Tempo em movimento  7 horas

Horas  10 horas 9 minutos

Coordenadas 19296

Uploaded 24 de Agosto de 2019

Recorded Agosto 2019

-
-
910 m
34 m
0
77
154
307,9 km

Visualizado 69 vezes, baixado 3 vezes

próximo a Caldas, Viana do Castelo (Portugal)

Esta estrada portuguesa é o “nirvana” das “melhores estradas da Europa para conduzir”, diz a Ford, “Superfície perfeita”, “curvas bem ritmadas” e “vistas incríveis”. A Ford anda a experimentar estradas europeias e, até agora, é a Nacional 304 que tem a pontuação máxima nesta campanha publicitária.
EN 304, projeto da antiga EP agora IP prevê passar, a Estrada Património.
A estrada que liga Vila Real a Mondim de Basto poderá ser classificada como Estrada Património. Ao todo são cerca de 48 quilómetros traçados em vale e montanhas (Alvão), com uma grande beleza panorâmica e que atravessa o vale da Campeã e o Alto do Velão, passa ainda ao lado de Ermelo e de outras aldeias dos concelhos de Vila Real e Mondim de Basto.
De referir que, o objetivo deste projeto visa valorizar a estrada como atracão turística e, ao mesmo tempo, preservar a sua identidade, que ao longo dos últimos anos foi esquecida, mercê de outras alternativas rodoviárias mais cómodas e mais rápidas.
O projeto inicial era ligar Monção a santa Marta de Penaguião mas o projeto nunca viu concluido aquilo que se esboçou no papel. Contudo foram iniciadasd 5 freste de obra onde ainda hoje se podem identificar os marco kilometrico como é o caso dos PK37 ao PK49 no Soajo.
EN304 - Monção  Santa Marta de Penaguião

