Coordenadas 298

Uploaded 15 de Dezembro de 2011

Recorded Dezembro 2011

  • Rating

     
  • Information

     
  • Easy to follow

     
  • Scenery

     
-
-
222 m
159 m
0
2,6
5,1
10,24 km

Visualizado 2182 vezes, baixado 68 vezes

próximo a Outeiro, Braga (Portugal)

Este percurso tem início no castro de S. Lourenço e segue para a descoberta de outros monumentos milenares, marcas da presença do homem em tempos anteriores aos castros, que se encontram localizados no planalto de Vila Chã.

Não só será a valência monumental, como motivo para esta caminhada, pois há muito mais que apreciar, em termos paisagísticos, naturais e etnográficos. Seguindo em qualquer direcção, este percurso sinalizado nos dois sentidos irá permitir a passagem por diferentes paisagens que se encontram ao redor da freguesia de Vila Chã. Por entre as matas e florestas de pinheiro-bravo, giestas e urzes, campos agrícolas e vinhedos, e também pela arriba fóssil, há que apreciar a diversidade da fauna, onde coexistem a raposa, o gato-bravo e o javali, o gaio, a águia de asa redonda, o coelho e o esquilo, que fazem o deleite de quem percorre os seus 10km.O segredo será fazer este trilho no tempo que a sua observação e a sorte o ditarem.

Pontualmente a arqueologia irá presenteá-lo com alguns dos mais emblemáticos exemplares de monumentos funerários, tais como os dólmens da Portelagem, do Rapido e o da Cruzinha, sendo este último um dos mais raros e interessantes, por possuir duas estruturas em pedra sob a mesma mamoa. Por ser um dos locais de maior interesse, deverá permanecer mais tempo no castro de S. Lourenço. Uma vez aí, poderá visitar as ruínas milenares e imaginar, através dos núcleos reconstruídos, o dia-a-dia das populações castrejas. Mas, se o seu interesse é paisagístico, junto à capela dedicada ao mártir S. Lourenço poderá desfrutar da beleza cénica da orla atlântica e de quase todo o litoral do concelho de Esposende, com especial atenção ao Parque Natural do Litoral Norte e à foz do rio Cávado.

Uma vez no lugar da Abelheira, poderá alongar um pouco mais a visita e contemplar os moinhos de vento e os engenhos d’agua que outrora laboraram a moer o milho.

Quanto às muitas lendas que povoam o imaginário popular, poderá não conseguir ver as “mouras encantadas” que se escondem nas mamoas mas, se tiver sorte, encontrará numa grande laje de granito (penedo da Pata do Cavalo) as marcas das ferraduras do cavalo que carregava a N. Sr.ª e o Menino quando estes fugiam dos romanos para o Egipto, ou ainda a “Fonte da Virtude”, que o livrará das “maleitas” do pesado fardo do tempo com a água da eterna juventude. Quiçá, não será mesmo esse, o segredo desta caminhada?


Ficha Técnica
Nome do Percurso: Trilho do Castro de S. Lourenço
Entidade Promotora: Câmara Municipal de Esposende
Localização do Percurso: Vila Chã - Esposende
Tipo de Percurso: Pequena Rota Âmbito do Percurso: Histórico-Paisagístico
Ponto de Partida/Chegada: Castro de S. Lourenço - Vila Chã
Distância Percorrida: 10,5 km
Duração do Percurso: 4 h 00 m
Grau de Dificuldade: Fácil
Cota Máxima Atingida: 200 metros (Monte da Maceira)
De portal


É constituído por um "tumulus" ainda relativamente bem conservado e urna couraça pétrea que encosta às lajes da câmara. Esta, por sua vez, de forma sub-rectangular, originalmente seria formada por 14 a 15 esteios graníticos. Presentemente restam apenas 9, alguns dos quais parcialmente fragmentados. Da cobertura resta, somente, uma laje de proporções avantajadas.

Mais informações em: [http://www.visitesposende.com/detalhes_roteiros.php?id=101]
De portal


O castro de S. Lourenço é um povoado fortificado, no qual foram encontrados vestígios que recuam ao séc. IV a.C. Desde o séc. II a.C. que as casas vão sendo construídas por todo o monte em patamares. A área escavada mostrou a existência de núcleos habitacionais, os quais são frequentemente rodeados por lajeado. A defesa era assegurada por três muralhas.

Nos finais do séc. I a.C. assistiu-se a transformações que perduraram até ao séc. IV d.C., com todos os indícios de romanização. Após um período de abandono o Monte de S. Lourenço volta a ser ocupado, por volta do séc. XIV quando é erguido um sistema defensivo, tipo pequeno castelo.

Para além do aspecto histórico-arqueológico o Monte de S. Lourenço é um local de rara beleza paisagística. Miradouro com vista para o Atlântico, permite a visão da orla costeira, onde se destacam pontos como a Póvoa de Varzim, o pinhal do Ofir ou mesmo os célebres "Cavalos de Fão". Além da maravilhosa vista pode-se ainda desfrutar de um ambiente calmo e repousante.

