Horas  5 horas 53 minutos

Coordenadas 1283

Uploaded 24 de Abril de 2017

Recorded Abril 2017

  • Rating

     
  • Information

     
  • Easy to follow

     
  • Scenery

     
-
-
2.617 m
1.842 m
0
2,2
4,3
8,65 km

Visualizado 1093 vezes, baixado 11 vezes

próximo a Fuente Dé, Cantabria (España)

FOTOS DESTA E DE OUTRAS TRILHAS EM ”CAMINHANTES"

EL CABLE - PEÑA VIEJA - CABANA VERÓNICA

Voltamos aos Picos da Europa, desta vez ao Maciço Central ou “Macizo de Los Urrielles” na Cantábria, com o objetivo de fazer ascensão ao cume de Peña Vieja (2613m) e do Pico Tesorero (2570m) com pernoita no pequeno refúgio da Cabana Verónica.

Peña Vieja com os seus 2613m de altitude representa o pico mais alto localizado totalmente dentro do território da Cantábria, é considerada uma das ascensões mais fáceis dos 2600m dos Picos da Europa e também uma das mais populares. Fizemos a ascensão pelo Canal prévio a La Canalona, sendo a via mais usual no inverno.
Começamos o trilho em Fuente Dé, pertencente ao município de Camaleño, onde o seu teleférico vence um desnível de 753m ao longo de um cabo de 1640m de comprimento que nos leva em pouco mais de 3 minutos até à estação superior do teleférico, lugar conhecido por “El Cable”, local propriamente de início desta rota. Saímos por um caminho de terra, rota marcada como PR-PNPE-23, em direção à Horcadina de Covarrobres. Continuando em frente seguiríamos para o Refúgio de Aliva, por isso viramos 90º à esquerda, seguindo o caminho na base das imensas paredes que formam os contrafortes de Peña Olvidada, em direção ao nosso objectivo Peña Vieja. A rota não tem que enganar, do nosso lado esquerdo a bonita imagem das Lagunas de Lloroza, um pouco à frente o caminho bifurca, continuamos pela direita em direção à La Vueltona, começa-se a sentir o desnível que se vai vencendo, aproximadamente aos 2150m, surge um canal que antecede La Canalona, local escolhido para iniciar a aproximação ao Collado de La Canalona e depois a Peña Vieja. Este é o canal recomendado para o inverno como substituto da via clássica. Colocamos crampons, capacete e de piolet na mão iniciamos a subida em neve dura, uns 50 metros acima temos de vencer um primeiro desnível de 60°, depois continua-mos a subida acentuada durante mais uns 100 metros até uma zona menos inclinada onde aproveitamos para descansar um pouco. Agora o canal de La Canalona está a uns 170 metros de desnível que temos de vencer, já na parte final, antes de chegar ao Collado, viramos à direita em direção a um “bloco” rochoso que parece não ter saída, mas tem… frente à rocha rodamos à esquerda e vencemos um último lanço de grande inclinação até ao Collado de La Canalona onde já se avista o objectivo do dia – PEÑA VIEJA. As vistas daqui sobre o maciço oriental são um bom aperitivo do que nos espera no cume de Peña Vieja. Aproveitamos o local para almoçar, uns corvos fizeram-nos companhia e também petiscaram algumas das nossas coisas… Já de estomago aconchegado prosseguimos para a ascensão final de Peña Vieja sem nenhuma dificuldade técnica, só a “pedreira” final requer algum cuidado para evitar resvalar, não existindo um único caminho segue-se por onde nos parece melhor até ao cume. O esforço é recompensado pelas vistas excepcionais dos três maciços dos Picos da Europa, especialmente os principais cumes do central, como Pico Urriellu, Cerredo, Liambrión, Torre Blanca e Tesorero. O dia estava magnífico para desfrutar da beleza natural do momento e depois das fotos da “praxe” o regresso fez-se pelo mesmo caminho até ao ponto de intersecção com a via clássica de verão, aqui seguimos a “senda clássica” em direção à Cabana Verónica, local onde fomos pernoitar. Este singular refúgio encontra-se em pleno coração dos Picos da Europa, entre La Torre ed Horcados Rojos (2503m) e o Pico Tesorero (2570m). Na sua construção foi usada uma das cúpulas de canhão do porta-aviões da armada dos EUA. Este refugio pertence a Federación Cántabra de Deportes de Montaña y Escalada e seu nome se deve em honra de uma das filhas dos seus fundadores.

IMPORTANTE:
Esta atividade requer equipamento técnico específico e alguma experiência em alpinismo para uma ascensão bem sucedida. Ter sempre em consideração as condições meteorológicas do dia, pois em alta montanha as mudanças são rápidas: baixas temperaturas, nevoeiros cerrados, nevões e fortes ventos que acumulam neve em pontos perigosos que podem originar avalanches… Deve-mos ter o máximo de cuidado, sobretudo na época invernal.

2 comentários

  • PicosAlpinos 24/abr/2017

    Uma boa descrição... tentador, mas alpinismo não é para mim!

  • DiogoHiker 1/mai/2017

    I have followed this trail  View more

    Excelente!

You can or this trail