Horas  11 horas 31 minutos

Coordenadas 1586

Uploaded 21 de Outubro de 2012

Recorded Maio 2012

-
-
87 m
-2 m
0
20
41
81,74 km

Visualizado 4226 vezes, baixado 65 vezes

próximo a São João, Faro (Portugal)

|
Mostrar original
Primeiro, para agradecer aos amigos do ANDALBIKE, a inestimável ajuda que me deram, tendo possibilitado que eu roubasse algumas faixas para completar a nossa viagem, e isso me ajudou muito.
Saímos de Lagos confortavelmente ao longo da Ciclovía del Algarve, até chegarmos à foz do rio Alvor, onde tivemos que atravessar um caminho estreito que terminava numa ponte ferroviária, através da qual cruzamos o estuário, com o risco que isso implicava. , e continue no mesmo caminho estreito até chegar ao município de Alvor.
Saímos de Alvor e nos aproximamos das falésias para ver as "três irmaos" incríveis formações rochosas, produto da erosão, aninhadas no meio da Prainha, e continuamos descendo os 3km de caminhos que correm ao longo das falésias, totalmente cicláveis ​​e com vistas espetaculares, até chegar a Punta Joao Arans, com seu abismo espetacular, que nos separava da praia de Vau. Obviamente, aqui nós éramos a braçadeira e o tempo que nós éramos entretidos, nos fez ir todo o pedal para o resto do dia. Mas valeu à pena.
A entrada para Portimão é através do passeio marítimo de Playa de la Rocha, onde paramos no miradouro que o divide em dois, e antes de descermos a Portimão, paramos no forte de Santa Catarina para ver o foz do rio Odelouca, para a cidade de Portimão e para o município de Ferragudo, localizado do outro lado do estuário.
Como referência, pela forma como comemos e fomos tratados (algo habitual em todo o nosso trânsito por Portugal), indico que comemos num restaurante, cujo nome infelizmente não me lembro (era algo como São Francisco) e que ficava junto ao Museu do Mar e as instalações do Partido Socialista de Portugal.
Saímos de Portimão e atravessamos para Ferragudo, onde continuamos com nossa sessão de vistas panorâmicas, embora para isso tivéssemos que sofrer as rampas duras, que no meio da população, nos levaram ao castelo de Arade.
A partir daqui, rola silenciosamente por trilhos, e um caminho para contornar um chalé, e mais pistas e asfalto agrícola que nos obrigou a pedalar mais rápido para que evitássemos um portão, pouco antes de sairmos da estrada de acesso ao Carvoeiro.
Daqui a Alporchinhos o mesmo tônico, apesar de ter que superar um barranco em que o terreno era um pouco complicado, mas sem grandes dificuldades.
O nosso próximo teste de fogo foi na saída de Armação da Pêra, onde tivemos que evitar a foz do Cais do Esgoto, para evitar um desvio considerável e continuar a desfrutar da costa algarvia, agora que o pôr do sol se aproximava . Então, tivemos que caminhar cerca de 800m pela areia e entrar no córrego, tomando cuidado para escolher a parte rasa, pois apesar de estarmos na beira da praia havia um par de pontos onde a água chegava facilmente a cintura e correu com o brio.
Continuamos ao longo da costa e atravessamos a Laguna dos Salgados não foi complicado, graças a várias pontes construídas para dar continuidade à Ciclovía del Algarve (aproveitámos para o fazer), e apreciamos o início do pôr-do-sol e a quantidade de aves que estavam concentradas lá.
De Sesmaría a Albufeira, foi rolado pelo asfalto. Foi impressionante ver como a crise do tijolo também causou estragos nesta área, com muitos prédios semiacabados e até mesmo hotéis de luxo terminados, mas não funcionando (parece algo), e fizemos uma bagunça para chegar à marina. Albufeira, uma vez que a infinidade de obras iniciadas e inacabadas nos fez passear algumas vezes antes de encontrar o caminho certo.
Albufeira é uma bonita aldeia, totalmente branca à beira-mar, e a partir da qual, devido ao tempo que lá estivemos (22:00), não pudemos desfrutar, excepto algumas rampas impressionantes, que felizmente providenciaram por escadas rolantes.
Para complicar mais, ao noturno, foi adicionado agora o rolar por uma estrada que unia vários núcleos de litoral, com a atmosfera que os cerca e com o agravante de ser sábado, abarrotado de trânsito que não poderíamos deixar até passado Olhos de Água , onde felizmente afundamos na escuridão e a tranquilidade de rolar uma pista de terra que nos levaria a Vilamoura, acessando a área da marina, que na época estava borbulhando de atmosfera.
De Vilamoura a Quarteira uma caminhada, contemplando os grandes blocos de alojamento turístico que albergam a área.
No final, colocamos 91km e 915m de desnível no corpo, o que foi ruim no primeiro dia.
20 m
arena playa (700m)
Castelo Arade
26-MAY-12 17:19:53
26-MAY-12 20:37:30
26-MAY-12 20:49:26
pasarela
Playa Prainha
Ponta João Arans
Torrado Bikes
Prainha
26-MAY-12 18:37:53
Xtreme Sports

Comentários

    You can or this trail