Mais informações em: http://www.visitesposende.com/detalhes_roteiros.php?id=103
De portal


Sob a mesma mamoa de terra de grandes dimensões revela-se um monumento de características ímpares, pelo facto de apresentar uma anta e uma antela lado-a-lado. Esta, de menores dimensões apresenta a laje de cobertura (tampa). O segundo dólmen é de maiores dimensões e hoje resta-lhe uma única laje de cobertura.

Mais informações em: [http://www.visitesposende.com/detalhes_roteiros.php?id=102]
De portal
Estamos num dos pontos mais altos da arriba fóssil, essa linha de penedia que separa a planície litoral dos primeiros relevos mais a nascente. E este é um ponto privilegiado, uma vez que avistamos uma vastidão em redor!

Para os lados do Mar, podemos alongar a vista até Esposende e Fão e, se apurarmos o olhar e a bruma atlântica não nos dificultar a visão, distinguimos os célebres "Cavalos de Fão", aqueles rochedos sempre batidos pelas ondas, brancos de espuma quando o mar aperta.

Se seguirmos o olhar para o interior, pela linha marcada pelo Cávado, percebemos a sua sinuosa e fértil passagem pelos campos a que dá vida e frescura. Lá muito ao longe, os moinhos de S. Félix. Mais perto de nós, um outro cabeço como aquele em que nos encontramos, o Monte Faro.

Mas a paisagem a nascente também tem os seus encantos: por mais de três dezenas de quilómetros, se o tempo ajudar, distinguimos uma boa parte da topografia deste Minho, até ao Sameiro, já para os lados de Braga. E a norte, outro ponto alto, mais um promontório da arriba fóssil, o Monte do Facho.


http://www.visitesposende.com/detalhes_roteiros.php?id=107
De portal




O Centro Interpretativo de S. Lourenço pretende ser um ponto de partida para o conhecimento, não só do castro de S. Lourenço, mas toda a área geográfico-arqueológica de Esposende.

Dispõe de um espaço expositivo, dividido em duas partes, uma mais estática e outra com um carácter mais temporário. Na parte mais estática, que também se pretende sensorial e interactiva com o público, é feito o enquadramento do espaço e sua contextualização/introdução às transformações do território, é explicada a evolução da Arriba Fóssil e a ocupação humana até à Idade Bronze, sendo também prestada informação sobre o binómio ocupação-recursos naturais. Num momento mais interactivo é proposto um jogo multimédia sobre a vida no castro de S. Lourenço há cerca de 2.000 anos atrás.

Na visita a este equipamento é ainda feita uma abordagem mais centrada na evolução da ocupação deste sítio arqueológico, através do visionamento de um pequeno filme, que tem como principal personagem a figura de Caturo, o pequeno guerreiro do castro de S. Lourenço.

O Centro Interpretativo dispõe ainda de uma área expositiva, onde está patente uma exposição temporária, que aposta na valorização da disciplina de arqueologia e da sua importância no estudo/investigação da ocupação do monte de S. Lourenço, dando a conhecer o espólio encontrado, com incidência em quatro principais momentos: da primeira ocupação conhecida (Bronze Final) até à última (Idade Média), e a construção da actual capela de S. Lourenço, bem como das lendas associadas a este local.

O Centro Interpretativo de S. Lourenço funciona de terça a sexta-feira, das 10h00 às 12h30 e das 14h00 às 17h30, e ao fim-de-semana apenas mediante marcação prévia. As marcações de visitas são efectuadas através do e-mail [email protected], ou do telefone 253 960 100 (extensões 4953/4951).

De portal


O conjunto megalítico do Rapido é formado por três mámuas ou mamuinhas, como nesta freguesia são conhecidas. Estão situadas em terreno de mato e pinhal, numa planura localizada a oeste do monte da Cerca e não muito distantes do dólmen da Portelagem.Tal como aquela, foram, nos fins do séc. XIX, objecto de estudo por parte de Francisco Martins Sarmento que chegou mesmo a escavar uma delas.

Em fins dos anos 80, foi intervencionada pelo Dr. Eduardo Jorge Lopes da Silva, sendo esta última intervenção bastante significativa, por revelar uma estrutura bem mais complexa e interessante do ponto de vista arquitectónico.

Trata-se de um monumento constituído por uma mamoa de terra, ou “tumulus”, cobrindo um Dólmen, bem conservado e de reduzidas dimensões. É formado por uma pequena câmara funerária, definida por nove esteios, fragmentados na extremidade pela violação a que foi submetida, com um corredor, bastante baixo, que apresenta, ainda duas lajes da sua cobertura.Alguns dos seus esteios revelam vestígios de gravuras, que dão a este monumento uma maior importância.

Mais informações em: [http://www.visitesposende.com/detalhes_roteiros.php?id=100]



De portal


Igreja Paroquial de Vila ChaÚltima actualização realizada por CME em Fev 1Igreja Paroquial de Vila Chã, cujo patrono é o S. João Baptista, foi construída no séc. XVIII e sofreu recentemente obras de restauro.

A imagem que se vê na fachada principal é obra do artesão esposendense Pompeu Neto. Fora da igreja poderá ainda ver a antiga pia baptismal, datada do séc. XVI.

1 comment

  • Foto de BotasNoTrilho

    BotasNoTrilho 27/abr/2019

    I have followed this trail  verificado  View more

    Percurso precisa de manutenção

You can or this trail