-
-
53 m
-53 m
0
3,2
6,4
12,74 km

Visualizado 794 vezes, baixado 3 vezes

próximo a Vilamoura, Faro (Portugal)

|
Mostrar original

Para terminar a nossa jornada anual de rotas antes de começar uma nova temporada, Jesu, o guia intrépido, nos deu esta rota excepcional que atravessa a Sierra Nevada de ponta a ponta através de três milhas, e eu digo parte porque a totalidade é 52 em dois dias é impossível de fazer.

Componentes da expedição: Jesu, Toni, Isaías e Javier, Pedro, Serafin, David e Fernando.

A organização da rota tem sido excepcional, Jesu trabalhou muito, tanto em transporte quanto em hospedagem. O deslocamento foi suportado por Alfonso em sua van nos levando de Granada às 6 horas da manhã para Postero Alto e nos pegando com um verdadeiro banquete de bebidas frescas e comida no canto de Nigüelas, um luxo que só Alfonso pode oferecer a um preço ótimo, então se você estiver interessado peça e eu coloco você em contato.


Veja Integral Sierra Nevada - IBP 386 - 12 e 08/13/14 - Complete em um mapa maior

Lembre-se que a rota corre em seus 90% por pedra, pedra e pisos que farão das botas uma autêntica escabechina para fazê-lo. A água não existe desde o rio Alhorí até ao rio Mulhacén, descendo até ao rio Poqueira e nesta época quase não existe a carriea noir, pelo que é preciso carregar água e muita água.

Finalmente a pista não mostra (você deixaria os sinais de GPS) os perfis corretos de alcazaba, mulhacen e algum outro pico mais, faltariam cerca de 800 metros de D +. A direção da pista está correta.

Estágio 1

A rota começa em cartazo alto mesmo com a lua alta, mas com um calor que metros acima e começaria a nos dar bem e nos punir ao longo do dia.

Logo começamos a encher a água no rio Alhorí para enfrentar a longa subida e a subida difícil que nos deixarão nos primeiros três mil do dia, o Picón de Jeres de onde os primeiros pontos de vista nos deixam de boca aberta (aos quais não chegamos até aí). As vistas são majestosas e nos permitem ver desde a costa, Granada, catifas, cazorla, ... etc, uma imensidão que só estava ao nosso alcance.



No dia a partir daqui teríamos mil andarineiros, escaladores, escaladas e descidas que mais do que um nos faria perder um prego do que outro.

Do Picón de Jeres, começa uma longa caminhada que nos levará ao Puntal de Juntillas, com suas lagoas fechadas mas ao mesmo tempo longe, porque se você está desesperado por água você pode descer, mas então vai custar subir.

Strut das Salas, Puntal da Justiça (durillo a levantar), Raven, também duro, já que são picos aos que não se percebem a ele mas que os elevar são os lançar a comer, Laguna de vacares em qual você também pode abaixar a água ou bivaque mas nós nem sequer passamos pela cabeça, apenas pensando que então você tinha que subir meu cabelo em pé.

Logo após este monte veio uma boa, a subida para o Puntal de Vacares onde nós conhecemos um jovem trailrunner e um homem que nós perdemos minutos depois. Essa subida foi difícil, já que a cerca de 200 metros você tem que subir que você não tem e eles são difíceis.

Após os parabéns típicos e tal, fazemos a primeira refeição do dia para enfrentar a subida à Alcazaba que seria uma das duas mais difíceis do dia.

E assim foi, à medida que nos aproximamos, descemos e vimos como o suporte do goterón está se tornando cada vez mais alto e, por sua vez, a Alcazaba. Esta subida é assustadora apenas olhando de baixo para cima, quase verticalmente começamos a subir pouco a pouco entre as pedras que estamos atirando umas para as outras e com um chão que se torna cada vez mais distante. À medida que subimos, alguns e outros estão tomando caminhos diferentes, mais ou menos íngremes no final, todos chegamos ao mesmo lugar, a Alcazaba é tomada, vamos para o próximo desafio.

Neste momento alguns de nós estão cansados ​​e na descida à direita do balão começamos abaixo a 7 lagunas onde perigosas trilhas e com algumas pedras de arremesso de bode, nos plantamos na base de Mulhacén para encarar a última ascensão do dia. Esta subida é muito complicada porque o terreno é muito solto e a queda contínua de pedras torna-a perigosa. Depois de uma hora chegámos ao topo e aqui aproveitamos a força para a longa descida até ao refúgio de Poqueira onde passaríamos a noite e assim terminaríamos o estágio 1.

