Como preparar sua mochila de trekking

Planeje o que levar e como organizar sua mochila para um trekking bem equipado e sem muito peso

Autor

Um grupo de caminhantes praticando trekking no Glaciar Baltoro, com montanhas cobertas de neve como pano de fundo impressionante.
Trekking no Glaciar Baltoro — Foto de @lamorosangel

O sucesso de uma travessia ou caminhada em uma trilha com várias etapas começa com um bom planejamento. Um dos elementos-chave na hora de se preparar para um trekking e desfrutá-lo com segurança e conforto é a mochila. O que devemos levar? Como a mochila deve ser arrumada? O que é dispensável? Qual é o peso máximo que podemos carregar? Todas essas são questões que precisam ser resolvidas.

A experiência é a mãe da sabedoria, por isso conversamos com Ángel López Amorós (@lamorosangel), um membro veterano da comunidade do Wikiloc, para que ele pudesse explicar o que levar e como organizar a mochila antes de sairmos por vários dias, e ele prossegue para nos dar conselhos sobre como otimizar o espaço e controlar o peso que carregamos. Ele já completou viagens de trekking nos Annapurnas e no Everest Base Camp (Nepal), na Ilha da Reunião no Oceano Índico, nas Montanhas Rwenzori (Uganda), no Glaciar Baltoro (Paquistão) e também no Aconcágua (Argentina), apenas para citar algumas das muitas trilhas com várias etapas que ele fez e habitualmente compartilhou com sua companheira.

Um caminhante com uma mochila durante um trekking na Ilha da Reunião.
Trekking na Ilha da Reunião, uma ilha africana no Oceano Índico — Foto de @lamorosangel

Itens básicos

A seleção do material necessário vai depender da trilha que percorreremos, dos dias que passaremos nela, onde dormiremos e da época do ano, bem como das condições meteorológicas previstas.

Há uma lista de todos os itens básicos para colocar na mochila no final do artigo!

Roupas

Devemos entender que não é a mesma coisa fazer trekking no verão e no inverno, e também estar em uma região de maior ou menor altitude. Mas, como regra geral, devemos levar um par de botas ou sapatos de montanhismo que sejam resistentes às condições adversas, um blusão (que possa ser substituído por uma jaqueta Gore-Tex ou uma camada impermeável), duas ou mais camisas técnicas e calças de montanhismo, além de meias e cuecas suficientes. A quantidade depende dos dias da trilha, mas devemos evitar carregar muito peso, pois, na verdade, é uma “questão de lavar com frequência”, recomenda @lamorosangel.

Se estamos indo para regiões com baixas temperaturas, precisamos levar luvas, um gorro e outras roupas multicamadas quentes, como camisas térmicas transpiráveis, uma roupa forrada de lã ou penas e uma jaqueta Gore-Tex ou à prova d’água (para a metade superior de corpo), e algumas calças térmicas transpiráveis, uma para trekking e outra com camada à prova d’água (para as pernas). É possível se vestir com isso em três camadas: uma transpirável, uma isolante e uma protetora (a teoria das três camadas). @lamorosangel acrescenta que, mesmo em regiões tropicais com ganho de elevação, não podemos esquecer as roupas de múltiplas camadas. Além disso, se houver previsão de chuva, devemos nos lembrar de levar roupas à prova d’água, independentemente do local e da época do ano.

Um grupo de caminhantes agasalhados e com uma mochila de trekking no Glaciar Vigne, em uma viagem de vários dias.
Caminhantes no Glaciar Vigne (Paquistão) — Foto de @lamorosangel

O kit de sobrevivência

O primeiro item no topo da lista de @lamorosangel é um cobertor térmico: “Sempre tenho um na minha mochila. É leve, não ocupa espaço e pode ser bastante útil, seja para bloquear o frio ou até mesmo o calor.” Tabletes purificadores de água (ou algo semelhante que torne a água segura para beber), uma capa de chuva para a mochila (que a protege da chuva e da poeira), uma lanterna de cabeça (com um conjunto extra de baterias, se operado por baterias), um telefone celular, um dispositivo GPS, carregadores de bateria e baterias externas (ou carregadores solares para viagens sem acesso à eletricidade), além de fita adesiva, esparadrapo, cordas ou cordões finos e um canivete.

Outros itens que devemos ter conosco para estarmos bem preparados são a carteira de identidade e os documentos de viagem necessários, um mapa em papel, uma bússola, um apito e um isqueiro.

Mais itens indispensáveis

A lista de itens essenciais de @lamorosangel inclui um par de óculos de sol e um boné ou chapéu para nos proteger do sol, um aquecedor para o pescoço e um par de sandálias leves com tiras (para atravessar rios ou para descansar os pés). Ele também recomenda que levemos alfinetes de segurança ou prendedores de roupa para pendurar as roupas molhadas que lavamos e precisamos secar. Além disso, dentro desse kit, pode ser útil ter uma toalha de microfibra e algumas sacolas plásticas (para guardar ou recolher o lixo).