1 - Monção  Sistelo
2 – Sistelo  Covide (entre Porta do Mezio e Soajo existem marcos do PK37 até ao PK49 referentes à N304)
3 - Covide  Rossas
4 – Rossas  Gandarela
5 - Gandarela  Campeã
6 – Campeã  Fornelos
7 - Fornelos  Santa Marta Penaguião
MONÇÃO - Cidade fortificada na margem do Rio Minho, o seu nome suevo Orosion foi traduzido para latim como Mons Sanctus que evoluiu para o português Monção. Em 1291, o rei português D. Afonso III deu-lhe carta de foral e, em 1306, D. Dinis mandou construir o velho castelo defensivo, cujas muralhas ainda acolhem os visitantes. Debruçada sobre o rio Minho, com os seus aprazíveis terraços e miradouros, como a esplanada dos Neris, ninguém diria que foi palco de ferozes combates travados noutros tempos entre os reinos de Portugal e Castela. As muralhas seiscentistas guardam o centro histórico. Nos arredores, o nobre Palácio da Brejoeira, onde se produz o famoso vinho verde Alvarinho. In"https://www.visitportugal.com/pt-pt/content/mon%C3%A7%C3%A3o". SANTA MARTA DE PENAGUIÃO - Situa-se no Interior Norte de Portugal. O seu território encontra-se encravado entre os concelhos de Vila Real a norte e parte a nascente, o de Peso da Régua também a nascente e a sul, a grandiosa cordilheira do Marão a poente, em cuja cumeada limita com os concelhos de Baião e Amarante. Histórica e justamente considerada como “uma das mais belas porções do Paiz Vinhateiro” (2º Visconde de Villa Maior em 1865), Santa Marta de Penaguião afirma-se hoje como parte integrante e caraterística do Alto Douro, Região Património Mundial, que, no dizer de Miguel Torga, é a “única evidência incomensurável com que podemos assombrar o mundo”. In"https://www.cm-smpenaguiao.pt/municipio/"
O espigueiro, também chamado canastro, caniço ou hôrreo, é uma estrutura normalmente de pedra e madeira, existindo no entanto alguns inteiramente de pedra, com a função de secar o milho grosso através das fissuras laterais, e ao mesmo tempo impedir a destruição do mesmo por roedores através da elevação deste. Como o milho requer que seja colhido no Outono, este precisa de estar o mais arejado possível para secar numa estação tão adversa como o Inverno. No território de Portugal Continental, encontram-se principalmente a Norte, em particular nas regiões do Minho, Beira Litoral, Beira Interior e Oeste de Trás-os-Montes. O maior espigueiro de Portugal encontra-se na aldeia de Carrazedo (freguesia de Bucos), no município de Cabeceiras de Basto. Na Galiza, em Espanha, existem espigueiros idênticos aos que existem em Portugal. Também há estruturas semelhantes nas regiões espanholas de Navarra, Astúrias, Cantábria e na província de León, onde recebem o nome de hórreo. Também existem construções muito semelhantes na Escandinávia, em especial na Noruega, onde são chamados stabbur e na Suécia, chamados härbre. In"https://pt.wikipedia.org/wiki/Espigueiro"
O "Tibete" português
A aldeia de Sistelo situa-se no concelho de Arcos de Valdevez, em pleno Parque Nacional da Peneda-Gêres, junto à nascente do rio Vez. Famosa pelas suas paisagens em socalcos, onde se cultiva o milho e pasta o gado, a aldeia encontra-se muito bem preservada, tendo sido recuperadas as casas típicas de granito, os espigueiros e os lavadouros públicos. In"http://www.aldeiasportugal.pt/sobre/4/#.XWZbES5KjmE"
O Castelo de Sistelo, ex-líbris da aldeia, merece uma cuidadosa visita: trata-se de um palácio de finais do século XIX onde viveu o Visconde de Sistelo. Deambule pelas ruelas de Sistelo e aprecie a Igreja Paroquial, a Casa do Visconde de Sistelo, a Ponte Romana e o Moinho, a ponte de Sistelo de jusante, a Ermida de Nossa Senhora dos Aflitos e as Capelas de Santo António, de São João Evangelista, da Senhora dos Remédios e da Senhora do Carmo. In"http://www.aldeiasportugal.pt/sobre/4/#.XWZbES5KjmE"