Estágio 2

Depois de uma noite agitada no abrigo, que aliás, nós comemos, bebemos e nos divertimos muito, com muita bebida ... descemos para trabalhar às 8 e começamos a caminhar em direção aos machos, passando pelos arranhões e rio seco até chegar à base do Cerro de los Machos.

A princípio, nos perguntamos de onde viria a cabra de Jesu, se pelo caminho normal ou pelo muro através do qual Toni e eu já intuímos que ele iria, e efetivamente nos escalou a parede.

Esta subida foi feita para ser a primeira do dia, difícil como ela sozinha, mas conseguimos e chegamos entre a terra que cai, pedras e terreno ultra solto, chegamos.

Daqui nós veríamos o próximo destino, o cata-vento, que nós não subimos desde que este ano nós o vimos mil vezes e assim economizaríamos tempo para outros.



Na Carihuela paramos para fazer a primeira parada do dia e almoçamos e daqui continuamos a marcha para Loma Púa e a segunda subida do dia pelas covas virgens nas quais devemos ter muito cuidado como um deslizamento Você pode enviar para a sala de cirurgia.

Passamos entre cornijas e lastro, muito lastro até chegarmos ao Fraile de Capileira e ao próximo destino Elorrieta. Aqui em Elorrieta descemos ao abrigo e paramos para beber um pouco de água e colocar algo na barriga que já estava sendo hora.

Próximo destino, Tozal del Cartujo, que não está longe, embora haja algo a ser promovido, mesmo que as paredes não subam hoje em dia. Depois de uma mini-parada, continuamos ao longo da alta Tajos, onde novamente paramos de pedir o corpo após o ritmo que estávamos impondo neste dia. O lastro e esses dois dias estavam afetando o corpo.

Passado Tajos altos é primeiro abandonado do nível 3000 para ir de frente para a última subida da rota, o cavalo como Jesu disse, juntamente com a Alcazaba são dois dos picos mais majestosos da nossa Serra.

A subida é dura e fazemos tudo que o corpo nos deu pensando que foram os últimos três mil. No topo abrimos uma garrafa de cidra para comemorar e daqui viria a última pá de descida do dia, quase 1000 metros. de declive negativo que encantaria os pés e as unhas de mais de um.

A rota foi liquidada e com ela nos demos um festival autêntico que durou até as primeiras horas do dia e terminou com alegria transbordante de todos os membros do grupo.

Parabéns a todos aqueles que hoje em dia têm feito esse percurso comigo, vocês são figuras reais!

Outra mais!


Para terminar a nossa jornada anual de rotas antes de começar uma nova temporada, Jesu, o guia intrépido, nos deu esta rota excepcional que atravessa a Sierra Nevada de ponta a ponta através de três milhas, e eu digo parte porque a totalidade é 52 em dois dias é impossível de fazer.

Componentes da expedição: Jesu, Toni, Isaías e Javier, Pedro, Serafin, David e Fernando.

A organização da rota tem sido excepcional, Jesu trabalhou muito, tanto em transporte quanto em hospedagem. O deslocamento foi suportado por Alfonso em sua van nos levando de Granada às 6 horas da manhã para Postero Alto e nos pegando com um verdadeiro banquete de bebidas frescas e comida no canto de Nigüelas, um luxo que só Alfonso pode oferecer a um preço ótimo, então se você estiver interessado peça e eu coloco você em contato.


Veja Integral Sierra Nevada - IBP 386 - 12 e 08/13/14 - Complete em um mapa maior

Lembre-se que a rota corre em seus 90% por pedra, pedra e pisos que farão das botas uma autêntica escabechina para fazê-lo. A água não existe desde o rio Alhorí até ao rio Mulhacén, descendo até ao rio Poqueira e nesta época quase não existe a carriea noir, pelo que é preciso carregar água e muita água.

Finalmente a pista não mostra (você deixaria os sinais de GPS) os perfis corretos de alcazaba, mulhacen e algum outro pico mais, faltariam cerca de 800 metros de D +. A direção da pista está correta.

Estágio 1

A rota começa em cartazo alto mesmo com a lua alta, mas com um calor que metros acima e começaria a nos dar bem e nos punir ao longo do dia.

Logo começamos a encher a água no rio Alhorí para enfrentar a longa subida e a subida difícil que nos deixarão nos primeiros três mil do dia, o Picón de Jeres de onde os primeiros pontos de vista nos deixam de boca aberta (aos quais não chegamos até aí). As vistas são majestosas e nos permitem ver desde a costa, Granada, catifas, cazorla, ... etc, uma imensidão que só estava ao nosso alcance.



No dia a partir daqui teríamos mil andarineiros, escaladores, escaladas e descidas que mais do que um nos faria perder um prego do que outro.