Também devemos nos lembrar de levar bastões de caminhada leves! @lamorosangel destaca que eles não são úteis apenas para aliviar parte do peso que carregamos nas costas e nas pernas ao caminhar, ou mesmo para cruzar rios complicados, mas também são bons para montar um abrigo improvisado de emergência ou uma cama de campanha junto com algum pano.

Um caminhante pelas dunas de Tin Merzouga com uma mochila e bastões de caminhada.
As dunas de Tin Merzouga, na fronteira entre Argélia e Líbia — Foto de @lamorosangel

Por fim, temos que destacar a importância de nos informarmos se a trilha exige equipamentos técnicos específicos (como crampons ou piqueta de gelo) e, se formos dormir em refúgios ou qualquer outro tipo de alojamento ou não, seja qual for o caso, teremos que considerar levar equipamento de acampamento e alguns lanches.

Kit de primeiros socorros e produtos de higiene

O conteúdo do kit de primeiros socorros e da bolsa de produtos de higiene também poderá variar dependendo do caminho que escolhermos seguir e das condições que encontraremos. De acordo com @lamorosangel, sempre teremos que levar: antibióticos (especialmente para problemas digestivos), antidiarreicos e sais minerais, antipiréticos, anti-inflamatórios (em comprimidos e em pomada), suturas cutâneas adesivas, pomada para prevenir escoriações e feridas de pressão ou para hidratar a pele e os lábios, curativos de diferentes tamanhos para bolhas, escoriações e feridas, antissépticos, gazes e ataduras, uma lâmina cirúrgica, pinças e tesouras. Além disso, se formos para um lugar de altitude elevada, ele sugere que levemos medicamentos específicos para o mal da montanha (normalmente diuréticos e corticosteroides). Pergunte com antecedência a um especialista para saber qual medicamento você pode precisar para cada situação, e como usá-lo corretamente.

Por outro lado, não podemos esquecer o protetor solar (para o corpo, rosto e lábios) e, dependendo da época do ano e do local, repelente de insetos, além de produtos de higiene pessoal, como sabonete, escova de dentes, creme dental, lenços de papel ou papel higiênico.

Água

Se quisermos manter nossa carga leve sem correr o risco de desidratação, é fundamental controlar a quantidade de água que carregamos. @lamorosangel explica que costuma levar uma garrafa de água de 1,5 litro e tabletes purificadores de água, caso não seja possível encher com água potável ao longo da trilha: “Em caminhadas como a nos Annapurnas ou no Everest Base Camp, muitas aldeias enchem sua garrafa por um preço justo em estações de água potável; no entanto, outros lugares podem ser mais difíceis.” Ele também nos avisa que, se nossa viagem for planejada para a América do Norte, às vezes “será preciso tomar cuidado com a giárdia e levar bastante água, ou levar um sistema especial de filtragem para purificar a água com filtro de carbono”.

Trekking na neve no ponto mais alto do Circuito de Annapurna, o passo de montanha Thorong La, a 5.416 m de altura.
O passo Thorong La (5.416 m), ao longo do Circuito de Annapurna — Foto de @lamorosangel

A mochila

Depois de determinar quais itens precisamos, é importante escolher as medidas e características corretas da mochila que queremos levar. As mochilas comumente usadas para uma viagem de trekking de 1 noite tendem a ter capacidade para 25 a 45 litros, sem equipamento de acampamento, e algo em torno de 45 a 60 litros para viagens de várias etapas mais longas.

É importante que nos sintamos confortáveis com a mochila, que ela seja capaz de guardar adequadamente o equipamento e nos dê fácil acesso a um determinado número de bolsos. Além disso, é importante que tenha uma estrutura rígida, tiras ajustáveis e uma tira para a cintura para não transportarmos a carga apenas com os ombros, mas sim distribuí-la até à cintura. Outras características a considerar é que ela seja acolchoada, que as alças se adaptem à nossa anatomia e permita que as costas respirem.

Um caminhante com uma mochila de trekking pela trilha Carros de Foc, com as montanhas do Parque Nacional de Aigüestortes e Estany de Sant Maurici ao fundo.
Carros de Foc, no Parque Nacional de Aigüestortes e Estany de Sant Maurici — Foto de @lamorosangel

Como organizá-la

A regra ao distribuir seu equipamento é ter em mente o peso e a frequência com que você usa cada item. É uma boa ideia colocar o material mais pesado no centro e perto das costas, embora @lamorosangel nos diga que ele está acostumado a colocar a parte mais pesada na parte inferior (especialmente quando o objeto em questão é um que ele não vai usar muito), objetos de peso médio na parte intermediária e os itens mais leves e os que usa com mais frequência na parte superior. Os bolsos externos devem ser reservados para itens de uso imediato, como mapa, lanterna de cabeça, canivete, celular, óculos de sol, chapéu ou luvas.