Não deixe de subir ao miradouro do Chã da Armada para admirar a magnífica vista panorâmica! Se é apreciador de caminhadas na natureza, percorra o Trilho das Brandas de Sistelo (10 km), que tem início na aldeia, e fique a conhecer as brandas de Rio Covo, em Sistelo, do Alhal, no Padrão, e da Cerradinha, terrenos que, durante o verão, serviam de apoio à pastorícia. O artesanato característico da aldeia é composto pelas meias redondas de lã e pelos aventais de lã. Aproveite e traga algumas peças de recordação! In"http://www.aldeiasportugal.pt/sobre/4/#.XWZbES5KjmE"
Ponte Medieval
O mais conhecido destes exemplares será, sem dúvida, o "Dolmen do Mezio" (ou "Anta do Mezio"), precisamente pelo facto de, a par dos vestígios da primitiva mamoa, exibir ainda os elementos constituintes da estrutura primordial que lhe subjazia, nomeadamente da câmara sepulcral, tal como sucede, ademais, nas outras duas antas que integram o mesmo núcleo. De planta poligonal irregular, a câmara do "Dolmen de Mezio" ainda preserva a laje de cobertura - ou "chapéu" - e o correspondente corredor, voltado a Nascente. As intervenções arqueológicas conduzidas no local nos últimos anos permitiram recolher um número considerável de material bastante representativo desta realidade funerária das comunidades neo-calcolíticas da região. Entre os artefactos exumados, abundam particularmente as pontas de seta e uma ponta de lança em sílex, para além de múltiplos fragmentos de cerâmica. In""http://www.patrimoniocultural.gov.pt/pt/patrimonio/patrimonio-imovel/pesquisa-do-patrimonio/classificado-ou-em-vias-de-classificacao/geral/view/71222/
Parque Nacional Peneda Gerês
Parque Nacional Peneda Gerês
Perdido na Vegetação
O Soajo, uma das mais típicas aldeias portuguesas, pertence ao concelho de Arcos de Valdevez e situa-se numa das vertentes da serra da Peneda, inserida no Parque Nacional da Peneda-Gerês. A aldeia foi vila e sede de concelho entre 1514 e meados do século XIX mas, a sua história, começa muito antes, como o comprovam o Santuário Rupestre do Gião, na serra do Soajo, e as inúmeras antas e mamoas que existem nesta zona. in"http://www.aldeiasportugal.pt/sobre/2/#.XWP-FeNKjmE"
Possui um grandioso conjunto de espigueiros (classificados como imóvel de interesse público) erigidos sobre uma gigantesca laje granítica e que, ainda hoje, são utilizados para secar o milho, pelas gentes da terra. Enquanto caminha pelas ruas pavimentadas com lajes de granito repare nas casas típicas construídas no mesmo material. In"http://www.aldeiasportugal.pt/sobre/2/#.XWP-FeNKjmE"
Aprecie a Casa da Câmara, a Casa do Enes, a Igreja Paroquial de São Martinho do Soajo, o moinho em ruínas e o pelourinho. In"http://www.aldeiasportugal.pt/sobre/2/#.XWP-FeNKjmE"
Atente na calçada medieval que proporciona uma vista panorâmica da aldeia. As inúmeras casas de turismo aqui existentes nasceram da recuperação de edifícios antigos. São espaços muito bem restaurados que mantiveram a traça tradicional e que proporcionam estadias confortáveis em pleno Parque da Peneda-Gerês. In"http://www.aldeiasportugal.pt/sobre/2/#.XWP-FeNKjmE"
São espaços muito bem restaurados que mantiveram a traça tradicional e que proporcionam estadias confortáveis em pleno Parque da Peneda-Gerês. In"http://www.aldeiasportugal.pt/sobre/2/#.XWP-FeNKjmE"
Incrustada na serra Amarela, Germil é uma típica aldeia de montanha situada em pleno Parque Nacional Peneda-Gerês, que conserva o ambiente rural e a vivência comunitária de outros tempos. Concentrada em dois aglomerados de casas típicas de granito, com portas e janelas de um castanho avermelhado, Germil possui ruas estreitas (cobertas por vinhas), calçadas em pedra e água que jorra de todos os cantos. É quase obrigatório percorrê-la a pé! In"http://www.aldeiasportugal.pt/sobre/6/#.XWP_y-NKjmE"
Na aldeia destacam-se uma velha azenha, a igreja datada de 1880 e alguns espigueiros em granito. Observe com atenção um relógio de sol que sobressai no topo de um deles, memória de outros tempos. Fique alojado numa das unidades de turismo rural desta aldeia e desfrute do contacto com a natureza! Germil é o local ideal para descansar, usufruir de agradáveis momentos de reflexão e dar asas à sua veia de explorador da montanha. Nas proximidades da aldeia, descubra o Fojo do Lobo, que se estende ao longo de 1400 metros, na margem poente do vale do rio Germil. Na mesma estrada, em direção à aldeia, avistará algumas silhas, construções circulares em pedra que, noutros tempos, serviam de proteção das colmeias contra os ataques dos ursos. In"http://www.aldeiasportugal.pt/sobre/6/#.XWP_y-NKjmE"
