Horas  3 dias 6 horas 33 minutos

Coordenadas 6441

Uploaded 3 de Outubro de 2016

Recorded Julho 2016

  • Rating

     
  • Information

     
  • Easy to follow

     
  • Scenery

     
-
-
1.376 m
210 m
0
23
45
90,23 km

Visualizado 3211 vezes, baixado 17 vezes

próximo a Murrí, Departamento de Antioquia (Republic of Colombia)

|
Mostrar original
ROTA DE ROSENE LENTILS GOURMET
Cavalgada La Blanquita (Frontino) - El Sireno (Urrao)
19, 20, 21 e 22 de julho de 2016

A ideia desta fascinante viagem de 90 km a cavalo através do biogeográfico Chocó; nasceu de um circuito que me fez nessa área

http://es.wikiloc.com/wikiloc/view.do?id=14328642

Desde que cheguei no vale de Murri, me apaixonei por este lugar escondido e por isso decidi voltar para atravessá-lo. Antes de rever esta aventura, compartilho alguns dados dessa exótica área habitada por 8 milênios.

Seis horas de distância do município de Frontino, há Murrí. Um corregimiento imerso no Parque Natural Nacional Las Orquídeas ou Reserva Florestal de Caráuta. Deste Parque Frontino tem 65%, Urrao 35% e Abriquí 10%.

Sua riqueza em água é incalculável. Suas águas, cristalinas e abundantes, brotam das bacias dos rios Carauta; Veados, Ruas, Chaquenodá, Jengamecodá, Penderisco, Murrí e muito mais

O ouro é abundante em todos os seus fluxos. A Mina de Lañón, uma das mais famosas, tem sido trabalhada desde os tempos coloniais. Nas entranhas desta região há também alguns depósitos ricos de cobre. Há também a chamada "pedra de afiar" ou "pedra de teca", que só está disponível no Brasil e nos Montes Urais.

37 comunidades indígenas e mais de 11.700 Emberá Katios habitam os caminhos de Amparradó, Pegadó, Pantanos, Jenaturado, Atausí, Jengamecodá e Curbatá, entre outros.

Todo este aqüífero, mineração e riqueza florestal do belo Vale Murri, é compartilhado pelos municípios de Urrão, Vigia del Fuerte, Murindó, Dabeiba e Frontino.

Geograficamente falando, este é um ramo da Cordilheira dos Andes que desce do deserto de Frontino (4.080 msnm) até as planícies das costas do Pacífico e do Atlântico, através de encostas íngremes e vales mais ou menos íngremes como os do rio Murrí e Rio Sucio, ambos afluentes do Atrato, espinha dorsal do biogeográfico Chocó.

Esta é, sem dúvida, uma terra mágica, mas, infelizmente, a prolongada marginalidade geográfica desta região contribuiu enormemente para a sua valorização como um território selvagem, insano, sem educação, atrasado e inseguro. Tendo viajado, encontrei o oposto e me deu a oportunidade de viver uma das mais maravilhosas caminhadas da minha vida.

1º Dia La Blanquita-Quiparadó. 18km
A travessia começou em um dos três vales que formam o extenso Vale Murri: La Blanquita. Os outros dois vales são Chontaduro e San Mateo.

Em uma viagem anterior, tive a sorte de conhecer Aroldo Benítez, um dos dois arrieros de La Blanquita. Nessa oportunidade ele me falou das várias opções de travessias que existem na região e recomendou a que vai para o Urrao. Ele também me disse que para ir ao Município de Cacique Toné, existem 3 trilhas: uma para Carauta-Venados, outra para Jengamecodá e mais uma para Vásquez.

Voltei, na companhia de Luis Alberto, para fazer alguns deles. Aroldo, naturalmente, seria nosso guia e muleteiro. O simples fato de realizar um trabalho que durante anos está em perigo de extinção e que só é visto em partes remotas do mundo, torna este homem um ser especial.

Sua força física, combinada com a sabedoria para lidar com as mulas e a habilidade de superar obstáculos e trilhas perigosas; Eles evocam aqueles homens de antes que não são mais vistos. Sem dúvida, com Aroldo, estávamos nas melhores mãos para empreender esta jornada.

Muito cedo nós passamos pelo vale extenso de La Blanquita, aldeia de Frontino. Nós tomamos uma estrada inacabada que vai para o rio Cuevas. Nós cruzamos vários fluxos de água que exigem bons "animais" para passá-los. Nós sorteamos todo tipo de terreno e, mais adiante, entramos em uma exuberante área de selva.