Além de usar os diferentes compartimentos internos, outro conselho que ele nos dá é que usemos sacolas de pano para guardar coisas (como comida ou roupas) dentro da mochila, ou mesmo “bolsas de embalagem” ou caixas organizadoras, como faz sua companheira.

As preferências pessoais e a experiência adquirida com o tempo acabarão definindo a mochila perfeita e a distribuição do equipamento, dependendo de cada pessoa e trilha.

O peso total

Em uma trilha de caminhada, é importante levar o que for necessário e o que vai melhorar o nosso conforto e segurança, mas sempre tendo em mente que devemos restringir o peso máximo, pois, caso contrário, podemos transformá-la em uma inconveniência.

A teoria geral é que a mochila deve pesar entre 10 a 20% do nosso próprio peso, dependendo se a trilha tem uma etapa ou mais. “Peso 63 quilos, e minha mulher 42. Costumo carregar uma mochila de 8-9 quilos”, diz @lamorosangel. E continua: “Em uma caminhada longa, menos peso é quase impossível.”

Duas mochilas de trekking no topo da Penyagalera, nos Puertos de Tortosa-Beceite, entre Catalunha e Aragão, onde cruza a trilha Estels del Sud
Mochilas de trekking na trilha Estels del Sud, entre Catalunha e Aragão — Foto de @lamorosangel

Como temos visto, a chave é saber o que é essencial e o que não é, sempre seguindo “a tendência de simplificar o equipamento o máximo possível para não nos sobrecarregarmos”, como destaca @lamorosangel. No entanto, além disso, precisamos considerar mais alguma coisa? “Jamais se deve perder o entusiasmo de viajar, a melhor escola para conhecer o mundo e tudo sobre nós”, enfatiza @lamorosangel. Além de não esquecer que “viajar é gostoso três vezes: ao planejar, ao fazer e ao voltar e pensar em todas as lembranças”.

Antes e durante uma trilha, lembre-se da importância de seguir alguns conselhos fundamentais para desfrutar da montanha com segurança.

Lista: itens básicos

Roupas

  • Botas ou sapatos de montanhismo
  • Camisetas técnicas (duas ou mais; podemos lavá-las no caminho)
  • Calças de trekking (duas ou mais; podemos lavá-las no caminho)
  • Meias e cuecas suficientes (podemos lavá-las no caminho)
  • Blusões (que possam ser substituídos por uma jaqueta Gore-Tex ou uma camada à prova d’água)


Para regiões de baixa temperatura:

  • Luvas
  • Gorro
  • Camiseta técnica transpirável
  • Roupa forrada de lã ou penas
  • Jaqueta Gore-Tex ou uma camada à prova d’água
  • Calças térmicas transpiráveis
  • Calças forradas à prova d’água


Para dias chuvosos:

  • Jaqueta Gore-Tex ou uma camada à prova d’água
  • Calças forradas à prova d’água

Kit de sobrevivência

  • Cobertor térmico
  • Tabletes de purificação de água
  • Capa à prova d’água para mochila
  • Lanterna de cabeça (com baterias extras)
  • Telefone celular
  • Dispositivo GPS
  • Carregadores e baterias externas (ou carregadores solares)
  • Fita adesiva e esparadrapo
  • Cordas ou cordões finos
  • Canivete
  • Isqueiro
  • Mapa em papel
  • Bússola
  • Apito
  • Carteira de identidade e documentos de viagem

Mais itens essenciais

  • Óculos de sol
  • Boné ou chapéu
  • Aquecedor para o pescoço
  • Sandálias leves com tiras
  • Toalha de microfibra
  • Alfinetes de segurança ou prendedores de roupa
  • Sacolas plásticas
  • Bastões de caminhada leves
  • Comida e água (com base nas demandas da viagem)
  • Equipamento de acampamento (se necessário)
  • Equipamento técnico específico para a trilha (como crampons ou uma piqueta de gelo)

Kit de primeiros socorros e produtos de higiene

  • Antibióticos
  • Antidiarreicos e sais minerais
  • Antipiréticos
  • Anti-inflamatórios (em comprimidos e em pomadas)
  • Medicamento específico para o mal da montanha (para regiões de grande altitude)
  • Suturas cutâneas adesivas
  • Pomada
  • Curativos para ferimentos
  • Antissépticos
  • Gazes e bandagens
  • Lâmina cirúrgica
  • Pinças
  • Tesoura
  • Protetor solar (para o corpo, rosto e lábios)
  • Repelente de insetos (dependendo da época do ano e do local)
  • Produtos de higiene pessoal (como sabonete, escova de dentes, creme dental, lenços de papel ou papel higiênico)


Pergunte a um especialista sobre a medicação necessária para cada caso, e como usá-la.

A mochila

  • Mochila de caminhada (25-45 litros): apenas para viagens de uma noite de várias etapas
  • Mochila de trekking (45-60 litros): para viagens que duram mais de uma noite