Delicie-se com os sabores típicos da aldeia: chanfana de cabra à moda de Germil, queijo e mel. A cestaria (tradicional e de junco), as peças em linho e lã, a tamancaria e os bordados constituem as atividades artesanais típicas da aldeia de Germil. In"http://www.aldeiasportugal.pt/sobre/6/#.XWP_y-NKjmE"
Vilarinho da Furna era uma das últimas e mais típicas aldeias comunitárias da Europa. Até que a construção de uma barragem, que dá pelo nome da antiga aldeia, pôs termo à sua existência, no princípio dos anos setenta. E os seus moradores foram, então, dispersos pelas mais variadas paragens dos concelhos de Braga, Viana do Castelo, Ponte da Barca, Barcelos, Vieira do Minho, Terras de Bouro, etc., etc., onde refizeram as suas vidas, nas mais adversas circunstâncias. In"http://terrasbouro.blogspot.com/2010/04/afurna-associacao-dos-antigos.html"
Vilarinho da Furna "é" uma aldeia comunitária situada no sopé da Serra Amarela, em pleno Parque Nacional da Peneda-Gerês. A aldeia ainda existe, contudo submersa pelas águas do Rio Homem, que a submergiu em 1971, pela albufeira da barragem de Vilarinho das Furnas. Existe e é uma aldeia fantasma quando em pequenos períodos surge para se afirmar durante uma ou outra seca.
A barragem Vilarinho das Furnas está localizada no concelho de Terras de Bouro, alimentada pelo rio Homem. Foi inaugurada em 21 de Maio de 1972, com uma altura de 94 m, situa-se na bacia hidrográfica do rio Cávado. Foi, principalmente, com a CPE/EDP que se vulgarizou a designação Vilarinho das Furnas, quando deve ser Vilarinho da Furna. Tem um volume de 294 000, uma capacidade máxima de descarga de 280 m³/s, uma capacidade de 118 hm3 situada numa área de 346 hectares. É uma barragem com 385 m de coroamento e é do tipo arco. In"https://pt.wikipedia.org/wiki/Barragem_de_Vilarinho_das_Furnas"
Encurralado entre as franjas rendilhadas do Gerês – local da mais próspera e faustosa fauna e flora em Portugal – e inundado pelas águas abundantes da Caniçada, ergue-se um dos maiores fenómenos religiosos de Portugal. O santuário de S. Bento da Porta Aberta é o segundo maior santuário português e atrai anualmente centenas de milhares de peregrinos. Depois de Fátima, lidera as estatísticas, mesmo não gozando de uma situação geográfica favorável, nem ser beneficiado por grandes vias de comunicação. Plantado no coração do Minho, é lugar preferencial de culto ao fundador dos beneditinos. In"https://www.sbento.pt/pt/hp/santuario/"
A transcendente albufeira da Caniçada, que tem a sua origem na barragem com o mesmo nome, é formada pela bacia hidrográfica do Rio Cávado. Em peregrinação a São Bento da Porta Aberta, ou simplesmente em passeio até à Vila do Gerês, a albufeira com a sua maravilhosa vista paisagística acaba também por oferecer ao visitante todas as condições desportivas aquáticas. Banhos, todos os desportos relacionados com água, uma marina de Rio Caldo que permite o estacionamento de barcos de recreio. Inclusivamente, a embarcação do Rio Caldo permite uma viagem por toda a albufeira de caráter turístico/ambiental, dando a conhecer toda a paisagem circundante. In"https://www.visitarportugal.pt/d-braga/c-terras-bouro/rio-caldo/albufeira-canicada"
A freguesia de Rossas situa-se a 11 Km SSE da sede do concelho. A freguesia já era mencionada em documentos de 1014 e em documentos de 1195 a cerca de um mosteiro que ali existia. As Inquirições de 1220 incluem-na na Terra de Lanhoso. Parte da sua área era couto. Teve foral manuelino concedido a 23 de Outubro de 1514. In"http://vieiraminhoturismo.com/project/freguesia-rossas/"