Ao longo de um caminho que às vezes se estreitava, subíamos e descíamos os contrafortes da montanha, sempre acompanhados por rios e córregos. Atravessamos a encosta do Diabo, que, como o nome sugere, é aterrorizante. Passamos por arribas que despertaram a adrenalina e continuamos em busca de terras mais baixas.

Durante a viagem, vimos várias mulheres indígenas vestidas com suas parumas (saias) de cores e camisas psicodélicas finamente bordadas, carregando nas costas as cestas de tecido de palmeiras cheias de provisões. Grandes lençóis, como um guarda-chuva, cobriam a cabeça para se proteger da chuva.

Fomos a San Mateo, uma cidade antiga fundada em 1725, localizada no sopé do rio que leva seu nome. Lá, o ouro é o motor da economia. Neste ponto, é um dos limites do Parque de las Orquídeas, que vai ao longo do sopé de Chaquenodá.

Depois de cumprimentar os locais, continuamos. Atravessamos o Qda El Purgatorio e chegamos a um lugar indígena chamado Quiparadó. Desde que choveu, os rios estavam inchados e depois tivemos que passar por dois deles; Aroldo sugeriu terminar este primeiro dia lá.

Benítez contatou o professor da aldeia que muito gentilmente nos permitiu ficar na escola. O Prof. Agustín Banaerubi não apenas nos deixou dormir, mas também nos emprestou seu fogão e nos ajudou a preparar a comida. Em sua casa, acompanhado de suas duas mulheres, ambas grávidas e com nove filhos já nascidos, este nativo, nativo de Dabeiba, nos encantou com suas histórias. Depois de ouvi-lo, partimos para descansar depois desse primeiro dia de 18km

2º Dia Quiparadó-Vásquez. 30km
Ter dormido em uma comunidade indígena que ainda não fala espanhol e mantém costumes ancestrais. Ter compartilhado com ele Profe e sua família, percorria suas simples e práticas habitações palípicas, maravilhados com a simplicidade em que vivem e maravilhados com a colagem de cores de seus ternos; Foi uma experiência difícil de repetir.

Comunidade indígena Quiparadó, guardada pela densa selva e assentada aos pés do rio que leva o mesmo nome; Saímos cedo em vista do longo dia pela frente.

Fizemos isso na base do Parque de las Orquídeas, um parque de 32.000 hectares localizado no flanco ocidental da cordilheira ocidental, uma pacífica região colombiana onde abundam água e chuvas.

Os rios Chaquenodá, Jengamecodá, Quiparadó Carauta, Rio Calles e Río Venados fazem parte de sua riqueza hídrica. Neste parque foram relatadas 3.493 espécies de plantas endêmicas do local. Na área existem comunidades camponesas de origem Paisa e comunidades indígenas: Embera - Katíos e Chaquenodá.

Continuamos em direção à Ilha Qda e Qda Barro, esperando que este último não fosse reprimido pelas fortes chuvas que haviam caído na noite anterior. Cruzamos as Qdas Sardina, Sanguijuela e Pavarandó para chegar ao rio Jencamecodá. Esta foi uma das duas rotas mais selva da travessia

Chegamos na fazenda Jengamecodá. Mais adiante nos deparamos com o rio que dá nome à aldeia. Aqui começou uma das duas odisséias deste dia: atravessar o rio que ainda crescia.

Um tronco de árvore cortado ao meio faz uma jangada para os aldeões passarem para o outro lado. Em vista do fato de que esta jangada rudimentar carece de desenho técnico, é difícil lidar com isso, então Aroldo não se atreveu a manipulá-la.

Como não pudemos ficar lá, nosso almirante e guia decidiram tentar a sorte com suas mulas especialmente escolhidas para atravessar os rios da região. Em uma manobra impecável passou as mochilas, aconteceu com a gente e passou o resto dos equinos.

Depois dessa atividade, que levou mais de uma hora e muita adrenalina; montamos novamente as mulas para continuar contornando o Jengacomedá até a sua foz no rio Penderisco

Em apenas 15 minutos, encontramos o Penderisco, que neste ponto da rota é grande e flui em direção à sua foz no rio Chaquenodá, onde muda seu nome para o do rio Murrí. Apelo que identifica toda a área.

Afortunadamente neste rio nós achamos um homem jovem com a jangada dele que nos ajudou a passar para o outro lado enquanto as bestas fizeram isto que nada. Depois que atravessamos o Penderisco entramos novamente na segunda rota exuberante da caminhada que nos levaria ao Alto Murrí

A selva apareceu novamente com profundos buracos de lama e pântanos nos quais as mulas ficaram presas várias vezes e ainda estávamos no verão.

