Horas  6 horas 41 minutos

Coordenadas 3102

Uploaded 6 de Junho de 2019

Recorded Junho 2019

-
-
433 m
197 m
0
23
47
93,75 km

Visualizado 37 vezes, baixado 1 vezes

próximo a Évora, Évora (Portugal)

Fomos à procura das origens mais antigas da cidade de Évora, chegando a lugares históricos por estradas de asfalto, alguns troços de terra batida (documentados nos respetivos pontos de passagem), troços esses que, apesar de algumas irregularidades no terreno, são perfeitamente acessíveis ás viaturas sem tração integral, como foi o nosso caso, e por alguns caminhos de terra que somos obrigados a fazer a pé.
É nesta localidade que nasce o Aqueduto da Água da Prata.
Nota: Seguir com o carro desde a estrada de asfalto por um caminho de terra batida. Se tiver a surpresa de encontrar o caminho barrado por máquinas pesadas, não desista, porque com facilidade nos facilitam a passagem até ao recinto megalítico.
O cromeleque da Portela de Mogos encontra-se implantado no topo de uma pequena elevação, a cerca de 1 km do cromeleque de Vale Maria do Meio. Não sendo tão conhecido e divulgado como os seus primos "Almendres", o da Portela de Mogos está localizado em terreno de montado, privado, mas que nos permitem aceder, apenas a pé, por uma entrada na rede que protege a propriedade (afaste a rede do poste, passe, e não esqueça de fechar, P.F.). Seguimos por um carreiro bem identificado no solo e que nos leva ao nosso destino. Para nós, este é um dos espaços megalíticos mais bonitos do percurso.
Nota: Esta Anta está em propriedade privada, mas avista-se fácilmente da estrada. Pode chegar mais perto entrando por uma "porta" na rede, feita para esse efeito, tendo sempre o cuidado de voltar a prender a rede de arame no poste.
Nota: Avista-se da estrada e é fácil aceder a esta anta com a viatura, por um curto trajeto em piso de terra batida.
Nota: A partir deste ponto saimos do asfalto e seguimos com a viatura por uma estrada de campo, de terra batida, com alguns buracos e pequenas lombas. Apesar do incomodo, este caminho é acessível a qualquer viatura, mas requer a devida atenção e velocidades baixas,
Nota: Solicitar a chave do cadeado, para abrir a cancela de madeira que dá acesso à Vila Romana, ao senhor que mora na casa junto à Igreja da Tourega.
"...terá sido uma importante “villa” Romana com um amplo complexo termal, ocupada desde meados do século I até finais do século IV d.C. Esta Villa estava situada no importante território de Ebora Liberalitas Julia, , junto à estrada romana para Salacia (Alcácer do Sal), e teria sido património de uma classe senhorial ligada à exploração da terra. " (extrato da informação do portal "https://www.guiadacidade.pt/pt/poi-villa-romana-de-tourega-17264")
Nota: Sair da estrada asfaltada por um caminho de terra batida, muito martirizado por viaturas pesadas. Com cuidado, é acessivel a qualquer viatura. O caminho termina num largo com sombras (Azinheiras). A partir deste largo, deve deixar a viatura, e seguir a pé em direção ao passadiço que se avista, e acompanhar o carreiro que se define no terreno e nos leva à grande Anta.
Nota: A partir daqui o caminho para os Almendres faz-se por um longo caminho rural, muito batido,
Nota: Na estrada de terra batida e perto da Herdade dos Almendres, do lado esquerdo, no sentido para o Cromeleque, encontramos sinalização que nos leva a este Menir de grandes dimensões, por um pequeno trilho de pé posto.

Comentários

    You can or this trail