Sede de concelho, que veio a ser extinto em 1836. Do seu passado falam ainda o pelourinho, classificado como monumento nacional, e alguns restos de velhos solares. Em 1839 aparece no concelho de Guimarães e em 1852 no de Vieira do Minho. Foi abadia da apresentação dos Abreus, senhores de Regalados cabeça do antigo concelho de Rossas, cuja sede era Celeirô. Os documentos antigos relativos a esta freguesia não autorizam a grafia “Rossas”. In"http://vieiraminhoturismo.com/project/freguesia-rossas/"
Aboim é uma freguesia do concelho de Fafe com cerca de 400 habitantes, a freguesia mais assente a norte do concelho. Esta pertenceu ao concelho de Cabeceiras de Basto até 1853, altura em que foi incorporada no município fafense. Aboim é hoje uma rota turístiva no nosso concelho, podendo ao longo dos seus dois percursos pedestres de pequena rota (PR), à descoberta de Aboim e Caminhos de S. João da Ramalheira, observar o património rural das aldeias das terras altas e das cinco serras envolventes: o Marão, o Gerês, a Cabreira, a Serra de Agra e o Maroiço. In"http://www.cm-fafe.pt/conteudo?item=31304"
A Aldeia de Aboim tem um moinho de vento, em tempos em ruínas, do século XVIII, com características únicas. A Junta de freguesia, com o apoio da Câmara Municipal de Fafe e do projecto LEADER, resolveu recuperá-lo com materiais e técnicas tradicionais. Após um ano de trabalho da empresa Etnoideia (Investigação, projecção e reconstrução) e graças ao envolvimento comunitário foi possível recolher todas as suas memórias. Em 2007, o moinho passou a integrar a Rede Portuguesa de Moinhos e a Sociedade Internacional de Molinologia. A freguesia, no sentido de complementar a temática usos e costumes da aldeia, decidiu criar o Centro Interpretativo - Aldeia Pedagógica da Montanha e do Centeio, instalado na antiga escola primária de Aboim. O espaço interactivo, com multivalências, reúne 'mini exploratórios e atelieres' onde é possível aprender, reviver e recordar. In"http://www.cm-fafe.pt/conteudo?item=31304"
A aldeia de Bastelo, localizada no declive de uma serra, é o mais típico núcleo rural de montanha do concelho de Fafe, um verdadeiro museu ao ar livre. In"https://www.allaboutportugal.pt/pt/fafe/aldeias/bastelo" Várzea Cova é uma das mais distantes e características freguesias do concelho de Fafe. Nela, podemos observar vestígios de edificações pré-históricas e lugares com denominações que indiciam povoamento em eras muito remotas. Possui terrenos férteis, irrigados por diversos riachos subsidiários do rio Vizela, e grandes quintas. A sua atividade económica predominante é a agricultura de subsistência. Em tempos, a grande produção agrícola desta terra foi o milho. O elevado número de espigueiros existentes junto às casas típicas de lavoura desta localidade são exemplos da importância que esta cultura teve para estas gentes. É em Várzea Cova que está situada uma das mais belas construções naturais, a Casa do Penedo. A sua construção foi iniciada em 1972 e durou cerca de dois anos, tratando-se de uma residência rural, utilizada pelos seus proprietários como destino de férias. Integra-se completamente na sua paisagem rural envolvente. A sua construção é inteiramente feita em rocha, à exceção das portas, janelas e telhado. In"http://www.cm-fafe.pt/conteudo?item=31142"
Basta ver o entusiasmo das pessoas para perceber que é aqui que o coração do Rali bate, ainda que a logística ou os patrocínios possam estar noutros lados. E é de entusiasmo que se está a falar, de facto. Durante a noite já o troço estava orlado de fogueiras e tendas como nos velhos tempos em Arganil ou, mais recentemente, nas 24 Horas TT de Fronteira. Há gente por tudo quanto é sítio mesmo que muitos tenham deixado os carros a 4 km ou mais, seja em Moreira de Rei, seja em Várzea Cova. Recorre-se a todos os truques: geleiras com rodas, cadeiras de campismo, lonas presas nas árvores, andaimes para ver melhor. In"https://expresso.pt/desporto/o-coracao-do-rali-de-portugal=f863201"