Em um ponto ao longo da rota, começamos a ver aldeias mais "civilizadas" em territórios ocupados por comunidades afro-descendentes que vivem em lugares como Paracuchichí e Murrí Medio. A mudança foi imediata, a arquitetura das casas tornou-se diferente e as pastagens e plantações se espalharam por toda a área.

A história conta que no início do século XVII, os índios Chocó, originários de Quibdó, Lloró e Bebará, fugiam da pressão dos encomenderos das minas; Eles subiram o rio Murri e se estabeleceram em suas margens. O mesmo foi feito por vários líderes indígenas do Citará, dando origem à diáspora que anos depois foi registrada nos "quilombos" estabelecidos na bacia média e alta do rio Murrí.

Para estas terras, habitadas há vários séculos e com muita história, continuamos a cavalgar em favor do Penderisco. Vários quilômetros adiante nos deparamos com a foz do rio Mandé. Viramos à direita e começamos a escalar esse Rio, sem dúvida, um dos mais belos da região.

Caindo a tarde passamos por Vásquez Viejo, a fazenda original que pereceu por causa de uma inundação; e a alguns quilômetros dali chegamos a Vásquez Nuevo.
Como já era noite, Aroldo contatou os habitantes da primeira casa que encontramos para pedir uma pousada, pedir permissão para preparar comida e soltar as mulas no prado.

Sem hesitar, Diomedes abriu as portas de sua casa e nos deu todo o conforto sem pedir nada em troca. Este gesto nos surpreendeu e nos mostrou que ainda existem pessoas e comunidades nas quais a humanidade está acima de tudo.

Exaustos, depois de 30 km em cima das mulas, preparamos comida e dormimos na espaçosa sala Diomedes.

3º dia Vásquez-El Puente. 24km
Saímos da casa Diomedes. Cruzamos esta pitoresca cidade cheia de casas coloridas, construídas no sopé do rio Mandé e começamos a escalar esse fluxo sereno e cristalino de água.

Por mais de duas horas visitamos as praias de Mandé. Em um ponto nós deixamos o rio, nós tomamos a esquerda e começamos uma subida íngreme por uma sarjeta que nos levou a climas mais temperados. Senti que havia chegado a hora de dizer adeus à selva exuberante para entrar em terras mais interpostas.

Em alguns pontos da subida paramos para contemplar o lindo e pequeno vale que abaixo forma o Rio Mandé e a cadeia de montanhas da selva que o guardam. Paisagem mágica

Acima começamos a ver uma mistura de selva com terras interpostas e casas típicas da cultura Paisa. Além disso, fomos surpreendidos com centenas de palmeiras semelhantes às de

Cera que deu um toque especial à paisagem.
Aquilo que começou a mudar a entrada da civilização: mais casas, desmatamento, estradas, piquetes, arame farpado, eletricidade e uma estrada inacabada em péssimas condições. Percorrer os lodaçais que se formam dessa maneira requer nervos de aço e mulas com vigor.

Embora em Vásquez nos tivessem dito que naquele dia chegaríamos a La Quiebra ou La Clara, nós, com um ritmo lento, alcançávamos apenas um lugar conhecido como El Puente. Atravessamos essa construção feita no rio Nendó, subimos um pouco e chegamos a uma casa.

Em vista da queda da tarde e da chuva forte, optamos por pedir uma pousada. Mais uma vez, a bondade não esperou e sem hesitação nos acolheram. Ali, no calor do fogão e nas histórias dessa família atingida pelas adversidades da vida, nos preparávamos para preparar o jantar.

Eu tirei da mochila um saco de "Lentilhas Gourmet Rosa" para colocar no pote atômico. Como eu não sabia que esse tipo de lentilha é macia e não precisa colocá-la de molho, ou colocá-la na panela de pressão, ela é desfeita. Mesmo assim, nós os comemos. Este episódio serviu para rir o resto da noite e por essa razão esta crônica leva o nome de "Lentilhas Gourmet Rosa".

4º dia El Puente- El Sireno. 18km
Com tremendo café da manhã fomos despachados da casa da Ponte onde nós deixamos uma mulher feroz e corajosa de 40 que, com os 5 filhos dela, tenta reconstruir as vidas deles / delas.

Nós realizamos o quarto e último dia da viagem. Nós tomamos novamente a estrada inacabada que fez a viagem muito técnica por causa da presença de rocha. Nós andamos por um tempo com uma espécie de canais cheios de água. E então nós entramos em um caminho paliado. Sem dúvida, esta foi a pior parte de toda a viagem.

Além disso, atraímos novamente a estrada inacabada que cada vez mais nos aproximou da civilização. Chegamos a um ponto chamado La Sierra, onde a estrada ficou muito mais evidente. Assim, cobertos de areia escorregadia, montamos o resto da manhã.

