum. Conversamos uns minutos até que o encarregado chegou, e ele disse que poderia acampar sem problemas e que ali era bem tranquilo. Conversamos um pouco e o sol foi se pondo.
Me despedi e fui arrumar as coisas. Fiz um macarrão, que ficou muito bom e agora vou arrumar o colchão. Tomara que dê certo. Pois está esfriando e vou precisar dele.

Comentários

    Você pode ou esta trilha