Mondim de Basto é uma bonita vila do Norte de Portugal, sede de município, situada na fronteira entre o Minho e Trás-os-Montes, na margem esquerda do Rio Tâmega, na encosta do verdejante Monte Farinha, encimada pelo bonito Santuário da Senhora da Graça. Todo o concelho de Mondim de Basto está localizado num zona de grande beleza natural, por entre montes e paisagens idílicas que parecem perdidas no tempo, como no Parque Natural do Alvão. In"https://www.guiadacidade.pt/pt/concelho-mondim-de-basto-05-17"
As origens de Mondim de Basto são muito antigas, sabendo-se que aqui habitaram civilizações castrejas (no Monte Farinha existem vestígios de três diferentes Castros), sendo conquistada no século II a.C. pelos Romanos, não existindo certezas de ocupação de outros povos. Com o decorrer dos séculos Mondim de Basto manteve a sua feição rural e agrícola que ainda a caracteriza, com monumentos como a românica Igreja Matriz, tendo sofrido algumas alterações ao longo dos séculos, ou as capelas do Senhor, de Nossa Senhora da Piedade, da Senhora da Ponte e de S. Sebastião, bem como diversas “alminhas” espalhadas pela região, que demonstram o ancestral fervor religioso destas paragens. De destacar, igualmente é a medieval Ponte de Vilar de Viando, provavelmente reconstruída de uma outra ponte romana. In"https://www.guiadacidade.pt/pt/concelho-mondim-de-basto-05-17"
Por toda a região encontram-se diversos solares, casas senhoriais e pequenos palacetes, que atestam a importância económica, devido aos férteis solos, da zona, como é o caso da Casa do Eirô, do século XVIII ou o Solar dos Azevedos do século VII. Local de tradição, existem em Mondim de Basto dois centros de Artesanato, sendo os principais produtos a tecelagem em linho, tapetes e mantas, tanoaria e cestaria. In"https://www.guiadacidade.pt/pt/concelho-mondim-de-basto-05-17"
O Parque Natural do Alvão (PNAl) situa-se na zona de transição entre o Minho e Trás-os-Montes em territórios pertencentes aos concelhos de Mondim de Basto e Vila Real. As Fisgas de Ermelo constituem uma das paisagens geomorfologicamente mais interessantes do Parque. In"http://www2.icnf.pt/portal/ap/p-nat/pnal"
No rio Olo, rico em trutas, pode ainda encontrar-se a lontra Lutra lutra. Em toda esta região a avifauna é abundante e diversificada, incluindo, nomedamente a águia-real, a qual ainda recentemente ali nidificava. Entre os mamíferos estão presentes, entre outros, o javali Sus scrofa, o corço Capreolus capreolus, o texugo Meles meles, a lebre Lepus granatensis e o coelho Oryctolagus cuniculus. Entre os répteis pode encontrar-se o sardão ou lagarto-de-água Lacerta schreiberi e a víbora cornuda Vipera latastei. A flora e a vegetação são também ricas e diversificadas. Não menos notável é a arquitetura tradicional de alguns dos seus povoados, sobretudo em Ermelo e Lamas de Olo, com uma arquitetura serrana própria e aspetos sociológicos, artesanais e paisagísticos de grande interesse, sem esquecer Fervença, com a sua zona agrária verdejante e formosa, disposta numa sucessão de socalcos. In"http://www2.icnf.pt/portal/ap/p-nat/pnal/class-carac"
As Fisgas do Ermelo constituem uma das paisagens geomorfologicamente mais interessantes do Parque Natural. Neste local, uma imponente barreira quartzítica obriga o rio Olo a correr enfisgado e origina um desnível de cerca de três centenas de metros por onde o mesmo se precipita formando uma atraente queda de água. O retalhado das falhas, a grandeza do desnível e o tom amarelado das rochas, fruto da presença de líquenes amarelos, conferem ao conjunto um poder e atração evidentes. In"http://www2.icnf.pt/portal/ap/p-nat/pnal/class-carac"
Rasgando o Parque Natural do Alvão, a N304 serpenteia e há quem diga que se trata de um verdadeiro… Paraíso da condução! Posso atestar por que eu fiz o percurso todo desde Monção até Santa Marta de Penaguião: 1 – Monção --> Sistelo (N304) 2 – Sistelo --> Covide (entre Porta do Mezio e Soajo existem marcos do PK37 até ao PK49 referentes à N304) 3 – Covide --> Rossas (N304) 4 – Rossas --> Gandarela (Ligação) 5 – Gandarela --> Campeã (N304) 6 – Campeã --> Fornelos (Ligação) 7 – Fornelos --> Santa Marta Penaguião (N304)

Comentários

    You can or this trail