Abaixo, à esquerda, o rio Penderisco foi nosso ponto de referência. Este é um fluxo imponente de água que forma uma extensa bacia na que se localizam os vales dos rios Pabón, Urrao e Encarnación, entre outros.

Na frente, as montanhas Paisas, eram a nossa paisagem, enquanto no céu, os helicópteros da EPM transportavam os postes de luz que trariam eletricidade a esse recanto isolado de Antioquia.

Às 2 da tarde chegamos ao El Sireno-Urrao depois de ter vivido uma experiência única de 90km nas costas de mulas que durante 4 dias nos levaram a lugares remotos da nossa geografia.

Lá contratamos duas motos que acabaram nos trazendo para o Urrao, um belo município do sudoeste antioquenho; conhecido como o Paraíso Escondido, a Pérola do Penderisco e a Suíça Antioquenha; onde tomamos o ônibus de volta para Medellin.
19-JUL-16 12:10:30PM
20-JUL-16 3:04:02PM
21-JUL-16 3:20:50PM
19-JUL-16 10:13:57AM
20-JUL-16 2:16:51PM
19-JUL-16 8:37:03AM
19-JUL-16 10:37:25AM
20-JUL-16 4:13:31PM
20-JUL-16 9:21:46AM
20-JUL-16 2:44:54PM
21-JUL-16 11:12:01AM
19-JUL-16 11:27:45AM
22-JUL-16 1:43:53PM
21-JUL-16 12:32:19PM
21-JUL-16 10:12:58AM
20-JUL-16 5:31:50PM
21-JUL-16 11:58:09AM
19-JUL-16 9:31:41AM
20-JUL-16 10:25:32AM
22-JUN-16 2:13:00PM
21-JUL-16 2:44:26PM
22-JUL-16 11:24:05AM
22-JUL-16 10:31:53AM
22-JUL-16 12:16:21PM
21-JUL-16 9:41:09AM
20-JUL-16 6:02:00PM
21-JUL-16 9:54:52AM
21-JUL-16 5:36:45PM
20-JUL-16 12:15:00PM
19-JUL-16 2:07:56PM
22-JUN-16 3:24:14PM
19-JUL-16 11:55:33AM
21-JUL-16 3:55:45PM
20-JUL-16 6:52:24PM

8 comentários

  • Foto de blonki

    blonki 5/out/2016

    genial, felicidades!

  • Foto de Leandro Escobar

    Leandro Escobar 22/fev/2017

    Gracias Vicky por tu impecable descripción, que nos permite disfrutar de tu viaje como si fuera nuestro. Y porque nos permites conocer un poco de estos lugares mágicos.

  • Foto de UNSUB_2910787

    UNSUB_2910787 1/mai/2017

    Well Done.. https://es.wikiloc.com/rutas-a-caballo/la-blanquita-frontino-quiparado-vasquez-el-puente-el-sireno-urrao-14964445/photo-9308248

  • Foto de Oscar Upegui

    Oscar Upegui 30/set/2017

    Esta ruta al Igual que las anteriores también merecen una buena calificación.
    Saludos Vicky Tru.

  • Foto de liliwhale®

    liliwhale® 1/dez/2017

    Gracias Monja Voladora por compartir esta super aventura, que como otras, lo dejan a uno con la motivación para recorrer rincones maravillosos y olvidados de nuestro país. Ruta magnífica para un espíritu aventurero como el tuyo !!!.
    Abrazo, Lili

  • Foto de Vicky Trujillo

    Vicky Trujillo 10/dez/2017

    Hola Fabiana
    Gusto verte por acá jejeje
    Es un verdadero privilegio que aún hayan paraísos como estos en el planeta.
    Recorrerlos y documentarlos se ha convertido en una gran pasión.
    Espero seguir en la búsqueda de esos rincones olvidados de nuestra geografía
    Ojalá te animes a recorrer este pedazo de tierra, aún virgen y exótica, antes de que la "civilización" le robe su encanto
    Abrazosssss

  • Foto de matadorvicentebarrera

    matadorvicentebarrera 13/nov/2018

    Impresionante viaje con unas fotos espectaculares, pero lo que si tengo claro es que esta ruta y viendo las fotos no se puede calificar de dificil si no que habría que encuadrarla en la categoría que Wikiloc da como máxima dificultad, que es la de ¨solo para profesionales¨

  • Foto de Vicky Trujillo

    Vicky Trujillo 21/nov/2018

    Hola matadorvicentebarrera
    De pronto sí tienes razón en poner ésta ruta en categoría máxima dificultad.
    Paseos como estos....pocos
    Único

You can or this trail