Do Picón de Jeres, começa uma longa caminhada que nos levará ao Puntal de Juntillas, com suas lagoas fechadas mas ao mesmo tempo longe, porque se você está desesperado por água você pode descer, mas então vai custar subir.

Strut das Salas, Puntal da Justiça (durillo a levantar), Raven, também duro, já que são picos aos que não se percebem a ele mas que os elevar são os lançar a comer, Laguna de vacares em qual você também pode abaixar a água ou bivaque mas nós nem sequer passamos pela cabeça, apenas pensando que então você tinha que subir meu cabelo em pé.

Logo após este monte veio uma boa, a subida para o Puntal de Vacares onde nós conhecemos um jovem trailrunner e um homem que nós perdemos minutos depois. Essa subida foi difícil, já que a cerca de 200 metros você tem que subir que você não tem e eles são difíceis.

Após os parabéns típicos e tal, fazemos a primeira refeição do dia para enfrentar a subida à Alcazaba que seria uma das duas mais difíceis do dia.

E assim foi, à medida que nos aproximamos, descemos e vimos como o suporte do goterón está se tornando cada vez mais alto e, por sua vez, a Alcazaba. Esta subida é assustadora apenas olhando de baixo para cima, quase verticalmente começamos a subir pouco a pouco entre as pedras que estamos atirando umas para as outras e com um chão que se torna cada vez mais distante. À medida que subimos, alguns e outros estão tomando caminhos diferentes, mais ou menos íngremes no final, todos chegamos ao mesmo lugar, a Alcazaba é tomada, vamos para o próximo desafio.

Neste momento alguns de nós estão cansados ​​e na descida à direita do balão começamos abaixo a 7 lagunas onde perigosas trilhas e com algumas pedras de arremesso de bode, nos plantamos na base de Mulhacén para encarar a última ascensão do dia. Esta subida é muito complicada porque o terreno é muito solto e a queda contínua de pedras torna-a perigosa. Depois de uma hora chegámos ao topo e aqui aproveitamos a força para a longa descida até ao refúgio de Poqueira onde passaríamos a noite e assim terminaríamos o estágio 1.

Estágio 2

Depois de uma noite agitada no abrigo, que aliás, nós comemos, bebemos e nos divertimos muito, com muita bebida ... descemos para trabalhar às 8 e começamos a caminhar em direção aos machos, passando pelos arranhões e rio seco até chegar à base do Cerro de los Machos.

A princípio, nos perguntamos de onde viria a cabra de Jesu, se pelo caminho normal ou pelo muro através do qual Toni e eu já intuímos que ele iria, e efetivamente nos escalou a parede.

Esta subida foi feita para ser a primeira do dia, difícil como ela sozinha, mas conseguimos e chegamos entre a terra que cai, pedras e terreno ultra solto, chegamos.

Daqui nós veríamos o próximo destino, o cata-vento, que nós não subimos desde que este ano nós o vimos mil vezes e assim economizaríamos tempo para outros.



Na Carihuela paramos para fazer a primeira parada do dia e almoçamos e daqui continuamos a marcha para Loma Púa e a segunda subida do dia pelas covas virgens nas quais devemos ter muito cuidado como um deslizamento Você pode enviar para a sala de cirurgia.

Passamos entre cornijas e lastro, muito lastro até chegarmos ao Fraile de Capileira e ao próximo destino Elorrieta. Aqui em Elorrieta descemos ao abrigo e paramos para beber um pouco de água e colocar algo na barriga que já estava sendo hora.

Próximo destino, Tozal del Cartujo, que não está longe, embora haja algo a ser promovido, mesmo que as paredes não subam hoje em dia. Depois de uma mini-parada, continuamos ao longo da alta Tajos, onde novamente paramos de pedir o corpo após o ritmo que estávamos impondo neste dia. O lastro e esses dois dias estavam afetando o corpo.

Passado Tajos altos é primeiro abandonado do nível 3000 para ir de frente para a última subida da rota, o cavalo como Jesu disse, juntamente com a Alcazaba são dois dos picos mais majestosos da nossa Serra.

A subida é dura e fazemos tudo que o corpo nos deu pensando que foram os últimos três mil. No topo abrimos uma garrafa de cidra para comemorar e daqui viria a última pá de descida do dia, quase 1000 metros. de declive negativo que encantaria os pés e as unhas de mais de um.

A rota foi liquidada e com ela nos demos um festival autêntico que durou até as primeiras horas do dia e terminou com alegria transbordante de todos os membros do grupo.

Parabéns a todos aqueles que hoje em dia têm feito esse percurso comigo, vocês são figuras reais!

Outra mais!

Waypoint

Marina de Vilamoura

Waypoint

Puerto

Waypoint

Vilamoura

Comentários

    You can or this trail